PEC não “compensa aumento do SMN” e beneficia empresas “pouco saudáveis”

A descida dos Pagamentos especiais por conta (PEC) anunciada esta quinta-feira “não compensa diretamente” o aumento do salário mínimo e tem “o risco claro” de beneficiar empresas menos saudáveis ou que praticam evasão fiscal, diz uma fiscalista contactada pela Lusa.

O Governo anunciou a descida dos pagamentos especiais por conta (PEC) e a medida vai ser feita a dois tempos: ao cálculo do PEC previsto no código do IRC – Imposto sobre o Rendimento de pessoas Coletivas será acrescida uma redução fixa de 100 euros e uma redução proporcional de 12,5% do remanescente da coleta paga por cada empresa.

A medida foi a solução alternativa à descida da taxa social única (TSU) paga pelas empresas relativamente a trabalhadores que ganham o salário mínimo nacional, que tinha sido acordada em concertação social para compensar a subida de remuneração para os 557 euros – mas que foi chumbada no parlamento, com o PSD a juntar-se ao BE e ao PCP.

Em declarações à Lusa, a fiscalista Mariana Gouveia de Oliveira, da Miranda & Associados, afirmou que se trata de uma “medida transversal às empresas que pagam PEC”, que “deixa de fora as empresas mais saudáveis, que pagam mais impostos”, já que estas pagam “IRC normal e não apenas PEC”.

Segundo a fiscalista, a medida “não compensa diretamente o impacto da subida da remuneração mínima mensal”.

Para a advogada, a medida tem “uma vantagem” e um “risco claro”: a vantagem é que “não ser uma medida compensatória direta é não subsidiar dessa forma as chamadas políticas de baixos salários“.

O “risco claro” é que “beneficia as empresas menos saudáveis” (e até as que praticam evasão fiscal), as quais poderão colapsar sob o peso do aumento das remunerações mínimas após o período transitório”.

Mariana Gouveia de Oliveira considera que “todas as empresas que estejam sujeitas ao pagamento do PEC sentirão um alívio na sua tesouraria” porque vão “pagar menos imposto antecipado”.

Já no caso das empresas que não pagam IRC suficiente porque “apresentam sucessivamente prejuízos fiscais”, a medida vai implicar “não apenas um alívio de tesouraria mas uma efetiva redução de imposto“.

A fiscalista da Miranda recorda que o PEC surgiu “como uma medida antifraude” e que “as empresas tendencialmente atingidas pelo PEC são empresas que apresentam prejuízos fiscais ou lucros declarados bastante baixos”.

Mariana Gouveia de Oliveira explica que o imposto que uma empresa que sucessivamente apresente prejuízos fiscais paga efetivamente é o PEC e não o IRC normal, uma vez que ao montante do PEC a pagar se deduz o valor do pagamento por conta.

Os pagamentos por conta funcionam no IRC do mesmo modo que as retenções na fonte no IRS – Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares: é uma forma de o Estado ir arrecadando receita ao longo do ano e é um indicador sobre a saúde das empresas.

Como ao montante do PEC se deduz o valor do pagamento por conta, “as empresas com lucros que pagam IRC normal não pagam PEC” porque já pagaram o pagamento por conta, que é deduzido ao valor do PEC a pagar.

Neste sentido, reduzir no PEC a coleta mínima em 100 euros fixos e em mais 12,5% do remanescente da coleta pode ser “realmente baixar a tributação”, defendeu Mariana Gouveia de Oliveira.

A advogada elogia, no entanto, o facto de esta redução temporária do PEC “apenas se aplicar a empresas com gastos em remunerações declarados na Informação Empresarial Simplificada (IES) acima de 7.420 euros, valor mínimo para uma remuneração equivalente a um trabalhador a tempo inteiro durante um ano”.

Desta forma, será possível “pelo menos excluir dos beneficiários desta medida sociedades que não são verdadeiras empresas, mas apenas veículos de detenção de património sem atividade efetiva que não têm quaisquer trabalhadores”.

