Está em marcha um novo acordo mundial para reduzir o desperdício de plástico. EUA e Reino Unido não se comprometem

Sofia Teixeira Santos / ZAP

Mais de dois terços dos países-membros da ONU estão abertos a um novo acordo mundial para reduzir o desperdício de plástico. No entanto, os Estados Unidos e o Reino Unido – os dois maiores produtores de resíduos per capita – ainda não sinalizaram a sua participação.

A possibilidade foi levantada na passada semana, durante uma videoconferência do grupo de trabalho da ONU focado no lixo marítimo e nos microplásticos. Mais de dois terços dos países-membros – incluindo países africanos, bálticos, caribenhos, nórdicos, do Pacífico e da UE – mostraram-se favoráveis à assinatura de um novo tratado mundial para travar a onda crescente de resíduos de plástico que poluem os oceanos.

Há, contudo, a hipótese de que os EUA e o Reino Unido não se comprometam com este acordo, escreve o jornal britânico The Guardian. Os dois países são dois dos maiores produtores de resíduos de plástico, mas não declararam, até ao momento, interesse em rubricar um novo compromisso global.

O Reino Unido, que deixa a União Europeia no final do ano, está a considerar uma de duas opções: ceder aos pedidos crescentes para que um novo acordo seja assinado ou fortalecer o seu compromisso nos acordos já existentes para reduzir a poluição. Uma decisão que será tomada em breve por Zac Goldsmith, ministro do meio ambiente daquele país.

Os Estados Unidos, por outro lado, opuseram-se a um acordo internacional sobre resíduos de plástico durante toda a administração de Donald Trump e enfrentam, neste momento, a transição presidencial.

“O apoio a um tratado global para reduzir os resíduos de plásticos é uma ação crítica que o executivo de Joe Biden pode tomar para corrigir os erros da era Trump. Nos últimos quatro anos, temos encontrado oposição por parte da administração de Trump para abordar a redução dos resíduos de plástico, retardando o progresso e enfraquecendo os esforços internacionais”, disse Tim Gabriel, da Agência de Investigação Ambiental (EIA).

“Temos a esperança de que, com uma mudança na liderança no topo, os Estados Unidos se juntem aos seus aliados e apoiem um acordo internacional”, conclui.

A assembleia ambiental da ONU, que criou um grupo de trabalho sobre plásticos marítimos em 2017, concluiu que o quadro jurídico internacional que rege a poluição por plásticos, incluindo as convenções de Estocolmo e Basileia, é fragmentado e ineficaz.

Se nada for feito para mudar e as tendências atuais continuarem, o fluxo de plástico no oceano triplicará até 2040, tendo em conta que todos os anos são despejadas no mar 29 milhões de toneladas de resíduos plásticos – o equivalente a 50 kg por cada metro de linha costeira do mundo.

Além disso, todos os esforços feitos até agora para reduzir os resíduos de plástico devem diminuir apenas 7% desse volume, que se irá decompor em microplásticos e ser ingerido pela vida marinha.

Muitas organizações não governamentais acreditam que um acordo internacional é a única opção viável para lidar com o lixo de plástico e o modelo do novo acordo, elaborado pela EIA, envolve quatro pilares principais: controlar para examinar a extensão do problema, prevenir, coordenar e dar apoio técnico e financeiro (por exemplo, ajudar países em desenvolvimento).

Manter o status quo não é apenas insustentável, mas teria implicações catastróficas para o planeta Terra”, disse Christina Dixon, da EIA. “É, portanto, encorajador ver esta convergência crescente em torno de um acordo global e juridicamente vinculativo para combater a poluição causada pelo plástico“, concluiu.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Pela primeira vez, cientistas viram chimpanzés a matar gorilas

Investigadores testemunharam, pela primeira vez, chimpanzés e gorilas a lutar entre si, confrontos esses que provocaram a morte de alguns deles. De acordo com o site Science Alert, as duas disputas foram observadas no Parque Nacional …

Vírus com 15 mil anos descobertos no gelo do Planalto do Tibete

Cientistas que estudam glaciares encontraram vírus com quase 15 mil anos em duas amostras de gelo retiradas do Planalto do Tibete, na China. Muitos deles, que sobreviveram porque se mantiveram congelados, são diferentes de todos …

Leite sem lactose em laboratório (e com a ajuda de membranas de óxido de grafeno)

As membranas de óxido de grafeno (uma forma oxidada do material) têm sido muito estudadas para a dessalinização da água e separação de corantes, mas as suas propriedades podem não ficar por aqui. Uma equipa de …

Cientistas criam material de "auto-reparação" mais resistente do mundo (e é perfeito para ecrãs de telemóveis)

Investigadores do Instituto Indiano de Educação e Investigação Científica (IISER, na sigla em inglês) podem ter encontrado o material perfeito para fazer os ecrãs de smartphones: transparente, resistente e que a capacidade de se "auto-curar" …

"A bitcoin vai criar a paz mundial"

A rainha das moedas digitais, se não construir a paz no planeta, vai ajudar na pacificação entre os seres humanos. É a opinião de Jack Dorsey. É o centro de atenções de muitos investidores, é o …

"Burrolandia". Parque temático de burros no México está a tentar salvar estes animais

Um parque temático de burros no México serve de santuário a estes animais que estão aos poucos a desaparecer no país. "O burro ajudou o homem por muito tempo. É hora de retribuirmos o favor", …

Uma mão robótica que joga Super Mario Bros na Nintendo? Sim, existe

Uma equipa de investigadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, imprimiu em 3D peças para criar uma mão robótica capaz de jogar Super Mario Bros na Nintendo.  A mão robótica é totalmente montada com circuitos …

"Narco Drones" apanhados a entregar drogas numa prisão chilena

Reclusos e cúmplices no exterior estão a usar drones para contrabandear droga para a prisão mais antiga do Chile. As autoridades chilenas descobriram que o esquema de contrabando tinha como objetivo transportar drogas para a Ex …

Erupção do vulcão Etna causa problemas económicos na Sicília

Nos últimos meses, o vulcão Etna tem estado em constante erupção e o custo de limpeza das cinzas está a deixar muitas cidades da Sicília à beira da falência. O vulcão Etna – um dos mais …

Argentina cria documento de identidade para pessoas não binárias

O Presidente da Argentina anunciou, esta semana, que o país tem um novo documento de identidade para incluir pessoas não binárias. É o primeiro país da América Latina a fazê-lo. De acordo com o chefe de …