NYT elimina cartoons da edição internacional. António recusa-se a imaginar

(dr) António

Cartoon de António criticado como anti-semita após publicação no The New York Times.

O jornal norte-americano The New York Times anunciou segunda-feira que decidiu terminar com a prática de publicação de cartoons na sua edição internacional, na sequência da polémica que envolveu um desenho do cartunista português António, considerado antissemita.

Em declarações à TSF,  cartunista português António Antunes lamentou a decisão, considerando “triste” a decisão do New York Times de terminar com a prática.

Recuso-me a imaginar um jornal como o NYT sem cartoons. É triste, não percebo. Anular uma modalidade artistico-jornalística como o cartoon não é seguramente um bom caminho para a imprensa”, reforçou o artista, vincando que “o cartoon dá sempre um outro olhar sobre as coisas, o cartoon é uma coisa que é filha da democracia”.

A direção de informação do NYT, uma das mais prestigiadas publicações jornalísticas nos EUA, explicou que, a partir de 1 de julho, a edição internacional adotará a mesma estratégia editorial da edição nacional, que não publica qualquer desenho humorístico.

A decisão surgiu na sequência da polémica provocada pela divulgação de um ‘cartoon’ do português António – em que o Presidente dos EUA, Donald Trump, aparece com um ‘kipá’ (símbolo judaico) e óculos escuros a ser conduzido por um cão-guia com a cara do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu – divulgado há cerca de um mês e meio e que foi alvo de acusações de antissemitismo.

Na altura, a direção do jornal pediu desculpa pela publicação e justificou-se dizendo que tinha sido o resultado da decisão isolada de um editor, que não reconheceu o potencial de leitura antissemita, e rompeu o contrato com a empresa de serviço de distribuição de ‘cartoons’ que trabalhava com vários cartunistas internacionais, entre eles o português António (António Moreira Antunes).

Segunda-feira, o The New York Times tomou a decisão mais radical de terminar com toda e qualquer divulgação de ‘cartoons’ na edição internacional, seguindo a estratégia editorial da versão nacional do jornal diário. Numa declaração, James Bennet, responsável pela página de artigos de opinião, disse que “há mais de um ano que considerava colocar a edição internacional em linha com a edição nacional, terminando com os ‘cartoons’ políticos”, o que acontecerá a partir do próximo dia 1 de julho.

Na mesma declaração, Bennet acrescentou que o jornal de Nova Iorque “continuará a investir em formatos de jornalismo opinativo, incluindo jornalismo visual, que expressem nuance, complexidade e vozes fortes a partir de uma diversidade de perspetivas”.

NYT “encolheu-se perante as redes sociais”

As reações a esta decisão do The New York Times não se fizeram esperar, em particular do lado de cartunistas, lamentando o desaparecimento desta forma de expressão visual das páginas do jornal. Patrick Chappate, um dos cartunistas que colaborava com o The New York Times, escreveu no seu blogue que a decisão não tem apenas a ver com ‘cartoons’, “mas também com jornalismo e com a opinião em geral”, dizendo que se vive “num mundo em que a população moralista se junta nas redes sociais e ergue-se como uma tempestade, atacando as Redações dos ‘media’”.

Plantu, conhecido cartunista do diário francês Le Monde e fundador da associação Cartooning for Peace, considera decisão revela que o jornal norte-americano “se encolheu perante as redes sociais”, lembrando que já antes o NYT tinha pedido desculpa pelo desenho do português António.

“É tão estúpido como se pedíssemos às crianças no Dia das Mães para pararem de fazer desenhos para suas mães”, disse o cartunista, manifestando a sua solidariedade para com os cartunistas afetados pela decisão do jornal norte-americano. “Humor e imagens perturbadoras fazem parte das nossas democracias“, disse o cartunista do Le Monde.

