Só um país no mundo sobreviveria a um apocalipse zombie (e não é o nosso)

(CC0/PD) Ahmadreza89 / pixabay

Onde é que está a Cavalaria?

Investigadores da Universidade Federal de Juiz de Fora, no Brasil, desenvolveram um modelo matemático que permite analisar as probabilidades de sobrevivência da Humanidade a um apocalipse zombie. E as notícias não são boas.

O novo estudo, cujos resultados foram publicados esta semana no arquivo digital ArXiv, da Universidade de Cornell, nos EUA, descreve um cenário hipotético no qual uma pessoa, o “paciente zero”, é infectada com uma enfermidade que a converte num zombie, desencadeando um surto da enfermidade que se propaga numa grande cidade.

“Poderíamos argumentar que os zombies são criaturas fictícias, e que não faz sentido criar o modelo matemático de um surto. Mas mesmo que um apocalipse zombie só aconteça nos filmes de terror, aprender a modelar matematicamente uma ocorrência de um cenário destes pode ser muito útil“, explica o autor principal do estudo, João Paulo Mendonça.

Além disso, a ideia pode soar a alguns como ficção televisiva, mas o próprio Pentágono, que a tem como um risco real, já se preparou para um apocalipse zombie.

A grande conclusão do novo estudo é a de que o factor fundamental para a sobrevivência dos humanos é a quantidade inicial de efectivos militares disponíveis para conter o surto e combater os zombies.

De acordo com os resultados obtidos pelo modelo matemático criado pelos cientistas brasileiros, para uma população ter hipóteses de sobrevivência seria necessário que tivesse um mínimo de 47 militares por cada 1000 habitantes.

Isso faz com que apenas a população de um país em todo o Mundo teria qualquer hipótese de sobreviver a um apocalipse zombie: nada menos que a Coreia do Norte, que conta com uma razão de 4,7 militares por cada 1000 civis.

Mas mesmo nos melhores cenários, simulados com uma taxa de 100 soldados por cada 1000 civis, apenas 12% da população sobrevive a um apocalipse de mortos-vivos.

Boas noticias, ainda assim, se considerarmos que o mais recente estudo matemático de um surto zombie, realizado há um ano por uma equipa de cientistas da Universidade de Leicester, no Reino Unido, calculou que a propagação de uma infecção zombie por todo o mundo levaria à extinção de todos os seres humanos em apenas 100 dias.

Como fazer então frente a uma turba de zombies famintos?

Em todos os cenários estudados, os melhores resultados foram obtidos nos casos em que a maior parte da população civil é forte e se encontra em bom estado de saúde. “As pessoas mais fortes seriam capazes de se adaptar e evoluir, de forma a fazer frente aos zombies e combater o surto por conta própria”, dizem os cientistas.

Assim, concluem os autores do estudo, a melhor estratégia que um governo pode adoptar para preparar a sua população para garantir a sobrevivência a um surto de zombies, é investir em melhorar os hábitos alimentares e saúde dessa população.

Algo que, poder-se-ia argumentar, também deve agradar sobremaneira aos famintos zombies do dito cujo surto, tipicamente incansáveis à procura da sua próxima refeição.

ZAP // RT

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas "reiniciam" idade de células estaminais de uma mulher de 114 anos

As pessoas vivem mais de 110 anos, as supercentenárias, são notáveis não só pela sua idade, mas também por causa da sua incrível saúde. Agora, pela primeira vez, os cientistas reprogramaram células de uma mulher …

Nova Iorque alerta que só terá material médico até 5 de abril

O presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, alertou esta sexta-feira que a cidade apenas tem material médico até 5 de abril, lembrando que a 'Big Apple' é atualmente o epicentro do novo …

Cientistas determinaram como é que o cérebro controla a voz dos morcegos

Segundo um recente estudo levado a cabo por biólogos da Universidade de Frankfurt, é um circuito neuronal específico no cérebro dos morcegos que controla as suas vozes. Os morcegos são conhecidos pelo seu exímio sentido de …

Detetadas outras nove misteriosas rajadas rápidas de rádio que se repetem

Foram detetadas nove outras Rajadas Rápidas de Rádio (FRB) que se repetem entre as 700 já identificadas desde outubro de 2018 pelo projeto científico CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment), que se baseia num telescópio localizado …

"Não é completamente de loucos" pensar que há vida em Mercúrio

Há a possibilidade, ainda que pequena, de que Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol, possa abrigar vida, concluiu uma nova investigação. "É possível que, enquanto houver água, as temperaturas [no planeta] sejam apropriadas para …

O porta-aviões mais avançado do mundo tem um problema inesperado nas suas casas de banho

O porta-aviões de propulsão nuclear USS Gerald R. Ford, o mais avançado da Marinha dos Estados Unidos, tem um problemas nas suas casas de banho, que precisam de ser lavadas com ácido regularmente. De acordo com …

Retirada dos ricos, colapso dos transportes e medo do contacto. As cidades no pós-pandemia

Mesmo depois de a pandemia do novo coronavírus diminuir e voltar a ser seguro estar com outras pessoas, a sociedade pode nunca mais ser a mesma. A atual pandemia de Covid-19 está a mudar rapidamente a …

"Quando a Alemanha disser que há eurobonds, os holandeses vão pastar para outras paragens"

Ana Gomes mostrou-se satisfeita com a atuação de António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa durante esta pandemia. A ex-eurodeputada deixou ainda duras críticas aos holandeses, que diz irem pastar para outras paragens quando os …

Coreia do Norte diz não ter casos de covid-19 (mas terá pedido ajuda secretamente)

Apesar de negar ter casos de infeção por covid-19, o novo coronavírus oriundo da China, a Coreia do Norte terá discretamente solicitado ajuda a outros países no combate da doença. As autoridades do país asiático terão …

Seguranças chineses usam óculos inteligentes que detetam pessoas com febre

Os seguranças do Parque Hongyuan, em Hangzhou, na China, conseguem detetar a temperatura corporal de todos os visitantes à distância de até um metro. Como? Graças a uns óculos inteligentes. De acordo com o jornal South …