Polícias saíram desiludidos da reunião com o Governo sobre o subsídio de risco

José Sena Goulão / Lusa

Protesto de policias, organizado pelo Movimento Zero

Os dirigentes dos sindicatos da PSP e associações socioprofissionais da GNR saíram desiludidos, esta quarta-feira, da reunião com o Governo sobre a atribuição do subsídio de risco.

Andam a tentar iludir os polícias fazendo uma interpretação errada do suplemento das forças de segurança. Ficámos surpresos e perplexos por o Governo não ter apresentado qualquer proposta”, disse aos jornalistas o presidente do Sindicato dos Profissionais da Polícia (SPP), Mário Andrade, no final da reunião com o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Antero Luís.

O presidente do SPP, que falou em nome da plataforma constituída por 13 sindicatos e associação socioprofissionais da Polícia de Segurança Pública e Guarda Nacional Republicana, explicou que o Ministério da Administração Interna (MAI) não avançou na reunião com um novo valor para o subsídio de risco, tendo marcado um novo encontro para a próxima quarta-feira.

Segundo Mário Andrade, o secretário de Estado propôs um aumento salarial para os agentes que estão nos escalões mais baixos, traduzindo-se em cerca de 40 ou 50 euros. “É inaceitável que tenha proposto a revisão da tabela salarial do primeiro e segundo escalão dos agentes e indexar o subsídio de risco a esse valor”, disse, frisando que o subsídio de risco “não está aí contemplado”.

Já a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) defendem o pagamento faseado do subsídio de risco até 2024. Em janeiro de 2022 seria pago 200 euros, em 2023 aumentava para 300 euros, fixando-se em 2024 nos 430 euros.

“Tenho alguma dificuldade em perceber para que é que serviu esta reunião e tivemos oportunidade de dizer ao secretário de Estado se estaríamos na perspetiva de discutir o suplemento de risco não podia haver a necessidade de falar na reestruturação dos suplementos remuneratórios e falar da tabela remuneratória”, disse aos jornalistas o presidente da ASPP/PSP.

Paulo Santos frisou que os polícias estavam à espera que o Governo reagisse às contrapropostas apresentadas pelos sindicatos. “Até ao momento nada disse e agendou uma nova reunião para a próxima quarta-feira. Esperemos que nesse dia já diga qual a reação do Governo às contrapropostas das estruturas sindicais”, afirmou, sublinhando a importância de os agentes com vencimentos mais baixos serem compensados. Mas, considera, é um assunto que deve ser discutido fora do subsídio de risco.

Por sua vez, o presidente da APG, César Nogueira afirmou que a contraposta apresentada pela Associação dos Profissionais da Guarda, juntamente com a ASPP, demonstra “boa-fé” para que no final se consiga atingir os 430 euros, considerando que são os elementos da PSP e da GNR que “avançam em primeiro lugar e estão mais expostos ao risco”.

“Fizemos a nossa contraproposta, esperamos que o Governo venha ao encontro daquilo que nós pretendemos”, disse César Nogueira, considerando a proposta inicial do MAI “indigna e pouca séria”.

Enquanto as estruturas que representam os elementos da PSP e da GNR estiveram reunidas com o secretário de Estado, centenas de polícias estiveram concentrados em frente ao MAI, vestidos de preto e com cartazes onde estava escrito o nome de polícias que morreram nos últimos anos em serviço, para protestar contra a proposta apresentada inicialmente pelo Governo.

Os manifestantes empunhavam também bandeiras das respetivas estruturaras sindicais, sendo os mais visíveis da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), e cartazes onde se lê “Tratem os polícias com dignidade”, “Vidas a saldo” e “Exigimos respeito”.

Juntos numa plataforma, 10 sindicatos da PSP e três associações socioprofissionais da GNR exigem um subsídio de risco no valor de 430,39 euros, idêntico ao que é atribuído a outras polícias, como inspetores da Polícia Judiciária e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Os elementos da PSP e da GNR prometem continuar com os protestos e, para a próxima quarta-feira, está já marcada uma nova concentração em frente do MAI. “Vamos continuar a lutar e com protestos ainda maiores”, prometeu César Nogueira.

O MAI propôs um novo suplemento por serviço de risco nas forças de segurança, que substituirá o atual suplemento por serviço nas forças de segurança, no valor de 100 euros para os elementos em funções de ronda e patrulha, 90 euros para quem têm funções de comando e 80 euros para os restantes operacionais, significando, na prática, um aumento de 68, 59 e 48 respetivamente, uma vez que o suplemento por serviço nas forças de segurança é atualmente de 31 euros.

O subsídio de risco é uma das principais e mais antiga reivindicação dos polícias e a atribuição deste suplemento está prevista no Orçamento do Estado deste ano, numa decisão dos partidos da oposição e não do Governo.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …

Principais indicadores da crise climática estão a atingir "ponto de inflexão", revela estudo

Um novo estudo sobre os sinais vitais do planeta revelou que muitos dos principais indicadores da crise climática estão a piorar e a aproximar-se ou ultrapassar os pontos de inflexão, à medida que as temperaturas …

Biden acusa a Rússia de tentar intervir nas eleições de 2022 para o Congresso

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, acusou na terça-feira o seu homólogo russo, Vladimir Putin, de tentar interferir nas eleições para o Congresso de 2022, espalhando "desinformação". "Veja o que a Rússia já está …

Polícias rejeitam proposta do MAI para o subsídio de risco e prometem novos protestos

Os sindicatos da PSP e as associações socioprofissionais da GNR rejeitaram, esta quarta-feira, a proposta apresentada pelo Governo para o subsídio de risco e prometem novos protestos até que seja atribuído "um valor justo". "Saímos completamente …

Desta vez, van Vleuten ganhou mesmo (aos 38 anos)

Ficou para trás o episódio caricato do último domingo. Annemiek van Vleuten é a nova campeã olímpica de ciclismo, contrarrelógio. Annemiek van Vleuten iria ficar ligada a um dos momentos mais insólitos, ou mesmo o mais …