Nunca houve tantos deslocados no mundo. São mais de 70 milhões

Um novo recorde foi quebrado no mundo em 2018, com 70,8 milhões de pessoas deslocadas das suas casas ou dos seus países, devido às guerras ou perseguições, anunciou esta quarta-feira as Nações Unidas.

O relatório anual “Tendências Globais” do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) observa que os níveis de deslocamento são hoje o dobro do que eram há 20 anos, confirmando uma tendência crescente no número de pessoas que precisam de proteção internacional. Este é sétimo ano consecutivo em que o número de deslocados aumentaram no mundo.

“As tendências globais, mais uma vez infelizmente, vão no que eu diria que é a direção errada”, afirmou o responsável da agência da ONU para os Refugiados, Filippo Grandi, durante a apresentação do relatório em Genebra.

“Há novos conflitos, novas situações, que criam novos refugiados, somando-se aos antigos. Os casos antigos nunca são resolvidos”, acrescentou.

O fenómeno está a crescer em tamanho e duração. Cerca de quatro quintos das “situações de deslocados” duraram mais de cinco anos. Após oito anos de guerra na Síria, por exemplo, o seu povo continua a constituir a maior população de pessoas deslocadas à força, cerca de 13 milhões.

A Venezuela, que atravessa uma grave crise humanitária e política, é pela vez primeira o país com o maior número de novos requerentes, com mais de 340.000, em 2018.

O ACNUR ressalvou que os seus números são “conservadores” e na Venezuela, sendo que a situação poderá ser bastante pior. Sabe-se que cerca de 4 milhões de pessoas deixaram o país sul-americano nos últimos anos. Muitos deles viajaram livremente para o Peru, Colômbia e Brasil, mas apenas cerca de um oitavo destes procuraram proteção internacional formal. As tensões nos países de acolhimento podem piorar, avisou a ACNUR.

Grandi prevê um êxodo contínuo da Venezuela e apelou a mais ajuda dos países e organizações para o desenvolvimento da região, “caso contrário, esses países não aguentarão mais a pressão e terão que recorrer a medidas que prejudiquem os refugiados”. “Estamos numa situação muito perigosa”, disse.

Apesar das políticas crescentes de anti-imigração, os Estados Unidos continuam a ser “o maior defensor dos refugiados” no mundo, disse Grandi. Os EUA são o maior doador individual do ACNUR. Contudo, observou falhas administrativas de longo prazo que deram aos Estados Unidos o maior número de pedidos de asilo em todo o mundo, com quase 719.000. Mais de um quarto de milhão de reclamações foram adicionadas no ano passado.

O responsável pelo ACNUR criticou ainda a retórica recente que tem, na sua opinião, sido hostil a migrantes e refugiados, um pouco por todo o mundo. “Na América, assim como na Europa e em outras partes do mundo, o que estamos a testemunhar é a ideia de que os refugiados, ameaçam os nossos empregos, a nossa segurança e os nossos valores”.

“E eu quero dizer ao governo dos Estados Unidos – ao presidente – mas também aos líderes do mundo todo: isso é prejudicial”, acrescentou.

O relatório do ACNUR observou que, de longe, a maioria dos refugiados são de países em desenvolvimento, não em países ricos.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Catarina Martins entreabre porta a nova geringonça

Catarina Martins lembrou que nas últimas legislativas se fez na política "o que nunca se tinha feito antes" e alerta que o que se conseguiu alcançar "não chega" face a "tudo o que há para …

Destroços de navio interditam praia em Torres Vedras

A praia do Navio, em Santa Cruz, está interdita a banhos e a desportos náuticos devido ao aparecimento de destroços de um navio afundado. A praia do Navio, em Santa Cruz, no concelho de Torres Vedras, …

Ministro da Justiça demite-se após eleição de Boris Johnson (e não é o único)

O ministro da Justiça britânico, David Gauke, anunciou a sua demissão após ser conhecida a eleição de Boris Johnson para a liderança dos conservadores e a sua designação como primeiro-ministro do Reino Unido. No domingo, David …

TdC deteta pagamentos "ilegais" do Serviço de Saúde da Madeira a empresa que pertencia ao presidente

A sociedade gerida pelo então presidente do Serviço de Saúde da Madeira recebeu 116 mil euros do Serviço de Saúde da Madeira. O Serviço de Saúde da Madeira (SESARAM) autorizou "ilegalmente" o pagamento de 116 mil …

Fábio Coentrão apontado ao FC Porto

O lateral esquerdo, que se encontra neste momento sem clube, terá sido alvo de sondagem por parte do FC Porto para reforçar a equipa de Sérgio Conceição. Segundo o jornal A Bola, Fábio Coentrão já foi …

EUA. Explosão em refinaria levanta questões sobre utilização de produtos químicos letais

Na madrugada de 21 de junho, explosões na refinaria Philadelphia Energy Solutions, no sul da Filadélfia, Estados Unidos (EUA), sacudiram as casas, enviaram bolas de fogo para o ar e acordaram os moradores próximos. Este …

Irão anuncia reunião extraordinária para salvar acordo de Viena

Uma nova reunião extraordinária para tentar salvar o acordo sobre o programa nuclear iraniano vai realizar-se em Viena no domingo, anunciou esta terça-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão. De acordo com o comunicado do …

PS aprova listas de candidatos a deputados. Braga ainda em aberto

A Comissão Política Nacional do PS aprova nesta terça-feira as listas de candidatos a deputados às próximas eleições legislativas, num processo em termos globais pacífico internamente. Em Braga, há nomes em aberto. O processo para a …

Morreu Li Peng, o antigo primeiro-ministro chinês que pôs fim aos protestos de Tiananmen

O antigo primeiro-ministro chinês, Li Peng, morreu esta segunda-feira, avançou a agência estatal Xinhua. Aos 91 anos, o político que liderou a "ala dura" do Governo durante os protestos de Tiananmen, em 1989, faleceu de …

Kim Jong-un inspeciona novo submarino em contexto de impasse com EUA

O submarino vai ser lançado no mar do Leste, confirmou a agência de notícias norte-coreana. Não há informações sobre o sistema de armas que o submarino continha ou onde e quando a inspeção ocorreu. O líder …