Novo coronavírus já tem nome: Covid-19

Nilses / Wikimedia

Coronavírus

A infeção provocada pelo novo coronavírus detetado na China passa a ter o nome oficial de “Covid-19”, decidiu esta terça-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS) no primeiro de dois dias de reunião entre cerca de 300 peritos internacionais.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) decidiu usar um nome que seja pronunciável e que não remeta para uma localização geográfica específica, um animal ou grupo de pessoas para evitar estigmatizações, segundo informou em conferência de imprensa o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O nome – Covid-19 – nasce do acrónimo em inglês da expressão “doença por corona vírus” (‘corona virus disease’).

Cientistas, investigadores e peritos de saúde pública estão a partir desta terça-feira em Genebra, na Suíça, num fórum de dois dias para debater formas de controlar e lidar com o surto do novo coronavírus detetado na China.

A reunião, que junta investigadores, peritos e responsáveis de saúde, foi convocada pela OMS, pretende coordenar os esforços para encontrar respostas para a nova epidemia.

“Aproveitar o poder da ciência é fundamental para controlar este surto. Há respostas de que precisamos e ferramentas que temos de desenvolver o mais rapidamente possível. A OMS está a desempenhar um papel de coordenação, reunindo a comunidade científica para identificar prioridades de pesquisa e acelerar o progresso”, afirmou o diretor-geral da OMS, numa declaração escrita.

Na reunião, que decorre entre esta terça e quarta-feira, os participantes vão discutir vários temas, como a identificação da fonte do vírus ou a partilha de amostras biológicas e sequências genéticas.

O novo coronavírus detetado na China já provocou mais de 43 mil infetados e mais de mil mortos, sendo que apenas uma das vítimas mortais ocorreu fora da China, nas Filipinas.

Investigadores começam a testar vacina em ratos

Uma equipa de investigadores britânicos anunciou estar a testar em ratos uma vacina contra o novo coronavírus – Covid-19 – e espera tê-la pronta até ao final do ano.

“Acabámos de injetar em ratos a vacina que gerámos a partir de bactérias e esperamos, nas próximas semanas, poder determinar qual a reação nos ratos, no seu sangue, a sua resposta em termos de anticorpos contra o coronavírus”, confirmou um dos investigadores à agência France-Presse (AFP).

Os investigadores do Imperial College, em Londres, acreditam estar entre os primeiros a avançar com ensaios clínicos em animais, numa altura em que a comunidade científica está empenhada em encontrar uma vacina eficaz, já que as atuais não protegem contra o novo coronavírus, que tem agora o nome oficial Covid-19.

O desenvolvimento de uma nova vacina é um processo demorado, que se pode prolongar por vários anos até que a vacina se prove segura e eficaz.

Em declarações à agência francesa, Paul McKay afirmou que a sua equipa espera ser a primeira a realizar ensaios clínicos em humanos e a disponibilizar a vacina contra a nova epidemia, acrescentando que a investigação partiu do trabalho desenvolvido para o coronavírus da Síndrome Respiratória Aguda (SARS).

“Quando a primeira fase de ensaios terminar, o que pode demorar alguns meses, poderemos testar imediatamente a eficácia da vacina em humanos, o que também levará alguns meses”, explicou o investigador, sublinhando que o objetivo é ter uma vacina viável até ao final do ano.

Numa entrevista ao canal britânico Sky News em 5 de fevereiro, o diretor da investigação, Robin Shattock, admitiu que a possível vacina não serviria para combater o atual surto, mas poderá ser importante se houver outro no futuro.

Vários cientistas da China, Estados Unidos, Austrália e Europa trabalham a contrarrelógio, em colaboração, para encontrar um fármaco que combata o novo coronavírus, detetado em dezembro de 2019 em Wuhan, capital da província chinesa de Hubei (centro), e que já causou 1.018 mortos. Segundo a agência chinesa Xinhua, uma universidade de Xangai também lançou testes em ratos no domingo.

À AFP, Paul McKay reconheceu que o trabalho dos vários países traduz um esforço conjunto da comunidade científica numa “corrida colaborativa” para encontrar a nova vacina, sublinhando que “os chineses, assim que sequenciaram o genoma, partilharam-no livremente com todo o mundo”.

PARTILHAR

RESPONDER

Descoberto primeiro animal que não precisa de oxigénio para viver

Respirar oxigénio é uma característica fundamental dos animais multicelulares, mas os cientistas acabam de descobrir, pelo menos, um que não precisa de o fazer para sobreviver. É muito provável que tenha aprendido que todos os organismos …

"Marte está vivo". Sonda InSight regista mais de 170 eventos sísmicos no Planeta Vermelho

Resultados dos primeiros dez meses de exploração da sonda InSight da NASA revelaram que o Planeta Vermelho é um mundo com atividade sísmica ativa. "Marte está vivo e a cada diz que passa começo a ter …

Um planeta pode ter sido "roubado" do Sistema Solar

Uma nova análise de astrónomos da Universidade Stony Brook, em Nova Iorque, revelou que as estrelas "roubam" planetas umas às outras - e isso também poderá ter acontecido no nosso próprio Sistema Solar. Quase tudo o …

Netflix passa a mostrar "top 10" diário de séries e filmes

A Netflix disponibiliza, desde esta segunda-feira (24), uma nova feature para os utilizadores do serviço de streaming: uma lista com os 10 filmes e as 10 séries mais vistas no país em cada dia. Esta nova …

A Realidade Virtual pode ser a próxima terapia para tratar pânico, fobias e distúrbios

A Oxford VR, empresa britânica de realidade virtual, acaba de acumular mais de 13 milhões de euros para investir na terapia com a tecnologia do futuro. A companhia surgiu a partir do departamento de psiquiatria da …

Apple não deixa que vilões de filmes usem iPhones

A Apple não deixa que os vilões dos filmes de Hollywood usem os telemóveis iPhone no grande ecrã. Esta é apenas uma das empresas que não permite este tipo de coisa. Os filmes podem ter uma …

O coronavírus pode ser a "doença X" temida pelos especialistas

O coronavírus, que já matou 2.700 pessoas e infetou mais de 80 mil desde dezembro, está a tornar-se "rapidamente" no primeiro grande desafio pandémico do mundo, enquadrando-se nos moldes da "doença X" temida por especialistas. O …

Media Capital passou de lucros a prejuízos de 54,7 milhões

A Media Capital registou prejuízos de 54,7 milhões de euros no ano passado, contra lucros de 21,6 milhões de euros um ano antes, anunciou hoje a dona da TVI, que está em processo de compra …

Camas na classe económica dos aviões podem vir a tornar-se uma realidade

A companhia aérea neozelandesa Air New Zealand está a pensar incluir camas na classe económica de alguns dos seus voos mais longos. A ideia deverá avançar dentro de um ano. A companhia aérea neozelandesa Air New …

Temperatura do planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões de anos

A temperatura no planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões a cinco milhões de anos, caso a humanidade consiga estancar as emissões de gases com efeito de estufa até 2030, diz a especialista …