Parlamento aprova nacionalidade portuguesa para netos nascidos no estrangeiro

parlamento.pt

A maioria PSD/CDS e o PS aprovou esta sexta-feira no Parlamento, em votação final global, um diploma que passa a estender a possibilidade de aquisição da nacionalidade portuguesa originária aos netos de portugueses nascidos no estrangeiro.

Em relação a este projeto que partiu da maioria PSD/CDS, o PCP, o Bloco de Esquerda e Os Verdes abstiveram-se, enquanto os deputados socialistas Isabel Moreira e Pedro Delgado Alves contrariaram a orientação da sua bancada e votaram contra.

Apesar de ter havido uma ampla maioria de votos favoráveis para esta alteração à lei da nacionalidade, o consenso entre as bancadas da maioria PSD/CDS e o PS só foi conseguido momentos antes da votação final global, quando foi viabilizada por sociais-democratas e democratas-cristãos uma proposta de alteração apresentada pelos socialistas, na qual se condicionava a aquisição de nacionalidade por netos de emigrantes portugueses à existência “de laços de efetiva ligação à comunidade nacional”.

O deputado socialista Jorge Lacão defende que o PS conseguiu impedir que a maioria PSD/CDS cometesse “uma gravíssima irresponsabilidade de Estado” se alargasse a nacionalidade portuguesa a netos de emigrantes sem qualquer ligação a Portugal.

Esta posição foi transmitida pelo dirigente socialista Jorge Lacão, depois de a maioria PSD/CDS e PS ter aprovado em votação final global na Assembleia da República a revisão da lei da nacionalidade, que passa a poder atribuir a nacionalidade portuguesa originária a netos de emigrantes nascidos no estrangeiro, desde que comprovem possuir “laços de efetiva ligação” ao território nacional.

Perante os jornalistas, o ex-ministro socialista manifestou a sua satisfação por o PS “ter podido contribuir para salvar um consenso indispensável em torno de um diploma tão fundamental como aquele que regula a lei da nacionalidade”.

Segundo a versão de Jorge Lacão, PSD e CDS “tinham apresentado uma iniciativa para a atribuição originária da nacionalidade portuguesa sem o mínimo de rigor e com riscos profundos de implicar a aquisição da nacionalidade por cidadãos que não tivessem revelado qualquer efetiva ligação à comunidade portuguesa, nomeadamente sem sequer falarem português ou alguma vez terem estado em território nacional”.

“O PS conseguiu com muita persistência e empenhamento chegar ao convencimento dos deputados do PSD e CDS de que iriam cometer uma gravíssima irresponsabilidade de Estado. Felizmente, tudo acabou bem e as posições do PS foram aprovadas em plenário com largo consenso”, apontou o ex-ministro socialista.

Jorge Lacão referiu depois que as alterações apresentadas pelo PS não colocam em causa “o alargamento da aquisição da nacionalidade portuguesa, em nome do valor da diáspora, a quem tenha laços efetivos de ligação” a Portugal.

“Fazemos isto com rigor e com responsabilidade de Estado”, acrescentou Jorge Lacão, numa declaração em que teve ao seu lado o deputado socialista Paulo Pisco.

Governo fala em mudança “histórica”

O secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, considera que a abertura à possibilidade de netos de emigrantes nascidos no estrangeiro obterem a nacionalidade portuguesa originário representa uma “mudança histórica” no ordenamento jurídico nacional.

“Esta decisão faz justiça a muitos descendentes de portugueses cujos pais, por fatores muito objetivos, estiveram impedidos de adquirir a nacionalidade portuguesa, designadamente por causa da inexistência de estruturas consulares. Corrigiram-se agora erros de muitas décadas acumuladas e o Governo saúda a Assembleia da República e os senhores deputados que contribuíram para esta decisão histórica”, declarou o membro do executivo.

No plano pessoal, José Cesário frisou que em duas legislaturas seguidas foi autor de iniciativas idênticas àquela que agora foi aprovada no parlamento.

Interrogado sobre o conjunto de alterações apresentadas pelo PS à versão originária da maioria PSD/CDS, impondo condições à atribuição da nacionalidade, o secretário de Estado das Comunidades defendeu que essa proposta que vem ao encontro daquilo que o Governo já entendia.

