“Elo perdido”. Pode ser impossível saber como chegou o coronavírus aos humanos

NIAID / Flickr

Coronavírus: SARS-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19, visto ao microscópio electrónico

O coronavírus foi detectado em morcegos, mas a forma como foi transmitido aos humanos continua a ser um mistério. E esse “elo perdido” pode nunca ser desvendado.

Os EUA têm insistido na ideia de que o coronavírus teve origem num laboratório em Wuhan, na China, mas a Organização Mundial de Saúde (OMS) insiste que teve uma “origem natural”. Mas cientistas alertam que pode nunca se vir a saber com certeza como é que a primeira pessoa foi infectada.

A teoria mais disseminada é de que um animal hospedeiro do vírus foi vendido no mercado de animais selvagens de Wuhan, onde se acredita que começou o surto.

É sabido que o comércio de animais selvagens pode ser uma fonte de transmissão entre espécies, mas no mercado de Wuhan não foi encontrado nenhum animal com o coronavírus no seu organismo.

“O cluster inicial de infecções foi associado ao mercado – isso é uma prova circunstancial”, repara em declarações à BBC o professor James Wood da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Mas “a infecção pode ter vindo de outro lado e só, por acaso, ter-se espalhado em torno de pessoas de lá”, aponta.

Todavia, Wood admite que, “como é um vírus animal, a associação ao mercado é altamente sugestiva”.

“Misturar grandes quantidades de espécies sob fracas condições de higiene e de bem-estar, e espécies que, normalmente, não andariam próximas, dá oportunidade aos patogénos para saltarem de espécie em espécie“, avalia, por seu lado, Andrew Cunningham da Sociedade Zoológica de Londres, também em declarações à BBC.

Há um historial de vírus que passaram para os humanos através de uma espécie intermediária, como atesta Wood. O SARS original, que teve origem em morcegos, “foi transmitido para a população humana via uma epidemia em civetas de palmeira [uma espécie de pequeno mamífero que existe no Sudoeste asiático e que também é conhecido por musango] que estavam a ser comercializadas pelo sul da China para serem comidas”, salienta o professor de Cambridge.

“Isso foi muito importante de saber porque houve uma epidemia nas próprias civetas de palmeira que tiveram de ser controladas para travar um processo em curso de transbordamento para os seres humanos”, acrescenta Wood.

As pistas dos cientistas chegaram a apontar os visons, os furões e até as tartarugas como hospedeiros do SARS antes de este passar para os humanos. Vírus semelhantes foram encontrados também em pangolins, mas nenhuma destas espécies terá ligações ao surto actual.

“Estávamos à espera que algo como isto acontecesse há algum tempo”, aponta Cunningham, lembrando que o coronavírus que provoca a Covid-19 nem sequer é o primeiro vírus a ter origem em morcegos selvagens – aconteceu o mesmo com o Ébola, a raiva e o SARS.

“Estas doenças estão a surgir mais frequentemente, em anos recentes, como resultado da invasão humana do habitat selvagem e do aumento do contacto e do uso de animais selvagens pelas pessoas”, salienta Cunningham.

Em 2017, a virologista chinesa Shi Zhengli, directora adjunta de um laboratório de pesquisa de Wuhan e conhecida como “Batwoman” (Mulher Morcego), conseguiu encontrar um vasto conjunto de coronavírus associados ao SARS em morcegos de uma única gruta na China.

Foi também Shi Zhengli, juntamente com a sua equipa no laboratório de Wuhan, que conseguiu determinar a primeira sequência genética do novo coronavírus, concluindo que era idêntico em 96% a um dos que tinha detectado em morcegos numa gruta.

O relatório dessa pesquisa, que foi divulgado em Fevereiro pela Nature, aponta que, mais uma vez, os morcegos foram a origem do vírus que provoca a Covid-19. Mas não é tão claro que os humanos tenham sido directamente infectados por estes animais.

O processo que leva um vírus a infectar um humano passa pela capacidade de “desbloquear” as suas células para se poder replicar . “No caso do Sars-CoV-2, a chave é uma proteína do vírus chamada Spike e o bloqueio principal para entrar na célula é um receptor chamado ACE2″, refere à BBC o virologista David Robertson da Universidade de Glasgow, na Escócia.

