Partidos querem mais um mês para discutir lei eleitoral autárquica

António Cotrim / Lusa

As alterações à lei eleitoral autárquica, há meses debaixo de críticas dos independentes que se queixam de dificultar as candidaturas, são debatidas no Parlamento, esta quinta-feira.

No total, são nove os projetos de lei de sete partidos (PS, PSD, CDS, BE, PCP, PAN e IL) que estarão em debate, na generalidade, esta tarde, na Assembleia da República, havendo a possibilidade de baixarem todos à Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, sem votação, para os grupos parlamentares tentarem negociar um texto consensual.

Essa hipótese, admitida pelo deputado socialista Pedro Delgado Alves, surgiu durante o debate de pareceres na comissão, há uma semana. O PS já pediu que o seu projeto baixe sem votação, faltando-se saber se os restantes seguem o exemplo.

Apreciar todos os diplomas na especialidade, apesar das diferenças muito grandes entre eles, admitiram à agência Lusa fontes do PS e do PSD, seria a melhor forma de se tentar fazer o trabalho na especialidade, e chegar a uma solução o mais consensual possível, antes da votação final global da lei.

Segundo o jornal Público, baixando sem votação à comissão, os partidos ganham 30 dias para tentarem entender-se. O normal, porém, é que este prazo seja quase sempre alargado, arriscando a que o processo de revisão da lei se faça a três meses das eleições.

As mais recentes mudanças à lei eleitoral autárquica foram aprovadas no final da sessão legislativa passada, em julho, pelos dois maiores partidos, estando a ser muito contestadas pela Associação Nacional de Movimentos Autárquicos Independentes (AMAI) por dificultarem a candidatura destes movimentos.

Perante o arrastamento da questão, um grupo de autarcas independentes tem-se reunido para defender as alterações à lei e na última reunião, a 31 de março, em Portalegre, voltaram a ameaçar criar um partido, a partir desta sexta-feira, 9 de abril, para poderem concorrer nas mesmas condições das candidaturas partidárias.

As regras aprovadas – e que os partidos querem agora alterar, embora com soluções diferentes – obrigam os movimentos independentes a recolher assinaturas em separado para concorrer a câmaras, assembleias municipais e juntas de freguesia e impede o uso do mesmo nome para essas candidaturas se apresentarem a votos.

O mesmo diário aponta que o maior obstáculo está entre PS e PSD, pois os sociais-democratas acusam os socialistas de estarem a dar uma “grande cambalhota” relativamente às alterações a que os dois chegaram a acordo há um ano.

Há um problema de conceção na proposta do PS. Nós permitimos que os CGE possam usar denominações semelhantes nas várias candidaturas, mas não iguais. A existir um nome de alguém no boletim de voto, tem que ser candidato àquele município e àquela freguesia (e se é à freguesia A não é à B). Os eleitores têm direito a saber quem é o candidato a presidente que estão a escolher”, afirmou ao matutino o deputado do PSD Hugo Carneiro.

“Se vários GCE, no mesmo concelho, se coligarem como propõe o PS, estamos a potenciar a criação de partidos locais informais que não são permitidos pela Constituição nem são controlados pela Entidade das Contas.”

Por outro lado, apurou o Jornal de Negócios, os deputados tentaram no seu texto responder a algumas preocupações da bancada ‘laranja’, fazendo com que haja um mínimo exigido de 25 assinaturas nas freguesias com menos de 500 eleitores e de 50 proponentes nas freguesias com mais de 500 eleitores.

Também propõem a criação de uma plataforma eletrónica para registo de candidaturas, que pode ser usada para subscrição de candidaturas online, e que vai ao encontro do diploma do PSD que tem uma proposta idêntica.

O movimento que contesta a lei eleitoral autárquica tinha pedido a intervenção da provedora de Justiça neste assunto em outubro, o que veio a acontecer em fevereiro, quando Maria Lúcia Amaral pediu ao Tribunal Constitucional (TC) a fiscalização da lei por eventual “violação dos direitos dos cidadãos de tomar parte na vida política”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Longa vida à monarquia." Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns. O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo …

Abominável (e falso) Homem das Neves. Líder russo usou Yeti para atrair turistas para a Sibéria

Um dos líderes regionais mais antigos de Vladimir Putin confessou ter encenado avistamentos falsos de Yetis numa tentativa de encorajar o turismo na Sibéria. Aman Tuleev, um dos líderes regionais de longa data do Presidente russo …

Irão já está a enriquecer urânio a 60%

O Irão avisou e já está a cumprir. Menos de uma semana depois de ter acusado Israel de um ataque contra a sua principal central nuclear, o país diz estar a enriquecer urânio com uma …

Salvini vai a julgamento em Itália por bloqueio de migrantes em navio

Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita italiano Liga, vai ser julgado por acusações de sequestro pela sua decisão de impedir o desembarque de 147 migrantes resgatados no Mediterrâneo pela Open Arms, em agosto de …

Maldivas ponderam oferecer vacinas aos turistas

As Maldivas estão a ponderar dar aos turistas a vacina contra covid-19 quando chegarem para férias, de modo a incentivar o turismo. As Maldivas estão prontas para enfrentar a concorrência acessa assim que o turismo reabrir …

SOS Racismo diz que SEF atentava contra direitos dos imigrantes e aplaude extinção

O Governo decidiu extinguir o SEF e substituí-lo pelo novo Serviço de Estrangeiros e Asilo, com diferentes moldes de funcionamento. A associação SOS Racismo congratulou-se este sábado com a extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras …

Vem aí a Transporter, a van elétrica (e totalmente autónoma) para serviços de entregas

A Mobileye, uma subsidiária da Intel, fechou uma parceria com a startup Udelv para lançar um serviço de entregas em grande escala e com veículos totalmente autónomos já em 2023. A Mobileye, uma subsidiária da Intel …

Ensino à distância roubou a muitos universitários a licenciatura de que estavam à espera

A pandemia de covid-19 obrigou o ensino superior a reinventar-se e se alguns cursos conseguiram adotar o modelo online sem prejuízos, noutros casos o ensino a distância impediu aulas práticas, roubando aos estudantes a licenciatura …

Fernando Medina de pedra e cal em Lisboa. Carlos Moedas não ameaça socialista

Numa sondagem feita pela Intercampus para o jornal Novo, a coligação PSD-CDS surge mais de 20 pontos percentuais abaixo do provável recandidato socialista.  Fernando Medina poderá reforçar em cinco pontos percentuais a votação que teve em …

No Brasil, mais de 40 pessoas foram vacinadas por engano contra a covid-19

O caso está a gerar polémica no Brasil, uma vez que, entre o grupo vacinado, está uma grávida e crianças com idades entre os seis meses e seis anos. Um total de 46 pessoas que precisavam …