Polícia de Hong Kong proíbe manifestação marcada para domingo

Roman Pilipey / EPA

Esta quinta-feira, a Polícia de Hong Kong proibiu a manifestação convocada para o próximo domingo pela Frente Cívica de Direitos Humanos (FCDH), que tem liderado os grandes protestos pró-democracia na antiga colónia britânica.

A manifestação foi convocada após o anúncio da líder do Governo de Hong Kong, Carrie Lam, da retirada formal das emendas à polémica lei da extradição que esteve na base da contestação social desde o início de junho.

No entanto, no mesmo dia do anúncio de Lam, a vice-coordenadora da FCDH, que reúne mais de uma dezena de partidos e organizações não-governamentais, disse, em declarações à Lusa, que “os slogans que têm sido entoados nas ruas são claros. ‘Cinco exigências: nem uma a menos‘”, afirmou Bonnie Leung.

Esta [a lei da extradição] era a mais simples de responder, mas as outras quatro são igualmente importantes”, sublinhou, defendendo que “seria também simples aceitar a criação de uma comissão de inquérito independente para averiguar a atuação da polícia” que é acusada de usar força excessiva.

Os manifestantes exigem que o Governo responda a quatro outras reivindicações: a libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial e, finalmente, a demissão da chefe de Governo e consequente eleição por sufrágio universal para este cargo e para o Conselho Legislativo, o parlamento de Hong Kong.

Na carta de “objeção” da polícia, enviada aos organizadores da marcha, lê-se que durante as manifestações realizadas desde junho “alguns manifestantes não apenas cometeram atos de violência, incêndio criminoso e bloqueios de estradas, mas também usaram bombas de gasolina e todos os tipos de armas para destruir bens públicos em larga escala”.

Além disso, as autoridades policiais apontaram que os locais onde o protesto iria acontecer são “muito próximos a prédios de alto risco“, entre os quais a estação de comboios de alta velocidade ou o quartel-general da polícia. Ao declarar a manifestação ilegal, as pessoas que participem na mesma podem enfrentar sérias consequências legais.

A FCDH já anunciou que interpôs um recurso contra a decisão da polícia e deve ser notificada antes de domingo sobre a decisão.

A transferência de Hong Kong para a República Popular da China, em 1997, decorreu sob o princípio “um país, dois sistemas”. Tal como acontece com Macau, para aquela região administrativa especial da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, com o Governo central chinês a ser responsável pelas relações externas e defesa.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mapa de férias pode ser decidido até 10 dias após o fim do estado de emergência

As empresas e os trabalhadores poderão decidir o mapa de férias deste ano até 10 dias após o fim do estado de emergência, que termina a 17 de abril, sem prejuízo de haver renovação. Esta quinta-feira, …

9886 casos confirmados e 246 vítimas mortais em Portugal

O boletim epidemiológico da DGS desta sexta-feira revela que há mais 852 infetados pelo coronavírus em Portugal. face ao dia anterior. O número de vítimas mortais é agora de 246. Segundo o Relatório da Direção Geral …

Donos da ANA adiam investimentos e deixam Montijo em risco

O grupo Vinci Airports, que controla a gestora aeroportuária nacional, vai adiar investimentos e o novo aeroporto do Montijo poderá ser uma das baixas. Como seria de esperar, a pandemia de covid-19 está a ter um …

Bancos com mil milhões de euros em pedidos de moratórias em média numa semana

Uma semana depois de a legislação da moratória pública ter entrado em vigor, os bancos nacionais já têm uma estimativa do número de pedidos de particulares e de empresas. De acordo com o Jornal Económico, os …

Idosos em lares infetados vão mudar-se (e podem ir para outros concelhos)

Na sequência do aumento de números de casos confirmados de covid- 19 nos lares, o Governo pretende “encontrar equipamentos alternativos” para alojar idosos, em isolamento profilático e que não precisem de tratamento hospitalar, dentro ou …

Apesar da pandemia, juiz Carlos Alexandre marca sessões do caso Tancos para abril

O juiz Carlos Alexandre marcou o interrogatório do principal arguido do processo relativo ao furto das armas de Tancos, João Paulino, para dia 21 de abril. De acordo com um despacho datado de 1 abril, citado …

Conceição pode estar de saída. FC Porto oferece 5 milhões por ano a Jesus

O treinador portista, Sérgio Conceição, pode estar de saída para a Alemanha. Como alternativa, o FC Porto está disposto a pagar 5 milhões de euros por ano a Jorge Jesus. Sérgio Conceição pode estar de saída …

Estado paga subsídio de refeição em teletrabalho. No privado, os patrões estão confusos

Mesmo à distância, os funcionários públicos mantêm o direito ao subsídio de refeição. No privado, a confusão mantém-se e os patrões estão divididos. De acordo com o secretário-geral da UGT, alguns patrões do privado estão a …

UEFA não quer campeonatos a seguir o exemplo belga

A UEFA reprovou a decisão da Liga de futebol da Bélgica que, esta quinta-feira, recomendou que se dê por terminada a época e se atribua o título ao Club Brugge.  Numa carta conjunta com a Associação de Clubes …

Boris Johnson em cheque. Desta vez, por causa da quantidade ínfima de testes

A pandemia de covid-19 está a ser um calvário político para Boris Johnson. O primeiro-ministro britânico tem sido alvo de várias críticas, sendo que a última tem a ver com a quantidade ínfima de testes …