“O coronavírus não é apenas capaz de caber nesse bloqueio ACE2”, mas também consegue fazê-lo “muitas mais vezes e melhor do que o Sars-1“, destaca Robertson. Esse encaixe perfeito pode ajudar a explicar a facilidade de transmissão da Covid-19.

Cientistas suspeitam que o vírus pode ter andado por entre os humanos durante semanas ou mesmo meses, manifestando-se apenas com sintomas leves, antes de provocar infecções mais graves.

Pode ter havido mini-surtos, mas os vírus ou queimaram ou mantiveram a transmissão de baixo nível antes de causarem estragos”, explica à Scientific American o virologista Ralph Baric da Universidade da Carolina do Norte.

Mas no fim de contas, subsistem mais dúvidas do que certezas. “O surto de Wuhan é um alerta”, avisa Shi Zhengli através da Scientific American, destacando que descobrimos apenas “a ponta do icebergue”.

“Os coronavírus nascidos de morcegos vão causar mais surtos. Temos que os encontrar antes que nos encontrem a nós”, sublinha Shi Zhengli.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A ordem geral é limpar a barra da China a qualquer custo. Pelos vistos o planeta todo é refém daquele país e tem medo dele.

RESPONDER

Israel descobre túnel escavado desde a Faixa de Gaza

"O túnel, com várias dezenas de metros de comprimento, foi escavado em Khan Younès, no sul da Faixa de Gaza, e entra no território israelita", afirmou o porta-voz do exército, Jonathan Conricus, durante uma conferência …

Lei aprovada no Parlamento pretende facilitar prescrições de multas a partidos políticos

O projeto foi aprovado na generalidade no Parlamento, e está em discussão na especialidade. A Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) teme os efeitos da nova legislação sobre as prescrições de multas a partidos …

Noiva de Khashoggi processa príncipe herdeiro saudita

Hatice Cengiz, noiva de Jamal Khashoggi, colocou um processo contra o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman e outros alegados mentores do assassínio. A noiva do jornalista Jamal Khashoggi, assassinado na Turquia em outubro de …

Papa Francisco defende pela primeira vez uniões de facto para casais homossexuais

O Papa Francisco defendeu a regulação do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, afirmando que os homossexuais têm direito a constituir família. "Homossexuais têm o direito de constituir família. São filhos de Deus", defendeu o …

“Uma desgraça completa”. Ex-ministro do PSD arrasa atuação do Ministério da Saúde no combate à pandemia

O antigo governante do PSD Fernando Leal da Costa acusou esta quarta-feira o Ministério da Saúde de “falta de liderança” na gestão da pandemia de covid-19, e falou até de “uma desgraça completa” do ponto …

Ministro defende que investimento nas Forças Armadas “é tão relevante” como na saúde

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, destacou o papel das Forças Armadas no combate à pandemia de covid-19 e defendeu que o investimento público nesta área “é tão relevante” quanto na saúde ou …

Giro. João "Rosa" Almeida segura liderança da geral

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) manteve esta quarta-feira a liderança da Volta a Itália em bicicleta, numa 17.ª etapa ganha pelo australiano Ben O'Connor (NTT). O'Connor, de 24 anos, cumpriu os 203 quilómetros entre Bassano del …

Investimento público atinge máximo de uma década em 2021

Dados do relatório do Orçamento do Estado mostram que o Governo conta terminar 2020 com um investimento público de 4.884 milhões de euros (75 milhões de euros a menos do que a previsão do Orçamento …

Audições urgentes pedidas pelo PS sobre StayAway Covid são por escrito ou em dezembro

O Parlamento aprovou, esta terça-feira, a audição de entidades e personalidades sobre a obrigatoriedade da aplicação Stayaway Covid, proposta pelo PS, "com caráter de urgência", por escrito ou em dezembro, após o debate do Orçamento …

Taxa de nascimentos de linces no Vale do Guadiana é a mais alta da Península Ibérica

A taxa de nascimentos na população de linces ibéricos no Vale do Guadiana é a mais elevada da Península Ibérica, segundo os resultados dos censos 2019 divulgados hoje pelo Instituto da Conservação da Natureza e …