Passagem de ano em Lisboa não vai ter festas nem concertos

Carlos Moedas anunciou que este ano não haverá festas nem concertos na passagem de ano em Lisboa.

A passagem de ano em Lisboa vai ficar novamente marcada pela ausência de festas ou concertos devido à atual situação pandémica em Portugal. A confirmação das restrições para a passagem de ano foi dada pelo autarca lisboeta, Carlos Moedas.

Em declarações à CNN Portugal, na noite de quinta-feira, o social-democrata adiantou ainda que está “a estudar se haverá ou não fogo-de-artifício”.

“Nos próximos dias tomarei a decisão de restringir aquilo que são os festejos do fim do ano, ou seja, não haverá os típicos concertos na noite do 31, porque isso criaria um grande aglomerado de pessoas. E estamos a estudar se haverá ou não o fogo-de- artifício […], mas tomarei uma decisão muito rapidamente. […] Haverá seguramente grandes restrições e dentro de um dia ou dois poderei anunciar essa decisão”, indicou.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, também confirmou o cancelamento dos festejos de rua e do fogo-de-artifício agendado para o último dia do ano na cidade Invicta.

Rui Moreira revelou ainda que o concerto dos GNR agendado para o último dia do ano no Queimódromo foi antecipado para a véspera, no Pavilhão Rosa Mota.

“Será gratuito para os portadores do cartão Porto ponto. As pessoas terão é de ter a vacinação completa”, assinalou o presidente da câmara, que confirmou terem sido cancelados “todos os festejos de rua, inclusivamente o fogo-de-artifício”.

“Vamos evitar a concentração nas ruas por essa razão. Era nossa intenção fazer o fogo-de-artifício na praia, mas as circunstâncias são o que são e temos de nos ajustar”, justificou o autarca.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.