Pais ajudaram a PJ a apanhar Rui Pinto na Hungria (onde desapareceram 2 sacos de provas)

Mário Cruz / EPA/Lusa

Rui Pinto no arranque do julgamento do chamado caso “Football Leaks” que envolve o Fundo de Investimentos Doyen.

A Polícia Judiciária (PJ) perseguia Rui Pinto desde 2015, mas só conseguiu apanhá-lo na Hungria em 2019, após ter seguido os seus pais. Um dado revelado em tribunal no julgamento do caso Football Leaks, onde se ficou também a saber que faltam dois sacos de provas.

Na quinta sessão do julgamento que decorre no Tribunal Central Criminal de Lisboa, o inspector da PJ José Amador reconheceu que foi a polícia húngara quem reuniu o material apreendido a Rui Pinto em 26 sacos aquando da detenção, mas que apenas 24 chegaram a Portugal dois meses depois.

Os dois sacos em falta conteriam “documentos e cabos de ligação”, segundo o inspector.

“Quando o saco foi aberto, verificava-se a ausência de dois sacos. Liguei para a Hungria para perceber, consegui chegar à fala com o colega húngaro e naquele momento ele não conseguia explicar a falta dos sacos. Foi necessário ele transmitir a informação aos superiores e no dia seguinte foi-me dito que os sacos teriam estado no cofre [da esquadra] e que na sequência de outra solicitação os sacos teriam sido levados para outro local e que tinham sido alvo de uma intervenção“, afirmou José Amador em tribunal.

Admitindo “alguma estupefacção” com este procedimento, o inspector revelou que “os sacos denotavam ter sido abertos e os selos [rubricados pelo arguido] recolocados”.

José Amador confirmou também que não esteve “presente” na detenção realizada em 16 de Janeiro de 2019, uma vez que as forças de autoridade húngaras não permitiram a intervenção na operação de elementos das autoridades portuguesas.

Essa detenção ocorreu depois de a PJ ter interceptado comunicações da família de Rui Pinto, descobrindo que iam viajar para a Hungria.

Os pais do hacker foram seguidos pela polícia numa viagem a Budapeste, em 2019, que permitiu chegar à sua localização.

Depois de terem apurado que Rui Pinto estaria a morar na capital húngara, onde tinha feito o programa Erasmus, contactaram as autoridades daquele país, acabando a detê-lo.

Sobre a demora em chegar ao local onde Rui Pinto se encontrava, José Amador referiu que “as respostas [das entidades internacionais] não eram imediatas“. “Passavam-se vários meses até que fosse obtida uma resposta”, disse em tribunal.

Enquanto isso, Rui Pinto ia abanando a cabeça. Desde que foi detido, o hacker sempre alegou que se colocou ao dispor das autoridades portuguesas, lamentando que nunca foi contactado por elas.

Rui Pinto assegura que denunciou vários dos crimes revelados pelo Football Leaks e pelos Luanda Leaks, que tiveram também origem no hacker, às autoridades, mas que foi ignorado.

PJ desconhecia acesso das autoridades francesas às provas

A PJ não teve conhecimento do acesso das autoridades francesas às provas apreendidas a Rui Pinto durante a detenção.

José Amador referiu no julgamento que chegou ao seu conhecimento que “o arguido já teria prestado declarações às autoridades francesas enquanto estava detido” e que lhe foi explicado que “os dispositivos [de prova recolhidos] seriam intervencionados”.

Quando questionado pela juíza se a PJ fez diligências para apurar a situação junto das autoridades francesas, o inspector respondeu que isso “não ocorreu”, segundo o seu conhecimento, e que “as autoridades portuguesas não tinham sequer a capacidade de se opor”.

No entanto, José Amador reiterou a ideia de que os dispositivos apreendidos e entretanto intervencionados por elementos franceses e húngaros não foram alvo de manipulação, devido à existência de um resumo digital realizado pela PJ em Portugal, após a extradição de Rui Pinto, e que era idêntico ao efectuado anteriormente pela polícia húngara.

