Onda de massacres na Colômbia fez 39 mortes em apenas duas semanas

Ernesto Guzman / EPA

Lucila Huila, no funeral dos dois filhos, Hiner e Esneider Collazos, assassinados por desconhecidos em El Tambo

Sete massacres em duas semanas. Este é o resultado da onda de violência que atinge a Colômbia, onde pelo menos 39 pessoas foram mortas durante os distúrbios mais recentes. O país já viu acontecer 46 massacres só este ano.

Após o último massacre, na noite de terça-feira, os corpos de três jovens foram encontrados perto de uma estrada nos arredores de Ocaña – uma cidade próxima da fronteira do país com a Venezuela. Este foi o sétimo massacre em apenas duas semanas, e já se contam 39 pessoas vitimas.

Este quadro de violência não é uma novidade para os colombianos. Só durante este ano, o país já presenciou 46 massacres. “Vivemos com uma sensação de medo constante. Podemos ser mortos a qualquer momento, mas o governo pouco irá fazer para nos salvar”, afirma um líder comunitário de uma cidade perto de Ocaña, que pediu para não ser identificado por receio de represálias.

Em 2016, um acordo de paz com o maior grupo rebelde do país, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), pôs fim a cinco décadas de guerra civil que matou mais de 260 mil pessoas, e fez mais de 7 milhões de desalojados.

Quando celebrado, o acordo tinha o objetivo de trazer maior segurança e desenvolvimento para as regiões mais pobres da Colômbia. Contudo, parece que o vínculo de “paz” criado, nada contribuiu para melhorar o ambiente de violência na Colômbia.

Atualmente, algumas fações das Farc continuam a lutar pelo controlo territorial, unindo-se a círculos extremistas como o Exército de Libertação Nacional (ELN), grupos paramilitares de direita, cartéis de droga, e militares colombianos.

Os alvos têm sido especialmente ativistas de direitos humanos, uma vez que este ano já foram assassinados mais de 100. A pandemia foi o argumento perfeito para alguns grupos armados exercerem pressão em várias regiões do país. De acordo com uma universidade local, pelo menos 30 pessoas foram assassinadas por “furar” a quarentena.

Sergio Guzmán, diretor da Colômbia Análise de Risco, culpa o governo pelo que se está a passar. “Falhou em não seguir o projeto traçado pelo acordo de paz. E a menos que isso mude, e vejamos um desenvolvimento genuíno e não apenas uma resposta militar, estas mortes vão continuar a acontecer”, diz Guzmán.

Iván Duque, presidente da Colômbia, sempre foi cético em relação ao acordo de paz que herdou quando assumiu o cargo há dois anos, relata o The Guardian.

O jornal britânico afirma que Duque culpou os grupos do narcotráfico pelo recente derramamento de sangue, e ordenou que as Forças Armadas fossem “implacáveis” a dar resposta a este problema que está a assombrar a população. Porém, o presidente acabou por receber duras críticas à forma como se referiu aos massacres, descrevendo-os como “homicídios coletivos”.

Embora a atual onda de massacres tenha suscitado comparações com os conflitos do final dos anos 90, os analistas garantem que a dinâmica atual dos grupos armados é mais complicada.

Gimena Sánchez, defensora de direitos humanos na Colômbia, afirma que “no passado, havia linhas e motivos ideológicos claros. Agora este grupos fragmentaram-se e criaram as suas próprias fações. A menos que haja uma mudança radical na atitude política de Duque, e das elites económicas do país, as coisas vão continuar a piorar”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Como foi possível? "Inquérito urgente" à transferência de 788 mil euros para desempregado

Ainda não se sabe como é que foi possível que a Segurança Social tenha transferido 788 mil euros para um desempregado. O caso já levou à abertura de um "inquérito urgente" e o Governo quer …

MP investiga protesto com alegadas saudações nazi

Uma fonte oficial da Procuradoria-Geral da República revelou esta sexta-feira que foi instaurado um inquérito, dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, às alegadas saudações nazi na manifestação que ocorreu na Praça …

Eriksen tem alta hospitalar

Seis dias depois de sofrer uma paragem cardíaca, Christian Eriksen teve alta hospitalar e visitou o estágio da seleção dinamarquesa antes de regressar a casa. Christian Eriksen teve alta hospitalar esta sexta-feira, confirmou a federação dinamarquesa, …

MP francês pede seis meses de prisão efetiva para Sarkozy

O Ministério Público (MP) pediu na quinta-feira um ano de prisão, com seis meses de pena efetiva, para o ex-Presidente francês Nicolas Sarkozy, julgado em Paris na sequência de uma investigação ao financiamento irregular na …

Portugueses já podem pedir Certificado Digital Covid

Os portugueses já podem pedir o Certificado Digital Covid, o documento que facilita as viagens para o estrangeiro durante as férias. O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que os portugueses poderiam pedir o seu certificado digital europeu …

Guterres presta juramento na ONU e estabelece "prioridade mundial absoluta"

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, prestou juramento e tomou posse para um segundo mandato durante uma sessão plenária da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, Estados Unidos. António Guterres …

Suécia 1-0 Eslováquia | Isak carrega nórdicos às costas

A Suécia deu hoje um passo de ‘gigante’ rumo aos oitavos de final do Euro2020 de futebol, ao vencer a Eslováquia por 1-0, em encontro da segunda jornada do Grupo E, disputado em São Petersburgo. Depois …

Ex-CEO da Groundforce admite hipótese de comprar a empresa

O ex-CEO da Groundforce, afastado do cargo em abril por "violação grave dos deveres de lealdade", não exclui a hipótese de vir a comprar a empresa de handling. Em declarações ao jornal online ECO, Paulo Neto …

Viatura onde seguia Eduardo Cabrita atropela uma pessoa na A6

Esta sexta-feira, um homem morreu após ter sido atropelado pelo automóvel em que seguia o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, num acidente na autoestrada A6. Numa nota enviada às redações, o Ministério da Administração Interna …

Portugal com mais 1.298 casos e quatro mortes

Esta sexta-feira, Portugal registou 1.298 novos casos e quatro mortes na sequência da infeção por covid-19. Segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), foram registados, nas últimas 24 horas, mais 1.298 casos e …