Resposta da Nova Zelândia à covid-19 foi tão eficaz que a taxa de mortalidade diminuiu

Um novo estudo mostra que a resposta da Nova Zelândia à pandemia da covid-19 foi tão eficaz que o país viu a sua taxa de mortalidade diminuir em relação a anos anteriores.

Ninguém pode negar que a Nova Zelândia foi um dos melhores exemplos no combate à covid-19. Até hoje, o país, no qual vivem cerca de cinco milhões de pessoas, registou pouco mais de dois mil casos e apenas 25 óbitos relacionados com a doença.

Mas agora, conta o site IFLScience, um novo estudo descobriu que a abordagem neozelandesa não só garantiu que a pandemia não fizesse muitos estragos, como também fez com que a taxa de mortalidade diminuísse.

É certo que a localização isolada da Nova Zelândia lhe oferece algumas vantagens quando se trata de controlar doenças infecciosas, porém, não nos podemos esquecer que este país também recebe muitos turistas, o que fez com que alguns casos de covid-19 lá chegassem antes de a ameaça ser ainda conhecida.

Mas o Governo respondeu com fortes restrições, limitando os movimentos ao essencial, até ter a certeza de que todos os casos eram dados como recuperados. O país também foi atingido por pequenos surtos, mas que também foram rapidamente eliminados.

Alguns Executivos tentaram seguir o exemplo, mas faltou-lhes a clareza e a compaixão com que a primeira-ministra Jacinda Ardern, entretanto reeleita com maioria absoluta, comunicava as decisões.

Na revista científica The Lancet, os cientistas do Instituto Médico da Nova Zelândia rastrearam o número total de mortes por semana, comparando cada uma delas com a média de 2015-2019. Durante os primeiros quatro meses de 2020, incluindo as primeiras cinco semanas de confinamento, a mortalidade foi semelhante aos anos anteriores.

Mas a partir de finais de abril, o país conseguiu ir ainda mais longe. A taxa de mortalidade caiu para níveis sem precedentes e permaneceu nesses valores pelo menos até finais de setembro, o último mês com dados disponíveis.

Segundo o mesmo site, o número total de mortes foi de 123,4 por milhão de habitantes por semana durante o confinamento e, depois disso, registou-se uma queda de 11% em relação aos anos anteriores.

Apesar deste período ser geralmente marcado por “um aumento da mortalidade devido a doenças como a gripe e a pneumonia”, os autores do estudo notam que, possivelmente, as mesmas medidas que impediram as pessoas de contrair covid-19 também reduziram a transmissão dessas doenças.

Além disso, os investigadores consideram que como as pessoas também estiveram mais por casa, causas de morte como “acidentes rodoviários, poluição do ar e complicações pós-cirúrgicas” também terão diminuído.

Filipa Mesquita Filipa Mesquita, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A-Na maioria dos países europeus (ex. Alemanha e Inglaterra), o critério da prioridade de vacinação contra o Covid é o seguinte: 1º- Maiores de 80 anos; 2º- Maiores de 75 anos; 3º- Maiores de 70 anos; 4º- Maiores de 65 anos e Profissionais da Saúde, ligados à Covid; 5º- Maiores de 60 anos + Profissionais da Saúde não ligados à Covid, e Forças de Segurança e Bombeiros; etc etc
    B-Em Portugal foi ao contrário. Começaram com todos os Profissionais da Saúde, e escolheram como exemplo para a TV, um médico de 65 anos. Mas vimos nas reportagens, que os restantes vacinados na mesma altura, tinham 25, 30 ou 35 anos.
    C-Eu tenho 82 anos. Atiram-me lá para depois de Abril…
    D-Enfim, é o país que temos.

Responder a Eu! Cancelar resposta

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …

Milhares fugiram, mas Sakae Kato ficou. O homem que salva gatos abandonados em Fukushima há 10 anos

Durante a última década, um homem em Fukushima, no Japão, tem salvado todos os gatos na área abandonada de onde milhares de pessoas fugiram durante o desastre da central nuclear - e ainda continua a …