“Naturalmente, esta matéria iria sempre requerer uma regulamentação. Saúdo o PS por desta vez ter viabilizado esta proposta, o que, naturalmente, não aconteceu no passado”, observou.

Questionado sobre qual o universo de pessoas que poderá abranger a nova legislação, José Cesário falou de um número “imprevisível”, avançando apenas com uma estimativa genérica de “vários milhares”.

“Sabemos que o público a que se destina esta alteração legislativa é fundamentalmente o grupo de descendentes de portugueses de comunidades da chamada emigração transoceânica, sobretudo de países como o Brasil, Argentina, Estados Unidos e Canadá. São países onde continua a haver poucas estruturas consulares”, alegou José Cesário.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Correram éditos numa revista cor de rosa da nossa praça que um sr. deputado estaria com dúvidas em reconhecer a paternidade a uma criança cujos avós a saber-se não vivem no estrangeiro. Será que o dito tem netos no estrangeiro?

RESPONDER

Putin convoca referendo sobre alterações constitucionais para 1 de julho

A aprovação da reforma constitucional permitirá ao atual Presidente da Rússia, Vladimir Putin, cumprir mais dois mandatos suplementares a partir de 2024. Vladimir Putin anunciou a data de 1 de julho para o referendo nacional de …

Depois das máscaras e do gel, procura por acrílico dispara

À semelhança do que aconteceu com as máscaras de proteção e com o álcool-gel, a procura mundial por acrílico está a aumentar. Primeiro foram as máscaras e o desinfetante em gel, mas agora há um novo …

Real Madrid não volta ao Santiago Bernabéu até final da temporada

O Real Madrid vai disputar os restantes jogos da Liga espanhola de futebol na condição de visitado no estádio Alfredo di Stéfano, no centro de treinos merengue. Segundo a agência EFE, Florentino Pérez enviou uma carta …

Metade das empresas que aderiram ao teletrabalho tenciona mantê-lo

A pandemia veio mudar a forma como trabalhamos. Quase metade das empresas que aderiram ao teletrabalho tenciona manter a atividade, ou parte dela, em regime de trabalho remoto.  De acordo com um inquérito da CIP - …

"Muitos de vocês são fracos". Trump critica ação dos governadores durante protestos

O Presidente dos Estados Unidos ridicularizou alguns governadores estaduais por serem "fracos" e exigiu-lhes que tomem medidas duras contra os manifestantes, após mais uma noite de violência em diversas cidades. Donald Trump conversou com os governadores, …

O vírus "não desapareceu". DGS apela para responsabilidade dos adeptos de futebol

Graça Freitas apelou aos adeptos de futebol para que respeitem as regras da Direção-Geral da Saúde, sublinhando que não podem existir ajuntamentos junto aos estádios e concentrações de pessoas em cafés ou em outros locais. Durante …

PSD junta-se ao Bloco e PCP e pede apreciação parlamentar do decreto das PPP na Saúde

O PSD pediu a apreciação parlamentar do decreto-lei que regulamenta a criação de parcerias público-privadas (PPP) na Saúde. O maior partido da oposição junta-se assim ao Bloco de Esquerda e PCP, embora com motivos diferentes. Os sociais-democratas …

Reembolsos de IRS estão a ser "indevidamente retidos", denuncia Provedora de Justiça

Maria Lúcia Amaral escreveu ao secretário de Estado dos Assuntos Fiscais para pedir a correção de erros, lembrando que o reembolso é uma ajuda preciosa para muitas famílias, nomeadamente nesta altura. A Provedora de Justiça, Maria …

Rússia quer exportar antiviral que diz ser eficaz em 90% dos casos

O antiviral Afivavir mostrou ser eficaz no combate ao novo coronavírus em 90% dos casos, mas não estará à venda em farmácias. A Rússia planeia exportar para vários países do mundo um medicamento para a …

Exigência "irracional e insultuosa". Precários acusam Governo de os forçar a "mentir"

O formulário de apoio aos trabalhadores independentes obriga-os a garantir que retomarão a atividade dentro de oito dias. No último sábado, a Segurança Social disponibilizou o formulário de apoio aos trabalhadores independentes que deveria ter ficado …