No seu nascimento, Plutão era escaldante e já escondia um oceano líquido no seu interior

New Horizons / NASA

Imagem de Plutão enviada pela New Horizons em julho de 2015

Um novo estudo sugere que, ao contrário de análises anteriores, Plutão pode ter tido um “começo quente” no gelado Cinturão de Kuiper e desenvolvido um oceano líquido subterrâneo muito antes do que se pensava.

Investigadores norte-americanos chegaram a essa conclusão comparando diferentes simulações térmicas do interior de Plutão com observações do planeta anão pela sonda New Horizons da NASA.

“Durante muito tempo, as pessoas pensaram sobre a evolução termal de Plutão e a capacidade de um oceano ter sobrevivido até aos dias de hoje”, disse Francis Nimmo, professor de Ciências da Terra e Planetárias na UC Santa Cruz e co-autor do estudo, em comunicado. “Agora que temos imagens da superfície de Plutão da missão New Horizons da NASA, podemos comparar o que vemos com as previsões de diferentes modelos de evolução termal”.

Até 2015, quando a missão da NASA captou imagens do planeta anão, os cientistas pouco sabiam sobre a sua aparência. Porém, desde o “coração” na superfície de Plutão até aos seus vulcões gelados, a missão New Horizons mostrou que o planeta era um objeto geologicamente ativo.

Assim, o suspeito oceano salgado subterrâneo debaixo sob a concha gelada de Plutão era uma característica particularmente intrigante. Investigadores tradicionalmente atribuem a formação do oceano de Plutão ao calor gerado pela queda radioativa no interior do planeta anão, esculpido dentro da bola de gelo e rocha congelados.

No entanto, as novas simulações da equipa mostraram que esse cenário de “início a frio” não seria responsável por alguns dos recursos de superfície de Plutão vistos pela New Horizons.

“Se começasse frio e o gelo derretesse internamente, Plutão teria contraído e deveríamos ver caraterísticas de compressão na sua superfície, enquanto que, se aquecesse, deveria expandir-se à medida que o oceano congelasse e ver caraterísticas de extensão na superfície”, explicou o principal autor do estudo, Carver Bierson. “Vemos muitas evidências de expansão, mas não vemos nenhuma evidência de compressão”.

Para que Plutão estivesse suficientemente quente para ter um oceano líquido nos seus primeiro dias, uma grande maioria da energia gravitacional libertada pelo material acumulado deve ter sido retida como calor. Para isso, a sua formação também deve ter acontecido rapidamente.

“A forma como Plutão se formou importa muito para a sua evolução térmica”, disse Nimmo. “Se acumular muito lentamente, o material quente na superfície irradia energia para o Espaço, mas se acumular suficientemente rápido, o calor fica preso no interior”.

A partir dos seus cálculos, a equipa mostra que, se o planeta anão se formou durante um período inferior a 30 mil anos, o calor seria mantido. Se, por outro lado, esse período durasse alguns milhões de anos, grandes impactadores precisariam de enterrar a sua energia profundamente na superfície de Plutão para gerar suficiente calor.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Nature Geoscience.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Homem na casa dos 20 anos morre de peste no Novo México

Um homem na casa dos 20 anos morreu de peste septicémica no estado norte-americano do Novo México, anunciaram as autoridades de saúde deste estado. A vítima, cuja identidade não foi revelada publicamente, viva em Rio …

Cara do pintor italiano Rafael reconstruida para resolver mistério do seu túmulo

Uma equipa de especialistas fez uma reconstrução em 3D da cara do pintor italiano renascentista Rafael. Assim, confirmaram o seu aspeto físico e resolveram o mistério relativamente ao seu túmulo. O rosto do pintor italiano Rafael …

Novo método não-invasivo permite diagnosticar cancro cerebral sem fazer incisões

Diagnosticar tumores cerebrais pode ser difícil e muito invasivo. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu um método para detetar cancro no cérebro sem ser necessária qualquer incisão. Os tumores cerebrais são normalmente diagnosticados através de imagens …

A última plataforma de gelo intacta do Canadá colapsou. Criou um icebergue maior do que o Porto

A plataforma de gelo Milne, no Canadá, fragmentou-se no final do mês de julho, formando vários icebergues, dois dos quais de grandes dimensões. Cientistas ouvidos pela agência noticiosa AP referem que esta era uma plataforma especial, …

Ícones da moda de luto: a indústria fashion nunca mais será a mesma

Muitas são as áreas da economia a ser gravemente afetadas pela pandemia de covid-19. A indústria da moda não foge à tendência e já são muitos os líderes de grandes marcas a "declarar morte" à …

Covid-19: Cigarros eletrónicos aumentam riscos de infeção em cinco a sete vezes para jovens

O risco de contrair covid-19 entre adolescentes e jovens adultos que fumam cigarros eletrónicos é cinco a sete vezes superior, segundo um estudo liderado pela faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. O …

Apenas 10% da população escreve com a mão esquerda. Cientistas lutam para explicar porquê

Em praticamente qualquer lugar do globo, apenas 10% das pessoas são canhotas, isto é, têm maior habilidade com o lado esquerdo do corpo, especialmente com a mão, comparativamente com o lado direito. Os cientistas tentam há …

Para reavivar o turismo, esta pequena cidade está a contar com a ajuda dos "vampiros"

A pequena cidade de Forks, em Washington, nos Estados Unidos, é lar de 3.600 pessoas, cujos meios de subsistência nos últimos 15 anos foram impulsionados por uma indústria do turismo alimentada por "Crepúsculo", a série …

Tim Cook acaba de se juntar ao clube dos milionário à boleia de recorde histórico da Apple

O diretor-executivo (CEO) da Apple, Tim Cook, acaba de se juntar à lista de multimilionários do mundo, depois de a gigante tecnológica norte-americana atingir um valor de mercado histórico. De acordo com os cálculos da …

Cientistas calculam probabilidade de contágio ao viajar de comboio

Investigadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, calcularam a probabilidade de contrair covid-19 ao viajar numa carruagem de comboio com uma pessoa infetada. Em colaboração com a Academia Chinesa de Ciências, a Academia Chinesa de …