PEC não “compensa aumento do SMN” e beneficia empresas “pouco saudáveis”

A descida dos Pagamentos especiais por conta (PEC) anunciada esta quinta-feira “não compensa diretamente” o aumento do salário mínimo e tem “o risco claro” de beneficiar empresas menos saudáveis ou que praticam evasão fiscal, diz uma fiscalista contactada pela Lusa.

O Governo anunciou a descida dos pagamentos especiais por conta (PEC) e a medida vai ser feita a dois tempos: ao cálculo do PEC previsto no código do IRC – Imposto sobre o Rendimento de pessoas Coletivas será acrescida uma redução fixa de 100 euros e uma redução proporcional de 12,5% do remanescente da coleta paga por cada empresa.

A medida foi a solução alternativa à descida da taxa social única (TSU) paga pelas empresas relativamente a trabalhadores que ganham o salário mínimo nacional, que tinha sido acordada em concertação social para compensar a subida de remuneração para os 557 euros – mas que foi chumbada no parlamento, com o PSD a juntar-se ao BE e ao PCP.

Em declarações à Lusa, a fiscalista Mariana Gouveia de Oliveira, da Miranda & Associados, afirmou que se trata de uma “medida transversal às empresas que pagam PEC”, que “deixa de fora as empresas mais saudáveis, que pagam mais impostos”, já que estas pagam “IRC normal e não apenas PEC”.

Segundo a fiscalista, a medida “não compensa diretamente o impacto da subida da remuneração mínima mensal”.

Para a advogada, a medida tem “uma vantagem” e um “risco claro”: a vantagem é que “não ser uma medida compensatória direta é não subsidiar dessa forma as chamadas políticas de baixos salários“.

O “risco claro” é que “beneficia as empresas menos saudáveis” (e até as que praticam evasão fiscal), as quais poderão colapsar sob o peso do aumento das remunerações mínimas após o período transitório”.

Mariana Gouveia de Oliveira considera que “todas as empresas que estejam sujeitas ao pagamento do PEC sentirão um alívio na sua tesouraria” porque vão “pagar menos imposto antecipado”.

Já no caso das empresas que não pagam IRC suficiente porque “apresentam sucessivamente prejuízos fiscais”, a medida vai implicar “não apenas um alívio de tesouraria mas uma efetiva redução de imposto“.

A fiscalista da Miranda recorda que o PEC surgiu “como uma medida antifraude” e que “as empresas tendencialmente atingidas pelo PEC são empresas que apresentam prejuízos fiscais ou lucros declarados bastante baixos”.

Mariana Gouveia de Oliveira explica que o imposto que uma empresa que sucessivamente apresente prejuízos fiscais paga efetivamente é o PEC e não o IRC normal, uma vez que ao montante do PEC a pagar se deduz o valor do pagamento por conta.

Os pagamentos por conta funcionam no IRC do mesmo modo que as retenções na fonte no IRS – Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares: é uma forma de o Estado ir arrecadando receita ao longo do ano e é um indicador sobre a saúde das empresas.

Como ao montante do PEC se deduz o valor do pagamento por conta, “as empresas com lucros que pagam IRC normal não pagam PEC” porque já pagaram o pagamento por conta, que é deduzido ao valor do PEC a pagar.

Neste sentido, reduzir no PEC a coleta mínima em 100 euros fixos e em mais 12,5% do remanescente da coleta pode ser “realmente baixar a tributação”, defendeu Mariana Gouveia de Oliveira.

A advogada elogia, no entanto, o facto de esta redução temporária do PEC “apenas se aplicar a empresas com gastos em remunerações declarados na Informação Empresarial Simplificada (IES) acima de 7.420 euros, valor mínimo para uma remuneração equivalente a um trabalhador a tempo inteiro durante um ano”.

Desta forma, será possível “pelo menos excluir dos beneficiários desta medida sociedades que não são verdadeiras empresas, mas apenas veículos de detenção de património sem atividade efetiva que não têm quaisquer trabalhadores”.

