Partidos querem mais um mês para discutir lei eleitoral autárquica

António Cotrim / Lusa

As alterações à lei eleitoral autárquica, há meses debaixo de críticas dos independentes que se queixam de dificultar as candidaturas, são debatidas no Parlamento, esta quinta-feira.

No total, são nove os projetos de lei de sete partidos (PS, PSD, CDS, BE, PCP, PAN e IL) que estarão em debate, na generalidade, esta tarde, na Assembleia da República, havendo a possibilidade de baixarem todos à Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, sem votação, para os grupos parlamentares tentarem negociar um texto consensual.

Essa hipótese, admitida pelo deputado socialista Pedro Delgado Alves, surgiu durante o debate de pareceres na comissão, há uma semana. O PS já pediu que o seu projeto baixe sem votação, faltando-se saber se os restantes seguem o exemplo.

Apreciar todos os diplomas na especialidade, apesar das diferenças muito grandes entre eles, admitiram à agência Lusa fontes do PS e do PSD, seria a melhor forma de se tentar fazer o trabalho na especialidade, e chegar a uma solução o mais consensual possível, antes da votação final global da lei.

Segundo o jornal Público, baixando sem votação à comissão, os partidos ganham 30 dias para tentarem entender-se. O normal, porém, é que este prazo seja quase sempre alargado, arriscando a que o processo de revisão da lei se faça a três meses das eleições.

As mais recentes mudanças à lei eleitoral autárquica foram aprovadas no final da sessão legislativa passada, em julho, pelos dois maiores partidos, estando a ser muito contestadas pela Associação Nacional de Movimentos Autárquicos Independentes (AMAI) por dificultarem a candidatura destes movimentos.

Perante o arrastamento da questão, um grupo de autarcas independentes tem-se reunido para defender as alterações à lei e na última reunião, a 31 de março, em Portalegre, voltaram a ameaçar criar um partido, a partir desta sexta-feira, 9 de abril, para poderem concorrer nas mesmas condições das candidaturas partidárias.

As regras aprovadas – e que os partidos querem agora alterar, embora com soluções diferentes – obrigam os movimentos independentes a recolher assinaturas em separado para concorrer a câmaras, assembleias municipais e juntas de freguesia e impede o uso do mesmo nome para essas candidaturas se apresentarem a votos.

O mesmo diário aponta que o maior obstáculo está entre PS e PSD, pois os sociais-democratas acusam os socialistas de estarem a dar uma “grande cambalhota” relativamente às alterações a que os dois chegaram a acordo há um ano.

Há um problema de conceção na proposta do PS. Nós permitimos que os CGE possam usar denominações semelhantes nas várias candidaturas, mas não iguais. A existir um nome de alguém no boletim de voto, tem que ser candidato àquele município e àquela freguesia (e se é à freguesia A não é à B). Os eleitores têm direito a saber quem é o candidato a presidente que estão a escolher”, afirmou ao matutino o deputado do PSD Hugo Carneiro.

“Se vários GCE, no mesmo concelho, se coligarem como propõe o PS, estamos a potenciar a criação de partidos locais informais que não são permitidos pela Constituição nem são controlados pela Entidade das Contas.”

Por outro lado, apurou o Jornal de Negócios, os deputados tentaram no seu texto responder a algumas preocupações da bancada ‘laranja’, fazendo com que haja um mínimo exigido de 25 assinaturas nas freguesias com menos de 500 eleitores e de 50 proponentes nas freguesias com mais de 500 eleitores.

Também propõem a criação de uma plataforma eletrónica para registo de candidaturas, que pode ser usada para subscrição de candidaturas online, e que vai ao encontro do diploma do PSD que tem uma proposta idêntica.

O movimento que contesta a lei eleitoral autárquica tinha pedido a intervenção da provedora de Justiça neste assunto em outubro, o que veio a acontecer em fevereiro, quando Maria Lúcia Amaral pediu ao Tribunal Constitucional (TC) a fiscalização da lei por eventual “violação dos direitos dos cidadãos de tomar parte na vida política”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Football Leaks. Consultor de cibersegurança aponta para ataque único à Doyen

A intrusão no sistema informático da Doyen terá resultado de um único ataque conduzido por uma pessoa e não várias, defendeu na quarta-feira o consultor inglês de cibersegurança contratado pelo fundo de investimento, no julgamento …

Cavaco Silva volta a estar ausente das cerimónias do 25 de Abril

O ex-Presidente da República já informou que não vai marcar presença na cerimónia comemorativa dos 47 anos do 25 de Abril, este domingo, no Parlamento, por continuar "a respeitar as regras sanitárias". Fonte oficial do gabinete …

No dia da Terra, os líderes mundiais juntaram-se para "passar à ação"

A Casa Branca organizou uma Cimeira de Líderes sobre o Clima, que decorre de forma virtual e durante dois dias. Começou esta quinta-feira, dia em que se comemora o Dia da Terra, e junta cerca …

Detido em Itália homem que terá fornecido arma ao autor do atentado de Nice em 2016

Um homem que teria fornecido uma arma ao autor do atentado com um caminhão na cidade francesa de Nice, em 14 de julho de 2016, foi detido na Itália, anunciaram na quarta-feira vários veículos de …

"Invisibilidade" do LGBTI nos Censos é alvo de críticas

A Associação ILGA Portugal - Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo e o Bloco de Esquerda estão a criticar os Censos 2021 devido à ausência de perguntas relacionadas com identidade de género, o que …

Rússia vai dar início à retirada de tropas perto da fronteira com a Ucrânia

A Rússia anunciou que vai iniciar, esta sexta-feira, a retirada das suas tropas concentradas perto da fronteira com a Ucrânia e na Crimeia anexada, referindo que os exercícios foram concluídos. "As tropas demonstraram a sua capacidade …

KPMG desconhecia problemas no BESA que justificassem reserva às contas

A KPMG Portugal afirmou, numa carta enviada à comissão de inquérito do Novo Banco, que desconhecia factos no BES Angola que pudessem levar a uma opinião com reservas às contas do BES. A KPMG Portugal desconhecia …

Ferro Rodrigues está "perfeitamente de acordo" com Marcelo sobre enriquecimento ilícito

O presidente da Assembleia da República (AR) concorda com o Presidente quanto à urgência de melhorar a lei contra o enriquecimento ilícito e diz que isso pode ser feito sem pôr em causa princípios constitucionais. Numa …

Índia regista subida drástica de infeções e mortes. EUA com 200 milhões de vacinas tomadas

O número de novas infeções pelo coronavírus dispararam na Índia, com a falta de preparação do Governo e a forma como a pandemia tem sido gerida apontadas como causas para a subida dos casos e …

Técnicos de diagnóstico. Depois de mais uma coligação da oposição, Executivo avalia o que fazer

Depois de mais uma coligação da oposição, o Governo "está a avaliar" o que irá fazer em relação à aprovação das mudanças na carreira de Técnico Superior de Diagnóstico e Terapêutica.  De acordo com o semanário …