PEC não “compensa aumento do SMN” e beneficia empresas “pouco saudáveis”

A descida dos Pagamentos especiais por conta (PEC) anunciada esta quinta-feira “não compensa diretamente” o aumento do salário mínimo e tem “o risco claro” de beneficiar empresas menos saudáveis ou que praticam evasão fiscal, diz uma fiscalista contactada pela Lusa.

O Governo anunciou a descida dos pagamentos especiais por conta (PEC) e a medida vai ser feita a dois tempos: ao cálculo do PEC previsto no código do IRC – Imposto sobre o Rendimento de pessoas Coletivas será acrescida uma redução fixa de 100 euros e uma redução proporcional de 12,5% do remanescente da coleta paga por cada empresa.

A medida foi a solução alternativa à descida da taxa social única (TSU) paga pelas empresas relativamente a trabalhadores que ganham o salário mínimo nacional, que tinha sido acordada em concertação social para compensar a subida de remuneração para os 557 euros – mas que foi chumbada no parlamento, com o PSD a juntar-se ao BE e ao PCP.

Em declarações à Lusa, a fiscalista Mariana Gouveia de Oliveira, da Miranda & Associados, afirmou que se trata de uma “medida transversal às empresas que pagam PEC”, que “deixa de fora as empresas mais saudáveis, que pagam mais impostos”, já que estas pagam “IRC normal e não apenas PEC”.

Segundo a fiscalista, a medida “não compensa diretamente o impacto da subida da remuneração mínima mensal”.

Para a advogada, a medida tem “uma vantagem” e um “risco claro”: a vantagem é que “não ser uma medida compensatória direta é não subsidiar dessa forma as chamadas políticas de baixos salários“.

O “risco claro” é que “beneficia as empresas menos saudáveis” (e até as que praticam evasão fiscal), as quais poderão colapsar sob o peso do aumento das remunerações mínimas após o período transitório”.

Mariana Gouveia de Oliveira considera que “todas as empresas que estejam sujeitas ao pagamento do PEC sentirão um alívio na sua tesouraria” porque vão “pagar menos imposto antecipado”.

Já no caso das empresas que não pagam IRC suficiente porque “apresentam sucessivamente prejuízos fiscais”, a medida vai implicar “não apenas um alívio de tesouraria mas uma efetiva redução de imposto“.

A fiscalista da Miranda recorda que o PEC surgiu “como uma medida antifraude” e que “as empresas tendencialmente atingidas pelo PEC são empresas que apresentam prejuízos fiscais ou lucros declarados bastante baixos”.

Mariana Gouveia de Oliveira explica que o imposto que uma empresa que sucessivamente apresente prejuízos fiscais paga efetivamente é o PEC e não o IRC normal, uma vez que ao montante do PEC a pagar se deduz o valor do pagamento por conta.

Os pagamentos por conta funcionam no IRC do mesmo modo que as retenções na fonte no IRS – Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares: é uma forma de o Estado ir arrecadando receita ao longo do ano e é um indicador sobre a saúde das empresas.

Como ao montante do PEC se deduz o valor do pagamento por conta, “as empresas com lucros que pagam IRC normal não pagam PEC” porque já pagaram o pagamento por conta, que é deduzido ao valor do PEC a pagar.

Neste sentido, reduzir no PEC a coleta mínima em 100 euros fixos e em mais 12,5% do remanescente da coleta pode ser “realmente baixar a tributação”, defendeu Mariana Gouveia de Oliveira.

A advogada elogia, no entanto, o facto de esta redução temporária do PEC “apenas se aplicar a empresas com gastos em remunerações declarados na Informação Empresarial Simplificada (IES) acima de 7.420 euros, valor mínimo para uma remuneração equivalente a um trabalhador a tempo inteiro durante um ano”.

Desta forma, será possível “pelo menos excluir dos beneficiários desta medida sociedades que não são verdadeiras empresas, mas apenas veículos de detenção de património sem atividade efetiva que não têm quaisquer trabalhadores”.