Também Jake Halpern, jornalista vencedor do Prémio Pulitzer e professor de jornalismo na Universidade Yale, lamenta a decisão. “Os cartoons políticos são uma forma importante e poderosa para os jornalistas e artistas expressarem opiniões e questionarem a autoridade. É pura e simplesmente um erro a edição internacional do NYT eliminá-los”, disse o jornalista em declarações ao semanário Expresso.

“Nos dias de hoje, quando o autoritarismo está em ascensão, precisamos de ter disponíveis todos os meios possíveis de dissidência. Não é o momento para limitar a nossa liberdade de expressão sob qualquer forma”, enfatiza.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cogumelos laminados

O consumo de cogumelos pode diminuir o risco de depressão

Além de reduzirem o risco de cancro e morte prematura, os cogumelos podem beneficiar a saúde mental de uma pessoa. Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina de Penn State, nos Estados Unidos, analisou dados …

Os hipopótamos de Pablo Escobar começaram a ser esterilizados

O grupo de hipopótamos, mais uma parte do indesejado legado deixado na Colômbia pelo traficante de droga Pablo Escobar, está a ser esterilizado. Quando o Cartel de Medellín estava no seu auge, Pablo Escobar gastou parte …

Ian Brackenbury Channell, o "feiticeiro de Christchurch"

Duas décadas depois, uma cidade neozelandesa decidiu despedir o seu feiticeiro

Vinte e três anos depois, a autarquia de Christchurch, na Nova Zelândia, decidiu despedir Ian Brackenbury Channell, o famoso feiticeiro da cidade. Desde 1998 que Ian Brackenbury Channell era o "feiticeiro de Christchurch", sendo responsável por …

Um dos microscópios de Darwin vai a leilão. Esteve nas mãos da sua família durante quase 200 anos

Um microscópio que Charles Darwin ofereceu ao filho Leonard - e que esteve nas mãos da sua família ao longo de quase 200 anos - vai ser leiloado em dezembro e poderá valer cerca de …

Pedro Sánchez promete abolir a prostituição em Espanha, por considerar que esta "escraviza" as mulheres

Espanha é um dos países europeus com mais trabalhadoras na indústria do sexo, as quais são sobretudo originárias de países da Europa mais pobres, da América Latina e de África. O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez anunciou …

"Um milagre". Dois jovens sobreviveram quase uma semana no deserto australiano

Dois jovens, de 14 e 21 anos, sobreviveram durante quase uma semana no deserto, sem água e sem comida, depois de se terem perdido no Território do Norte, na Austrália. A polícia fala num verdadeiro …

Carlos Moedas

Moedas vai "dar tudo como presidente" e exige que seja respeitada a legitimidade do seu mandato

Carlos Moedas tomou posse, esta segunda-feira, como novo presidente da Câmara de Lisboa, tendo falado dos objetivos para o próximo quadriénio e deixado um elogio ao seu antecessor e alguns avisos à esquerda. Depois dos cumprimentos …

Chanceler austríaco Sebastian Kurz

Sondagens falsas e notícias favoráveis. O lado negro de Sebastian Kurz foi desmascarado

Sebastian Kurz e pessoas que lhe são próximas foram acusados de tentar garantir a sua ascensão à liderança do partido e do país com a ajuda de sondagens manipuladas e notícias favoráveis na imprensa, financiadas …

Tem uma carreira de sonho na Nike, mas cometeu um homicídio há 65 anos

O presidente da Jordan Brand, Larry Miller, revelou que, há 56 anos, matou um adolescente nas ruas de Filadélfia, nos Estados Unidos. O presidente da Jordan Brand — marca do ex-jogador de basquetebol Michael Jordan — …

Rio diz que decisão sobre eventual recandidatura está "quase tomada"

O presidente do PSD afirmou, esta segunda-feira, que a decisão sobre a sua eventual recandidatura está "quase tomada" e será anunciada em breve. Em declarações aos jornalistas à chegada à tomada de posse do novo presidente …