Questionada sobre se a descida do PEC é mais benéfica para as empresas com trabalhadores que ganham o salário mínimo do que a descida de 1,25 pontos da TSU, a fiscalista considera que “o impacto concreto da medida varia de empresa para empresa em função do volume de negócios e do lucro tributável”.

Não há uma resposta universal (ou sequer tendencial) para esta questão”, conclui.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Prefiro de longe esta opção á da tsu. Esta medida incide básicamente nas pequenas e micro empresas que são as que ainda geram mais empregos no nosso país. Não promove a “colagem” ao ordenado mínimo para obter ganhos como era com a tsu. Espero no entanto que não se torne “moda” que a subida do ordenado minimo esteja sempre condicionado á oferta de benesses para as empresas.

  2. Talvez assim, as empresas “pouco saudáveis” melhorem de saúde…
    Nem tudo o que não tem saúde deve morrer, não?
    Eu como o CHE, prefiro esta opção.

RESPONDER

Sacavenense 1-7 Sporting | Sporting goleia Sacavenense e segue em frente na Taça

O Sporting goleou o Sacavenense por 7-1, na terceira eliminatória da Taça de Portugal em futebol, ‘castigando’ em demasia a equipa do Campeonato de Portugal, incapaz de contrariar a supremacia ‘leonina’ em toda a linha. Nuno …

The Crown baseia-se em "muita conjetura e muita invenção", diz irmão da princesa Diana

Desde a estreia da quarta temporada, The Crown tem dado muito que falar na família real britânica. Além das acusações feitas por amigos do príncipe Carlos, que consideram que a Netflix está a explorar a …

Nativos ancestrais do Novo México derretiam gelo para sobreviver às secas

Os habitantes ancestrais do árido Novo México sobreviveram a períodos de seca extrema, durante o primeiro milénio, ao derreter o gelo acumulado em tubos de lava profundos. De acordo com a agência Europa Press, a equipa …

Cristiano Ronaldo candidato a melhor da época e do século nos Globe Soccer Awards

O internacional português está entre os nomeados para melhor jogador do ano da Globe Soccer Awards e integra ainda, com Luís Figo, a lista dos candidatos a futebolista do século XXI. Cristiano Ronaldo integra a lista …

Os desenhos de da Vinci escondem um mundo de bactérias e fungos

Leonardo da Vinci é famoso pelas suas obras de arte elaboradas e cheias de nuances. Mas um novo estudo revelou um outro nível de complexidade nos seus desenhos: um mundo oculto de minúsculas formas de …

Bandeira anticorrupção de Bolsonaro caiu. Agora, terá que encontrar outro slogan

A Lava Jato levou à condenação de políticos, enquanto a eleição de Jair Bolsonaro colocou no poder um político que prometeu erradicar a corrupção e que para seu ministro da Justiça nomeou o juiz anticorrupção …

O Prodigium é um iate-tubarão luxuoso (e um dos maiores navios do mundo)

O Lazzarini Design Studio revelou o seu mais recente conceito de um mega iate, o Prodigium. O King of the Seas, como também é conhecido, tem a forma de um tubarão gigante e mede 153 …

Autoridades mexicanas encontram pelo menos 113 corpos em vala clandestina

Pelo menos 113 corpos foram descobertos numa vala clandestina no município de El Salto, no estado mexicano de Jalisco, indicaram no domingo as autoridades. O procurador Gerardo Octavio Solis anunciou, em conferência de imprensa, que 113 …

A cidade capaz de "superar o Dubai" que o Paquistão quer construir vai deixar pescadores em risco

A proposta de uma megacidade insular ao largo de Karachi poderá colocar em risco vários pântanos e, ao mesmo tempo, os milhões de empregos que dependem deles. A Ilha Bundal localiza-se no Mar da Arábia, ao largo …

Árbitros afastados após os penáltis mais insólitos de sempre

Nani aparece no meio da história mais louca do futebol, no que diz respeito a grandes penalidades. Tudo começou com uns centímetros. Equipa de Nani celebrou o apuramento três vezes - só na última é …