Questionada sobre se a descida do PEC é mais benéfica para as empresas com trabalhadores que ganham o salário mínimo do que a descida de 1,25 pontos da TSU, a fiscalista considera que “o impacto concreto da medida varia de empresa para empresa em função do volume de negócios e do lucro tributável”.

Não há uma resposta universal (ou sequer tendencial) para esta questão”, conclui.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Prefiro de longe esta opção á da tsu. Esta medida incide básicamente nas pequenas e micro empresas que são as que ainda geram mais empregos no nosso país. Não promove a “colagem” ao ordenado mínimo para obter ganhos como era com a tsu. Espero no entanto que não se torne “moda” que a subida do ordenado minimo esteja sempre condicionado á oferta de benesses para as empresas.

  2. Talvez assim, as empresas “pouco saudáveis” melhorem de saúde…
    Nem tudo o que não tem saúde deve morrer, não?
    Eu como o CHE, prefiro esta opção.

RESPONDER

Primeiro não flutuava. Agora o novo submarino espanhol não cabe nas docas

Primeiro não flutuava, por excesso de peso, e agora, não cabe nas docas. O novo submarino da Marinha Espanhola é um embaraço para a Defesa do país vizinho e um caso flagrante de derrapagem, com …

Quase um milhão de refeições escolares desperdiçadas

Quase um milhão de refeições escolares que tinham sido encomendadas foram desperdiçadas porque os alunos faltaram, revela o relatório anual do ministério da Educação sobre cantinas concessionadas a privados. Entre setembro do ano passado e 31 …

Arrojada no céu: Aston Martin apresenta carro voador de luxo

A Aston Martin apresentou recentemente o Volante Vision Concept, uma aeronave arrojada e futurista destinada a transportar passageiros em voos de médias e longas distâncias. A Aston Martin pôs em cima da mesa as suas soluções …

Marta Soares recusa candidatura de Bruno de Carvalho

Bruno de Carvalho tentou formalizar a sua candidatura à presidência do Sporting, esta quarta-feira, tendo sido prontamente recusada por Jaime Marta Soares. O advogado de Bruno de Carvalho, Pedro Proença, deslocou-se esta quarta-feira ao Estádio de …

Hungria retira-se de pacto mundial sobre as migrações aprovado na ONU

A Hungria, com um Governo abertamente hostil à imigração, declarou que se retira do pacto mundial sobre as migrações aprovado, na semana passada, nas Nações Unidas, por considerar que encoraja o fluxo de pessoas "perigosas". O …

Lisboa vai proibir copos de plástico a partir de 2020

Um dos objetivos da Câmara Municipal de Lisboa para o ano em que a cidade será a Capital Verde Europeia é banir os copos de plástico até 2020. Segundo o Diário de Notícias, esta é uma …

Prisão preventiva para 39 dos 58 arguidos dos Hells Angels

O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa determinou prisão preventiva para 39 dos 58 arguidos como medidas de coação no âmbito do processo do grupo Hells Angels e apresentações periódicas às autoridades para os restantes. Segundo …

Bruxelas aplica multa recorde de 4,3 mil milhões de euros à Google

A Comissão Europeia aplicou, esta quarta-feira, uma multa com valor recorde de 4,3 mil milhões de euros ao gigante norte-americano Google por abuso de posição no mercado devido ao sistema Android. Esta sanção, destinada a punir …

Rapazes salvos na Tailândia saíram do hospital e recordam "milagre"

As 12 crianças e o treinador de futebol que ficaram presos numa gruta inundada na Tailândia e que estavam internados desde a semana passada receberam esta quarta-feira alta hospitalar e falaram pela primeira vez desde …

Hotel processa sobreviventes do massacre de Las Vegas

A empresa que detém o hotel Mandalay Bay, em Las Vegas –  onde Stephen Paddock disparou sobre uma multidão num festival de música country –, processou mil de vítimas do ataque, argumentando não ter "qualquer …