NYT elimina cartoons da edição internacional. António recusa-se a imaginar

(dr) António

Cartoon de António criticado como anti-semita após publicação no The New York Times.

O jornal norte-americano The New York Times anunciou segunda-feira que decidiu terminar com a prática de publicação de cartoons na sua edição internacional, na sequência da polémica que envolveu um desenho do cartunista português António, considerado antissemita.

Em declarações à TSF,  cartunista português António Antunes lamentou a decisão, considerando “triste” a decisão do New York Times de terminar com a prática.

Recuso-me a imaginar um jornal como o NYT sem cartoons. É triste, não percebo. Anular uma modalidade artistico-jornalística como o cartoon não é seguramente um bom caminho para a imprensa”, reforçou o artista, vincando que “o cartoon dá sempre um outro olhar sobre as coisas, o cartoon é uma coisa que é filha da democracia”.

A direção de informação do NYT, uma das mais prestigiadas publicações jornalísticas nos EUA, explicou que, a partir de 1 de julho, a edição internacional adotará a mesma estratégia editorial da edição nacional, que não publica qualquer desenho humorístico.

A decisão surgiu na sequência da polémica provocada pela divulgação de um ‘cartoon’ do português António – em que o Presidente dos EUA, Donald Trump, aparece com um ‘kipá’ (símbolo judaico) e óculos escuros a ser conduzido por um cão-guia com a cara do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu – divulgado há cerca de um mês e meio e que foi alvo de acusações de antissemitismo.

Na altura, a direção do jornal pediu desculpa pela publicação e justificou-se dizendo que tinha sido o resultado da decisão isolada de um editor, que não reconheceu o potencial de leitura antissemita, e rompeu o contrato com a empresa de serviço de distribuição de ‘cartoons’ que trabalhava com vários cartunistas internacionais, entre eles o português António (António Moreira Antunes).

Segunda-feira, o The New York Times tomou a decisão mais radical de terminar com toda e qualquer divulgação de ‘cartoons’ na edição internacional, seguindo a estratégia editorial da versão nacional do jornal diário. Numa declaração, James Bennet, responsável pela página de artigos de opinião, disse que “há mais de um ano que considerava colocar a edição internacional em linha com a edição nacional, terminando com os ‘cartoons’ políticos”, o que acontecerá a partir do próximo dia 1 de julho.

Na mesma declaração, Bennet acrescentou que o jornal de Nova Iorque “continuará a investir em formatos de jornalismo opinativo, incluindo jornalismo visual, que expressem nuance, complexidade e vozes fortes a partir de uma diversidade de perspetivas”.

NYT “encolheu-se perante as redes sociais”

As reações a esta decisão do The New York Times não se fizeram esperar, em particular do lado de cartunistas, lamentando o desaparecimento desta forma de expressão visual das páginas do jornal. Patrick Chappate, um dos cartunistas que colaborava com o The New York Times, escreveu no seu blogue que a decisão não tem apenas a ver com ‘cartoons’, “mas também com jornalismo e com a opinião em geral”, dizendo que se vive “num mundo em que a população moralista se junta nas redes sociais e ergue-se como uma tempestade, atacando as Redações dos ‘media’”.

Plantu, conhecido cartunista do diário francês Le Monde e fundador da associação Cartooning for Peace, considera decisão revela que o jornal norte-americano “se encolheu perante as redes sociais”, lembrando que já antes o NYT tinha pedido desculpa pelo desenho do português António.

“É tão estúpido como se pedíssemos às crianças no Dia das Mães para pararem de fazer desenhos para suas mães”, disse o cartunista, manifestando a sua solidariedade para com os cartunistas afetados pela decisão do jornal norte-americano. “Humor e imagens perturbadoras fazem parte das nossas democracias“, disse o cartunista do Le Monde.

Também Jake Halpern, jornalista vencedor do Prémio Pulitzer e professor de jornalismo na Universidade Yale, lamenta a decisão. “Os cartoons políticos são uma forma importante e poderosa para os jornalistas e artistas expressarem opiniões e questionarem a autoridade. É pura e simplesmente um erro a edição internacional do NYT eliminá-los”, disse o jornalista em declarações ao semanário Expresso.

“Nos dias de hoje, quando o autoritarismo está em ascensão, precisamos de ter disponíveis todos os meios possíveis de dissidência. Não é o momento para limitar a nossa liberdade de expressão sob qualquer forma”, enfatiza.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

UE tem de libertar-se da "má vontade" e negociar entre iguais, diz Reino Unido

A União Europeia (UE) deve libertar-se da sua má vontade e construir uma boa relação com o Reino Unido como soberanias iguais, disse no domingo o conselheiro do Governo britânico David Frost, prometendo defender os …

Acordo com Groundforce falha por acionista maioritário ter ações penhoradas

O acordo entre a TAP e a Pasogal, acionista da Groundforce, falhou, porque as ações do acionista já estão penhoradas e, assim, não podem ser dadas como garantia, disse à Lusa fonte oficial do Ministério …

Apenas 24 países têm mulheres no poder. Igualdade de género alcançado somente "em 130 anos"

Menos de 500 milhões de pessoas dos cerca de 7,8 mil milhões que constituem a população mundial têm atualmente uma mulher Presidente ou chefe de governo, avançou a ONU Mulher. "Ao ritmo atual, a igualdade de …

Império de Cristiano Ronaldo mudou-se para Portugal (na pista dos benefícios fiscais)

Após ter dissolvido a CRS Holding no Luxemburgo, Cristiano Ronaldo passou a sede de uma das suas principais empresas para Lisboa renomeando-a CR7 Lifestyle Unipessoal. Nesta altura, o craque já tem seis empresas instaladas em …

Coro de crianças na Alemanha compõe música de apoio a Portugal

Um coro com cerca de quatro dezenas de crianças, da cidade de Tecklenburg, na Alemanha, criou uma música para "dar conforto" aos portugueses durante a pandemia de covid-19. "Quando eu li nas notícias sobre a situação …

Pelo menos 6% das portuguesas já foram vítimas de agressão física ou sexual

No dia em que se assinala o Dia Internacional da Mulher, a Pordata compilou um conjunto de indicadores que retratam a situação da mulher, em Portugal e na União Europeia.  Segundo o Eurostat e a Agência …

PS exige "demissão imediata" de Pedro Machado da presidência da Turismo Centro

As federações do PS de Aveiro, Coimbra, Guarda, Leiria, Oeste, Santarém e Viseu exigiram este domingo a "demissão imediata" de Pedro Machado da presidência da Turismo Centro de Portugal (TCP) e a convocação de eleições …

“Opaco” e “mal estruturado”. Pilotos criticam plano de adesão voluntária da TAP

Esta segunda-feira, o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) definiu o programa de medidas voluntárias da TAP como “mal estruturado”, “absolutamente opaco” e com “deficiências de informação”. A direção de recursos humanos da companhia “revela-se …

"Bolsonaro pode estar a preparar guerra civil", temem politólogos

Politólogos ouvidos pelo DN temem que o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, possa estar a preparar uma guerra civil. "Deseja armar a população, confia em poderes paralelos e estimula a indisciplina dos escalões mais baixos …

PRR: PSD quer que Governo conheça todos os contributos entregues na consulta pública

O PSD pediu acesso esta segunda-feira, através do parlamento, à documentação relativa a todos os contributos decorrentes da consulta pública do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Num requerimento entregue segunda-feira no parlamento e dirigido ao …