“O resumo digital é um ponto fundamental na aferição da integridade. Estamos perante o mesmo conteúdo digital, essa é a metodologia universal utilizada”, concluiu o inspector.

Rui Pinto, de 31 anos, responde por um total de 90 crimes, incluindo acesso indevido e violação de correspondência, visando entidades como o Sporting, a Doyen, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol e a Procuradoria-Geral da República.

O hacker também responde por sabotagem informática à SAD do Sporting e por extorsão à Doyen, na forma tentada.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Teresa Leal Coelho admite processar ex-vereador Fernando Nunes da Silva

A vereadora da Câmara Municipal de Lisboa Teresa Leal Coelho admitiu que poderá vir a processar o antigo vereador Fernando Nunes da Silva, devido às declarações sobre a reposição dos sentidos de circulação na Avenida …

Linha de Fundo: Benfica reforça liderança, mais recados de Conceição, um jardim de infância especial e João “rosa” Almeida

Era uma vez um Clássico... Deu empate o primeiro clássico da época 2020/21. Em Alvalade, Sporting e FC Porto igualaram-se a duas bolas, num jogo que valeu pelas mudanças de resultado, mas que nem sempre foi …

CDS critica PS por obrigar portugueses a pagar "buraco" da TAP para servir apenas Lisboa

O CDS está "chocado" por a TAP ir abandonar as quatro rotas que opera no Aeroporto Francisco Sá Carneiro e critica o PS por obrigar portugueses a pagar "buraco" da TAP para servir apenas Lisboa. O …

Contratos de associação dos colégios privados. Ministério da Educação vence todos os 55 processos judiciais

Em todos os 55 processos judiciais que os colégios privados moveram contra o Ministério da Educação em 2016, na sequência da polémica dos contratos de associação, todas as 55 decisões foram favoráveis ao Governo. O jornal …

Famílias numerosas podem pedir desconto no IVA da luz a partir de março

As famílias com cinco ou mais elementos só poderão usufruir da redução do IVA da eletricidade a partir de 1 de março e terão de o requerer junto do seu fornecedor, segundo uma portaria esta …

Vacina da gripe disponível para mais grupos. Farmácias temem não ter stock suficiente

A vacina da gripe está, a partir desta segunda-feira, disponível para mais grupos populacionais com o início da segunda fase da campanha, que estende a vacinação a pessoas com 65 ou mais anos e pessoas …

Franceses em protesto para homenagear professor decapitado. Autoridades procuram radicais islâmicos

Milhares de pessoas reuniram-se no domingo no centro de Paris numa demonstração de repúdio pela decapitação do professor que mostrou aos seus alunos desenhos do Profeta Maomé. Os manifestantes da Praça da República ergueram cartazes onde …

Proud Boys acreditam na vitória de Trump: "Vamos Ganhar". Voto antecipado começa hoje na Florida

O líder do grupo Proud Boys disse à Lusa, durante uma manifestação em Miami, que Donald Trump vai vencer as eleições presidenciais norte-americanas, e rejeitou a acusação de que é dirigente de uma organização extremista. …

Projeto desenvolve testes rápidos de baixo custo para detetar imunidade

Um consórcio de universidades e uma empresa querem desenvolver "testes rápidos e de baixo custo" para detetar a resposta imunitária ao vírus SARS-CoV-2. O projecto TecniCov, que "obteve um financiamento de 450 mil euros da Agência …

"Medo constante". Human Rights Watch denuncia tortura na Coreia do Norte

Uma organização não-governamental denunciou esta segunda-feira que o sistema norte-coreano de detenção pré-julgamento e de investigação é cruel e arbitrário, com ex-detidos a descreverem tortura sistemática, corrupção e trabalhos forçados não-remunerado. No relatório de 88 páginas, …