OMS: “O vírus vai acompanhar-nos durante muito tempo”

unisgeneva / Flickr

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS)

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou esta quarta-feira que o vírus que provoca a covid-19 vai estar presente “muito tempo”, e disse começar a haver estabilidade na situação da Europa.

“O vírus vai acompanhar-nos durante muito tempo”, afirmou o responsável numa conferência de imprensa online a partir da sede da OMS em Genebra, depois de começar por referir que a Europa está, em relação à pandemia, em situação estável e com tendência a baixar.

Ainda assim, referiu o diretor-geral da OMS, a epidemia pode reativar-se mesmo em situações em que o confinamento tem resultado, e avisou que “o mundo não voltará a funcionar como antes” e que é preciso procurar uma nova e mais segura realidade.

Tedros Adhanom Ghebreyesus lembrou também que já há 2,5 milhões de pessoas infetadas e mais de 170.000 mortes provocadas pelo novo coronavírus.

Numa conferência de imprensa em que se falou várias vezes do aliviar das medidas de isolamento os responsáveis da OMS disseram compreender que as pessoas “queiram voltar às suas vidas normais”, mas assinalaram sempre a importância, na luta contra o vírus, do afastamento social.

O diretor-geral avisou mesmo que se na Europa ocidental a tendência é para baixar a incidência do vírus a OMS está preocupada com as situações em África, na América Central e do Sul e na Europa de leste.

Questionado se a declaração de emergência mundial devia ter sido feita mais cedo, o responsável máximo da organização enfatizou que essa declaração foi feita a 30 de janeiro, “o mais cedo possível”, e esclareceu que nesse momento havia 82 casos confirmados fora da China, a maioria em países vizinhos da China, onde começou a epidemia. A Europa tinha notificado 10 casos e não havia mortes declaradas fora da China.

“Creio que declarámos a emergência no momento adequado, o mundo tinha tempo suficiente para responder”, disse o responsável, que tem sido criticado pelos Estados Unidos em relação à forma como a OMS lidou com a pandemia.

Em 30 de janeiro a OMS declarou o surto como caso de emergência de saúde pública internacional, mas opôs-se a restrições de viagens e trocas comerciais. Nesse dia o número de mortes na China chegava a 169.

Ainda quanto aos Estados Unidos, que cortaram o apoio à OMS, e quando questionado sobre que impacto tinha esse corte, Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que o financiamento, venha de onde vier, é sempre para salvar vidas, que é para isso que a OMS trabalha “dia a noite”, e que os ataques à organização só reforçam a sua determinação.

O responsável reconheceu a importância do apoio dos Estados Unidos e disse esperar que o país reconsidere os cortes no financiamento, que serve para “salvar vidas”, concluindo sobre essa matéria: “não tenho energia adicional para responder a críticas, estou concentrado em salvar vidas”.

E quanto às manifestações contra o confinamento (como têm acontecido nos Estados Unidos), o diretor-geral disse que protestos e manifestações podem precisamente levar ao aumento da pandemia, e acrescentou ser muito importante a confiança entre os cidadãos e os governos, para que as pessoas compreendam a necessidade desse isolamento.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A tecnologia ressuscitou o "plágio" de escritores medievais

Os trabalhos de autores medievais foram "ressuscitados" com a tecnologia do século XXI numa inesperada colaboração na Universidade de St Andrews, na Escócia. Um arquivo das obras de autores ingleses medievais, que revelava uma visão internacional …

Num cenário apocalíptico, a espécie humana poderia sobreviver "com populações na casa das centenas"

Cientistas de todo o mundo debruçam-se sobre a preparação das populações (e de abrigos) para sobreviver a um possível apocalipse. Para o antropólogo Cameron Smith, não seria necessário um número muito elevado de pessoas, desde …

Príncipe Harry diz que viver com a família real é "uma mistura entre o Truman Show e estar num zoo"

Depois de uma entrevista a Oprah Winfrey, o duque de Sussex faz novas revelações numa nova entrevista e descreve como era a sua vida antes de ir viver, primeiro para o Canadá e, depois, para …

Pentear o cabelo pode tornar-se uma tarefa mais fácil com a ajuda de um robô

Uma equipa de cientistas desenvolveu recentemente um braço robótico com uma escova de cabelo macia, equipada com uma câmara que ajuda o braço a "ver" e a avaliar a ondulação, para oferecer ao utilizador uma …

Benfica 4-3 Sporting | Águia vence dérbi espectacular

Mas que grande dérbi! Benfica e o novo campeão Sporting presentearam os adeptos com um jogo espectacular, um dos melhores dos últimos anos em Portugal, com futebol de ataque e golos, muitos golos. Foram nada menos …

Portugal é o 2.º país com mais divórcios e menos casamentos na UE

A taxa de casamentos na União Europeia caiu drasticamente nos últimos 55 anos, ao mesmo tempo que a taxa de divórcios subiu. Portugal é o segundo país onde esta tendência mais prevalece. De acordo com dados …

"É parte da nossa identidade". Pequena cidade na Suécia luta para preservar uma antiga língua moribunda

A organização Ulum Dalska, sediada numa pequena cidade sueca chamada Älvdalen, tem uma missão. Durante décadas, os seus membros têm trabalhado arduamente para ajudar a salvar a língua elfedaliana, um remanescente do nórdico antigo. "Tivemos a …

Papa diz que abuso infantil é uma espécie de “assassinato psicológico”

O Papa Francisco criticou hoje o abuso infantil dizendo que é “uma espécie de ‘assassinato psicológico’ e, em muitos casos, um cancelamento da infância” e pediu para “parar de encobrir” o fenómeno da pedofilia. Francisco falava …

Jerónimo considera “precipitado” discutir Orçamento de 2022 e “deitar borda fora” o atual

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou hoje “no mínimo precipitado” antecipar a posição do partido sobre o próximo Orçamento do Estado e “deitar borda fora” a concretização do atual. À margem de uma visita …

Plano da CIA para capturar Bin Laden originou um problema de saúde pública no Paquistão

Um novo estudo indica que um plano secreto da CIA para capturar Osama Bin Laden, no início de 2011, teve como consequência uma queda significativa das taxas de vacinação no Paquistão. O plano, que usava uma …