ONU não aprova resolução de retirada de Israel da Palestia

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas não aprovou esta terça-feira a resolução que pedia a retirada de Israel dos territórios palestinos até 2017.

O texto, submetido pela Jordânia, teve 8 votos a favor, 2 contra e 5 abstenções, sendo que necessitava de 9 votos favoráveis para ser aprovado e ainda que nenhum dos cinco países permanentes do Conselho de Segurança vetasse o texto.

Além da Jordânia, votaram favoravelmente pela resolução o grupo árabe da ONU, a Argentina, o Chade, Chile, aChina, França, Luxemburgo e a Rússia.

Os Estados Unidos, membro permanente do Conselho de Segurança, e a Austrália votaram contra, e os representantes do Reino Unido, da Lituânia, Nigéria, Coreia e de Ruanda abstiveram-se.

O rascunho da resolução foi formalmente apresentado ao conselho há menos de duas semanas, mas os Estados Unidos recusaram logo apoiar a estipulação de um prazo para que seja alcançado um acordo de paz final com Israel.

A resolução apontava um prazo de 12 meses para a conclusão das negociações para um acordo final e apelava a Israel para se retirar dos territórios palestinos até ao final de 2017.

O acordo conduziria à criação do Estado palestiniano, com Israel a partilhar Jerusalém como capital com a Palestina, de acordo com o texto.

A pressão para que seja reconhecido o Estado palestiniano como parte do acordo de paz final com Israel, defendido pelos palestinianos, surge numa altura em que cresce a preocupação da comunidade internacional quanto à violência na região e problemas no reinício das negociações entre as duas partes.

Diversos parlamentos de países europeus, incluindo Portugal, aprovaram recentemente resoluções não vinculativas defendendo que os respetivos governos reconheçam a Palestina como Estado.

O Parlamento Europeu também aprovou, há duas semanas, em Estrasburgo, na França, uma resolução na qual “apoia, por princípio, o reconhecimento do Estado palestiniano”, reafirmando o seu “apoio inequívoco” à solução de coexistência de dois Estados, Israel e Palestina.

As Nações Unidas já alertaram para um possível regresso ao conflito caso os esforços para promover a paz não sejam retomados.

Os Estados Unidos, principal aliado de Israel, têm apelado à realização de mais consultas para a resolução das Nações Unidas, enquanto a Palestina, que tem desde 2012 o estatuto de Estado observador da ONU, já se afirmou disponível para negociações para alcançar o consenso dos 15 países que pertencem ao Conselho de Segurança.

Israel e Palestina estiveram em guerra no verão passado, durante 50 dias, um conflito causou quase 2.200 mortos entre os palestinos, a maioria civis, e cerca de 70 mortos entre os israelitas, quase todos soldados, num conflito que provocou uma grande destruição em Gaza.

/ Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Proteção Civil do Porto já pediu recolher obrigatório e recomenda novo estado de emergência

A Proteção Civil do distrito do Porto já avançou com o pedido ao Governo de recolher obrigatório para a região. Marco Martins sugere ainda o regresso ao estado de emergência. Marco Martins, responsável pela proteção Civil …

Exames nacionais de 2021 mantêm normas excecionais criadas no anterior ano letivo

Os professores vão voltar a contabilizar, na classificação dos próximos exames nacionais, apenas as respostas às perguntas obrigatórias e àquelas em que o aluno tenha melhor pontuação, à semelhança das normas excecionais aplicadas no ano …

PSD-Madeira critica preços "pornográficos" e "obscenos" nas viagens da TAP no Natal

O PSD-Madeira voltou nesta quarta-feira a criticar os preços praticados pela TAP nas viagens para a região, referindo que na época do Natal chegam a atingir 1.143 euros, e considerou os valores “pornográficos” e “obscenos”. “São …

Autarca de Roma revela que máfia italiana planeou um ataque contra si e a sua família

A presidente da Câmara de Roma, Virginia Raggi, revelou que grupos do crime organizado planearam matá-la e a sua família porque ela os estava a atacar em partes da capital italiana que dominam. Aos 37 anos, …

OE2021. "Quem vota contra quer outro modelo ou desistiu de melhorar o SNS", diz Temido

A ministra da Saúde, Marta Temido, sustentou esta quarta-feira que os partidos que vão votar contra o Orçamento do Estado para 2021 querem outro modelo de sistema de saúde ou desistiram de melhorar o SNS. Numa …

Mais 3.960 casos e 24 mortes. É o pior dia desde o início da pandemia

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 3.960 casos positivos e 24 mortes por covid-19. Os dados foram divulgados no mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este foi o pior dia desde o …

Reconhecimento para cuidadores informais vai ser mais fácil e rápido

O pedido de estatuto de cuidador informal fica, a partir de hoje, mais fácil, deixando de ser necessário apresentar atestado médico e permitindo que documentos que impliquem atos médicos possam ser apresentados posteriormente. De acordo com …

OE2021 ainda não foi votado, mas já se espera um aumento da despesa em mais de 300 milhões

Entre a entrega da proposta e a votação, o Governo voltou a negociar com os partidos, mostrando abertura para medidas na especialidade que deverão custar pelo menos mais 300 milhões de euros. O Orçamento do Estado …

Portugal é dos 10 países com melhores políticas de integração de migrantes

Portugal está no grupo dos dez países com melhores políticas de integração de migrantes, segundo uma avaliação de 52 estados que destaca o combate à discriminação ou a reunificação familiar como pontos fortes. Segundo o Índice …

Lukashenko classifica grevistas e manifestantes como terroristas. Mais de 600 pessoas foram detidas

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, comparou com terrorismo a atitude de manifestantes e grevistas que participaram na greve nacional convocada pela oposição e nos protestos de cidadãos para exigir a sua renúncia. "Estamos a começar …