Apocalipse zombie aniquilaria a raça humana em 100 dias

-

A propagação de uma infecção zombie por todo o mundo levaria à extinção dos seres humanos em cerca de 100 dias. A previsão é de um estudo feito por estudantes da Universidade de Leicester com base num modelo matemático.

Depois de terem deitado por terra os poderes de Batman e de terem desfeito os sapatos de cristal de Cinderela e os mitos do Pai Natal e do Super Homem em estudos anteriores, os estudantes do Departamento de Física e Astronomia da Universidade de Leicester, no Reino Unido, resolveram debruçar-se sobre os riscos de uma epidemia zombie.

Esta ideia pode soar, para alguns, a pura ficção televisiva, mas o Pentágono tem-na como um risco real e já está preparado para um apocalipse zombie.

Ora, segundo os estudantes, uma epidemia de mortos-vivos “limparia” a humanidade, quase por completo, em apenas 100 dias.

Num artigo científico publicado no jornal académico Physics Special Topics, estes candidatos a cientistas vaticinam que “100 dias depois de a infecção zombie se espalhar, menos de 300 pessoas permaneceriam vivas” em todo o mundo, conforme se refere no site da Universidade.

Esta ideia resulta da aplicação de um modelo matemático conhecido por SIR e que é usado em cenários de epidemia para simular a forma como as doenças se propagam.

Assim, concluíram que cada zombie teria “90% de sucesso para encontrar e infectar um humano por dia”, uma média que tornaria a epidemia tão contagiosa como a Peste Negra que assolou a Europa no Século XIV, fazendo milhares de vítimas.

Perante uma actual população mundial de 7.5 biliões de pessoas e não havendo qualquer barreira geográfica de isolamento da infecção, a população humana ficaria reduzida a 181 pessoas ao 100.º dia, havendo, em comparação, 190 milhões de zombies, realça-se no estudo.

Com algum tipo de isolamento geográfico que impedisse os zombies de saírem da região onde estavam, os humanos ficariam reduzidos a 273 em 100 dias.

Este modelo matemático, que não teve em conta a possibilidade de os humanos matarem os zombies, determina que a raça humana “poderia ser exterminada” em menos de um ano.

Mas adicionando essa hipótese à fórmula, concedendo a cada humano 10% de possibilidades de matar um zombie por dia, a esperança aumenta para os humanos, conforme evidenciam os autores num segundo trabalho científico.

Acrescentando a estes novos dados a variável da reprodução humana, o modelo conclui que, em 1000 dias, os zombies acabariam mortos ou assassinados e que 10 mil anos depois do início da epidemia, a população humana conseguiria recuperar.

Este exemplo, bem como outros dos estudos “fantasiosos” já feitos pelos estudantes da mesma Universidade, evidencia o interesse da instituição em levar o corpo de alunos a “mostrar o seu lado criativo e a aplicar alguma da física que conhecem ao estranho, ao maravilhoso ou ao quotidiano”, conforme aponta o professor Mervyn Roy, tutor do curso.

SV, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …

Associação alerta para riscos da mudança da hora em tempos de confinamento

O presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono advertiu hoje que os efeitos potencialmente adversos causados pela mudança da hora podem acentuar-se devido ao confinamento obrigatório das pessoas na sequência da pandemia …

Governo português legaliza estrangeiros ilegais. "A prioridade é a defesa da saúde"

O Governo português decidiu regularizar os estrangeiros com pedidos pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, medida em vigor desde a declaração do estado de emergência, no dia 19, e que lhes garante os mesmos …