Há pensões de sobrevivência à espera de resposta há 14 meses

Segundo uma denúnia feita pelo PCP, há um atraso de 14 meses na atribuição de pensões de sobrevivência. Os comunistas pedem ainda medidas “urgentes” ao Governo.

Segundo a TSF, os comunistas garantem que há pessoas há mais de um ano à espera da atribuição de pensão de sobrevivência, um rendimento cujo objectivo é assegurar um rendimento extra a cônjuges de pessoas que morreram.

A denúncia é feita numa pergunta enviada a meio de julho ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social que fala de “atrasos inaceitáveis no pagamento de prestações de emergência que visam garantir a sobrevivência dos utentes que as requerem”.

O grupo parlamentar comunista afirma que teve informações recentes que apontam para atrasos “inaceitáveis”, sublinhando que as pensões de sobrevivência pretendem dar ao cônjuge que se mantém vivo um rendimento para pagar as suas despesas numa altura em que, pela morte de um membro do casal, os rendimentos diminuem.

“O Grupo Parlamentar do PCP sabe de situações de pensões requeridas há 14 meses e que de facto ainda não obtiveram resposta por parte da Segurança Social. Nós entendemos que era importante perceber o que se passava, estas pessoas estão naturalmente à espera da pensão de sobrevivência que é um direito seu. Não desligamos estes atrasos de uma carência de meios humanos que temos vindo a assinalar, no âmbito da Segurança Social”, explica Diana Ferreira, deputada do PCP.

O PCP admite que a situação não é nova, mas sublinha que arrasta-se e culpa a diminuição de meios promovida pelos vários governos na Segurança Social, acrescentando que há pessoas que tentam repetidas vezes e não conseguem contactar o Centro Nacional de Pensões, pois a linha está frequentemente interrompida.

“A pergunta que nós fazemos ao Governo é exatamente que medidas é que pretende tomar com caráter de urgência para resolver estas situações com atrasos tão significativos no diferimento das pensões de sobrevivência. O Governo deve definir medidas que garantam que as pessoas não ficam este tempo todo à espera de uma resposta da Segurança Social”, continua a deputada.

Os utentes procuram respostas diretamente nos serviços que não adiantam nada, numa situação de atrasos e falta de respostas que para o PCP coloca em causa “o direito à Segurança Social, constitucionalmente consagrado, e o direito à proteção social em casos de quebra de rendimentos”.

PSD lamenta silêncio

Clara Marques Mendes, deputada do PSD, veio lamentar que o Governo continue em silêncio relativamente aos atrasos na atribuição de pensões.

A deputada lembra que a denúncia agora feita pelos comunistas, já tinha sido indicada pelo maior partido da oposição em fevereiro. Na altura, o PSD não obteve respostas, mas agora, os sociais-democratas esperam que o Governo atue de outra forma.

“O Governo, como já nos habituou, não respondeu à questão, não resolveu a situação, mas esperamos que agora, o partido da coligação, o PCP, tendo denunciado a situação, ela venha efetivamente a ser resolvida. Estamos a falar de idosos, estamos a falar de pessoas que precisam de dinheiro e esse dinheiro não está a chegar às pessoas por atrasos do Governo e, de facto, é importante que esse dinheiro chegue a quem realmente dele precisa”, conclui Clara Marques Mendes.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Impostos indiretos subiram com Governo de Costa e são já 55% da carga fiscal

Os impostos indiretos têm vindo a aumentar em Portugal. Dados da Direção-Geral do Orçamento mostram que o peso da tributação indireta no total da receita fiscal do subsector Estado, em 2018, ascendeu a 55,4%, o …

Espanha pode ficar isenta de cumprir caudais do rio Tejo por causa da falta de chuva

Os caudais do Tejo podem ficar ainda mais baixos dentro de semanas. Com a falta de chuva, Espanha deverá invocar a exceção prevista na Convenção de Albufeira para não libertar os valores mínimos de água …

Haaland tem cinco namoradas e meio mundo atrás dele (mas pode seguir o caminho da Red Bull)

Apesar do interesse de grandes clubes do futebol mundial, Haaland pode seguir o trilho da Red Bull e transferir-se para do Salzburg para o Leipzig. O norueguês é uma das maiores jovens promessas da atualidade. Erling …

PSD pondera propor fim dos debates quinzenais e torná-los mensais

O PSD está a ponderar apresentar uma proposta para acabar com os debates quinzenais com o primeiro-ministro e torná-los mensais. A proposta passa também pela substituição de um desses "duelos" atuais por um debate temático …

Segunda vítima mortal nos protestos de Hong Kong. Xi Jinping condena manifestações

O quarto dia consecutivo de protestos ficou marcado pela morte de um homem de 70 anos. Esta é a segunda vítima mortal desde o início das manifestações em Hong Kong. De acordo com a imprensa internacional, …

Governo prepara dois novos escalões de IRS para a classe média

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que o objetivo do Governo no próximo Orçamento é dar “um primeiro passo” para conferir uma maior progressividade no IRS e diminuir o peso deste imposto sobre os vencimentos da …

Dois procuradores do caso Tancos vão sair do DCIAP

Os procuradores Vítor Magalhães e João Valente, da equipa que investigou o caso Tancos, vão sair do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) no âmbito do movimento de magistrados do Ministério Público (MP), …

Cerca de 40% dos hospitais têm ruturas diárias de medicamentos

Os preços "excessivamente baixos dos medicamentos genéricos" são a causa mais importante identificada pelos hospitais para as ruturas de fornecimento. Quase 40% dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) indicam ter diariamente ruturas no fornecimento …

Secretário de Estado: despenalizações como a que absolveu o Benfica vão terminar. "Será inapelável"

João Paulo Rebelo assegurou que a entrada em vigor da lei de combate à violência no desporto evitará situações como a que levou à recente anulação do castigo imposto ao Benfica. O secretário de Estado da …

Morales quis dialogar. Presidente interina da Bolívia mandou-o calar-se

O ex-Presidente Evo Morales ofereceu-se para regressar à Bolívia para "ajudar a pacificar o país, não para ser candidato", mas Jeanine Añez, que assumiu a presidência interina do país, respondeu que Morales não pode participar …