Pás de turbinas eólicas podem ser recicladas em gomas

Uma equipa de investigadores encontrou uma forma de reciclar pás de turbinas eólicas em bancadas, luzes traseiras de carros, fraldas e até gomas ou bebidas energéticas.

As energias renováveis têm ganhado uma crescente popularidade, como é exemplo a energia éolica. Isto é uma boa noticia para o ambiente, embora nem tudo seja um mar de rosas. Há um pequeno problema com o descartar das enormes pás das turbinas quando chega a hora de as substituir.

Uma equipa de cientistas está a trabalhar numa forma de solucionar este problema e, segundo a Tech Explorist, parece ter encontrado uma maneira.

Os investigadores desenvolveram uma nova resina adequada para fabricar as pás, que mais tarde poderiam ser recicladas em novas pás de turbina ou vários outros produtos, incluindo bancadas, luzes traseiras de carros, fraldas e até gomas.

Os cientistas fizeram os painéis usando uma resina termoplástica que é forte e durável. Notavelmente, as novas pás tinham as mesmas propriedades físicas das suas antecessoras.

A resina pode ser dissolvida, podendo ser usada repetidamente num loop infinito. “Este é o objetivo da economia circular”, disse John Dorgan, o químico que vai apresentar os resultados na reunião de outono da American Chemical Society.

Normalmente, as pás das turbinas éolicas são feitas de fibra de vidro. Embora algumas empresas tenham encontrado formas de as reciclar, a maioria destas gigantes pás termina em aterros sanitários.

“Muitas vezes, os parques eólicos substituem as pás das turbinas antes do fim da vida útil, porque os parques podem gerar mais eletricidade com pás maiores”, explica Dorgan em comunicado citado pela EurekAlert.

O produto reciclado mais curioso é inevitavelmente as gomas. A ideia de que algo que algo que é a alegria de muitas crianças pode ser feito de pás de turbinas eólicas é, no mínimo, bizarro. Além destas guloseimas, o lactato de potássio resultante permite também transformá-lo em bebidas energéticas.

Ao contrário do que possa parecer, comer gomas feitas a partir de antigas pás de turbinas não é nada nojento, segundo os investigadores.

“Um átomo de carbono derivado de uma planta, como milho, não é diferente de um átomo de carbono de combustível fóssil. Tudo faz parte do ciclo global do carbono e mostramos que podemos passar da biomassa no campo para materiais plásticos duráveis e de volta aos alimentos”, apontou Dorgan.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.