New York Times divulga provas de que a Rússia bombardeou deliberadamente hospitais na Síria

(dr) UNRWA

ONU entrega ajuda humanitária na cidade de Yarmouk, na Síria

O The New York Times publicou este domingo, segundo avança o próprio jornal norte-americano, provas de que a Rússia bombardeou repetidamente e deliberadamente hospitais na Síria, onde intervém em apoio do regime sírio do Presidente Bashar al-Assad.

Ativistas e opositores sírios têm acusado em diversas ocasiões a Rússia de atingir hospitais e outros alvos civis em território sírio, algo que Moscovo sempre negou.

Segundo uma organização não-governamental (ONG) que documenta ataques contra médicos na Síria, desde 2011, ano em que começou o conflito civil sírio, ocorreram pelo menos 583 ataques contra instalações hospitalares, dos quais 266 foram registados desde que a Rússia começou a intervir militarmente, em setembro de 2015.

A investigação do jornal norte-americano este domingo publicada é centrada em quatro ataques que ocorreram nos dias 5 e 6 de maio último. Na altura, o Governo sírio e as forças russas aliadas intensificaram os bombardeamentos no noroeste da Síria, nomeadamente na província de Idlib e em outras áreas circundantes, para tentar conquistar as últimas zonas ainda controladas por forças insurgentes e jihadistas’.

O artigo do The New York Times cita, entre outras provas, transcrições de comunicações de rádio da força aérea russa, registos de equipas de monitorização do espaço aéreo, vídeos das estruturas atacadas e o relato de várias testemunhas locais.

Segundo o jornal, os registos de voo colocam os pilotos russos no local onde ficam os hospitais bombardeados nesses dois dias, mas também no momento exato dos ataques.

O The New York Times acrescenta que nas gravações de áudio, a que teve acesso, é possível ouvir os militares russos a confirmarem as coordenadas de cada alvo e os respetivos disparos.

Em último, as Nações Unidas anunciaram a abertura de um inquérito aos ataques registados contra unidades hospitalares na Síria.

Desencadeado em março de 2011 pela violenta repressão do regime de Bashar al-Assad de manifestações pacíficas, o conflito na Síria ganhou ao longo dos anos uma enorme complexidade, com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos ‘jihadistas’, e várias frentes de combate.

Num território bastante fragmentado, o conflito civil na Síria provocou, desde 2011, mais de 370 mil mortos, incluindo mais de 100 mil civis, e milhões de deslocados e refugiados.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …

Portugal bateu recorde de vacinação no sábado. Foram administradas 120 mil vacinas

Este sábado, Portugal registou um recorde diário de pessoas vacinadas contra a covid-19. No total, foram administradas 120 mil doses da vacina. De acordo com os números avançados pela task force responsável pelo plano de vacinação, …

Os milionários estão a fugir de Nova Iorque

A cidade de Nova Iorque está a preparar-se para enfrentar para um êxodo dos seus residentes mais ricos após as autoridades terem aprovado um orçamento que fará com que paguem a maior taxa de impostos …

Costa recusa responder a Sócrates. Carlos César reafirma "tristeza" e "raiva"

O primeiro-ministro António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates. Carlos César, presidente do PS, reafirma o que disse em 2018. Este sábado, António Costa recusou responder às críticas feitas por José Sócrates e …

Cientistas sugerem que os gorilas não batem no peito apenas para se exibir

Os cientistas sugerem que o ato de bater no peito permite aos gorilas machos sinalizar o seu tamanho e assim evitar brigas desnecessárias. De acordo com o jornal The Guardian, cientistas que estudam gorilas-das-montanhas (Gorilla beringei …

Médicos alertam que Navalny pode sofrer paragem cardíaca "a qualquer momento"

Alexei Navalny está cada vez mais em risco de insuficiência renal. Médicos próximos do opositor russo alertam que pode sofrer uma paragem cardíaca "a qualquer momento". Médicos próximos do opositor russo Alexei Navalny, detido e em …

Perto de sequenciar 1 milhão de genomas, cientistas querem desvendar segredos genéticos

O projeto All of Us está a recolher informações genéticas, registos médicos e hábitos de saúde de mais de um milhão de pessoas. Os dados podem ser usados para desvendar segredos genéticos. O primeiro esboço do …

"Besta dos cinco dentes". Descoberta nova espécie de mamífero na Patagónia

Paleontólogos descobriram uma nova espécie de mamífero, com dentes peculiares, que viveu na Patagónia durante o período Cretáceo. De acordo com a agência Europa Press, os fósseis foram encontrados em Cerro Guido, na província chilena de …

Com os zoos fechados, tudo serve para entreter uma família de lontras. Até um simples galho de bambu

O confinamento serviu como um lembrete indesejado de que ficar preso dentro de casa sem muito o que fazer pode ser desgastante. O mesmo é verdade para os animais, por isso os jardins zoológicos tiveram …