Questionada sobre se a descida do PEC é mais benéfica para as empresas com trabalhadores que ganham o salário mínimo do que a descida de 1,25 pontos da TSU, a fiscalista considera que “o impacto concreto da medida varia de empresa para empresa em função do volume de negócios e do lucro tributável”.

Não há uma resposta universal (ou sequer tendencial) para esta questão”, conclui.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Prefiro de longe esta opção á da tsu. Esta medida incide básicamente nas pequenas e micro empresas que são as que ainda geram mais empregos no nosso país. Não promove a “colagem” ao ordenado mínimo para obter ganhos como era com a tsu. Espero no entanto que não se torne “moda” que a subida do ordenado minimo esteja sempre condicionado á oferta de benesses para as empresas.

  2. Talvez assim, as empresas “pouco saudáveis” melhorem de saúde…
    Nem tudo o que não tem saúde deve morrer, não?
    Eu como o CHE, prefiro esta opção.

RESPONDER

Mais de 200 sismos em Yellowstone colocam supervulcão em risco de erupção

Especialistas em atividade sísmica informam que a atividade começou, naquela zona, a 8 de fevereiro, mas desde o dia 15 que tem vindo a acelerar e aumentar de magnitude, o que pode colocar o supervulcão …

Comic Con Portugal troca Matosinhos por Oeiras

A edição de 2018 da Comic Con Portugal vai realizar-se no concelho de Oeiras, e não em Matosinhos como nos últimos anos, de acordo com um comunicado divulgado esta terça-feira pela autarquia presidida por Isaltino …

A 24 de março, estudantes americanos vão marchar pelas suas vidas em Washington

Um grupo de estudantes que sobreviveu ao tiroteio da semana passada, numa escola de Parkland, na Flórida, está a preparar uma marcha em Washington para exigir mudanças na política de armamento dos Estados Unidos. Os sobreviventes do …

Oxfam: mais 26 casos denunciados e cada vez menos financiamento

A Oxfam revelou que recebeu 26 novas denúncias de má conduta sexual por parte de funcionários. A confirmação foi dada esta terça-feira por Mark Goldring, presidente executivo da organização, no parlamento britânico. Desde que o escândalo …

Exército alemão sem equipamentos básicos como coletes de protecção e abrigos de Inverno

A Alemanha, uma das principais economias da Europa, tem um dos exércitos mais mal equipados da NATO, de acordo com um documento confidencial do Ministério da Defesa alemão que foi divulgado por órgãos de informação. Segundo …

Vítor Constâncio deixa BCE com reforma milionária

Quando em Maio deixar o cargo de vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Vítor Constâncio vai ter direito a uma "reforma dourada" de 25 mil euros por mês. Os números correspondem à pensão do BCE …

Hugo Soares acusa direção do PSD de "desrespeito institucional grave"

O presidente do PSD não convocou o líder parlamentar, Hugo Soares, para a Comissão Permanente nem para Comissão Política Nacional. Estatutos dizem que presidente da bancada tem assento nos órgãos. O Observador avança que hoje, pelas …

Análises ao sangue e urina poderão detetar precocemente doenças do espectro do autismo

Análises inovadoras ao sangue e à urina poderão vir a detetar precocemente o autismo nas crianças, ligado a danos nas proteínas que estão no plasma sanguíneo. Uma equipa de cientistas baseada na universidade britânica de Warwick …

Torres do Estabelecimento Prisional de Lisboa estão sem vigilância durante 14 horas por dia

As torres do Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL), onde no início de fevereiro houve desacatos com os reclusos, estão sem vigilância durante 14 horas por dia. O aviso é do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda …

Novos modelos fornecem informações do coração da Nebulosa Roseta

Uma nova investigação, liderada pela Universidade de Leeds, fornece uma explicação para a discrepância entre o tamanho e idade da cavidade central da Nebulosa Roseta e o tamanho e idade das suas estrelas centrais. A Nebulosa …