/

Pode já ser demasiado tarde para salvar o Taj Mahal

2

OneEighteen / Flickr

Taj Mahal, na Índia

O Taj Mahal, monumento que é cartão postal da índia, está a ficar amarelado devido à poluição. O Supremo Tribunal indiano já ameaçou o Governo: “ou restauram ou demolem”.

Há um ditado que diz que o Taj Mahal, na índia, é rosado de manhã, branco leitoso à noite e dourado quando a lua brilha no céu. Todavia, apesar de isso ter sido verdade durante muito tempo para o famoso monumento de mármore, uma mistura de poluição e má gestão sobrecarregou-o.

O monumento condenado a “letargia” dos esforços de restauração, o Supremo Tribunal indiano ordenou a restauração do Taj Mahal – ou a sua demolição.

O Taj Mahal, construído em mármore branco translucido, foi decorado com pedras semipreciosas, incluindo safira e cornalina. No entanto, o tempo passou por ele e, nos últimos quatro séculos, o monumento envelheceu e escureceu bastante, como resultado de processos naturais de oxidação.

Encharcado de chuva ácida, coberto de fuligem de chaminés industriais e domésticas e corroídos por poluentes atmosféricos, o Taj Mahal está irreconhecível.

A monumental poluição nas cidades indianas não é novidade, e Agra não é exceção. À semelhança de muitas cidades asiáticas, o aumento significativo de circulação automóvel fez com que o tráfego aumentasse e, com ele, a poluição.

Além disso, o ar sujo que emerge das chaminés das refinarias de petróleo contém poluentes – dióxido de enxofre e, principalmente, partículas à base de carbono – que têm destruído a fachada branca e brilhante do monumento lendário, dando-lhe um brilho amarelado.

Apesar de estar inserido numa zona dentro da qual as emissões são, supostamente, controladas, as fotografias do Taj Mahal mostram uma deterioração acentuada e sem igual. Os limites legais de emissão foram contestados e são diariamente contestados.

Os esgotos e resíduos industriais chegam da cidade e criam águas ricas em nutrientes que são então absorvidos pelo vento e, consequente,e depositados na pedra cada vez mais porosa do Taj Mahal. Isso permite que microrganismos derivados do rio resistam, colorindo a fachada de verde.

Além disso, dejetos de muitos insetos presentes na água do rio aceleram os danos, mas o efeito é insignificante se comparado com o dióxido de enxofre e dióxido de nitrogénio derivado dos combustíveis fósseis.

Desde 1998, uma série de institutos de investigação indianos exploraram métodos de restauração, tendo sido gastos milhões na tentativa de reverter a descoloração do monumento. No caso dos excrementos, por exemplo, estes são esfregados para que saiam das paredes do Taj Mahal, mas a erosão danifica o brilho do mármore.

Seria preciso uma limpeza frequente para manter o edifício com o seu aspeto original, algo que seria trabalhoso e muito dispendioso.

Segundo o Jornal i, tanto o Governo estatal como o federal são acusados de serem os responsáveis pela visível degradação do monumento. O Supremo Tribunal está muito preocupado com a possibilidade do edifício de 400 anos “sofrer uma preocupante mudança de cor”, pelo que encostou o Governo à parede: “ou restauram ou demolem” o edifício.

O Governo já formou um comité para prevenir a poluição em redor do monumento e, entretanto, já se começaram a sentir os efeitos de algumas das medidas sugeridas por este grupo – como o fecho de algumas fábricas perto do edifício, por exemplo. Mas, apesar destes esforços, o estado de degradação continua a evoluir.

Espera-se agora que o Taj Mahal, que atrai diariamente 70.000 turistas, consiga sobreviver e sair vitorioso desta “suja batalha”.

  ZAP // sciencealert

2 Comments

  1. Eu quero lá saber do Taj Mahal, a minha preocupação é o Irão, a Coreia do Norte, a Venezuela, o Estado Islâmico Daesh, a Alqaeda o Al Shabat, o Hamas, os migrantes, etc.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.