Pelo menos oito mortos após golpe de Estado em Myanmar. ONG pedem embargo ao fornecimento de armas

Jeon Heon-Kyun / EPA

Pelo menos oito pessoas morreram em Myanmar, como resultado da violência desencadeada após o golpe de Estado realizado pelos militares a 1 de fevereiro, segundo a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP).

Até agora, o número oficial é de três mortos como resultado direto da repressão policial aos protestos, mas a AAPP também conta o caso de um homem de 26 anos que morreu sob custódia e quatro outros após confrontos entre apoiantes dos militares e manifestantes.

A primeira vítima, uma mulher de 20 anos, foi baleada na cabeça a 9 de fevereiro durante uma manifestação na capital e morreu dez dias depois no hospital.

Dois rapazes, um dos quais com 16 anos de idade, morreram a 20 de fevereiro, devido a ferimentos de bala infligidos pelas autoridades enquanto se manifestavam em Mandalay contra o golpe de estado.

Outro manifestante, com 26 anos, morreu a 24 de fevereiro, depois de não ter recebido tratamento médico por uma ferida de bala no joelho e após ter sido detido pelas autoridades durante um protesto em Mandalay, quatro dias antes.

Além disso, quatro outras pessoas morreram entre 8 e 20 de fevereiro em confrontos noturnos entre apoiantes dos militares e manifestantes que protestavam contra o golpe, quer por espancamento, quer por atropelamento, quer com armas.

Desde o golpe, milhares de pessoas têm saído às ruas quase diariamente por todo o país para exigir que os militares devolvam o poder aos políticos eleitos, bem como a libertação da líder, Aung San Suu Kyi, e de outros detidos pelos militares.

Segundo a AAPP, 728 pessoas foram detidas desde a revolta, incluindo 62 que foram libertadas mais tarde.

A resposta da polícia gerou uma onda de indignação internacional, incluindo do secretário-geral da ONU, António Guterres, da União Europeia e dos países do G7.

O exército justificou a tomada do poder com uma alegada fraude eleitoral nas eleições de novembro, durante as quais os observadores internacionais não detetaram qualquer manipulação.

Apesar da realização de eleições e do processo iniciado em 2011 na Birmânia rumo a uma “democracia disciplinada”, como lhe chama o exército – que governou o país com mão de ferro de 1962 a 2011 -, o comando militar manteve ainda um amplo controlo do país a nível político e económico.

Mais de 130 organizações não-governamentais (ONG) de 31 países pediram ao Conselho de Segurança das Nações Unidas um embargo urgente de armas a Myanmar (antiga Birmânia) “para dissuadir novos abusos por parte da junta [militar]”.

“Os governos que permitem a entrada de armas em Myanmar – incluindo a China, Índia, Israel, Coreia do Norte, Filipinas, Rússia e Ucrânia – devem suspender imediatamente o fornecimento de armas, munições e equipamento associado”, acrescentaram.

De acordo com a RTP, entre os países mencionados, têm assento no Conselho de Segurança a China e a Rússia (dois países com direito de veto), bem como a Índia, membro não permanente desde janeiro.

“Dadas as atrocidades em massa contra os rohingyas, décadas de crimes de guerra e o derrube do governo eleito, o mínimo que o Conselho de Segurança da ONU pode fazer é impor um embargo global de armas a Myanmar”, defendeu o diretor da ONG Human Rights Watch, Kenneth Roth.

O Conselho de Segurança da ONU “deveria também impor sanções específicas, proibições de viagens e congelamento de bens aos líderes da junta“, sustentaram os signatários da carta.

Os Estados Unidos impuseram na segunda-feira sanções contra dois membros da junta militar de Myanmar (antiga Birmânia), que se juntam a dez militares anteriormente sancionados por Washington.

A rede social Facebook anunciou esta quinta-feira o bloqueio de todos os perfis ligados ao Exército da Birmânia.

A Junta Militar disse que vai manter-se no poder durante um ano, antes da realização de um novo ato eleitoral.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. tem de enviar armas para a resistencia Civil ,para conseguir fazer frente aos Militares patrocionados por paises Predadores

RESPONDER

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …