Museu de Nova Iorque devolve ao Egito “caixão dourado” roubado em 2011

O Museu Metropolitan (MET) de Nova Iorque vai devolver ao Egito um sarcófago roubado em 2011, durante as manifestações da chamada “Primavera Árabe”, anunciou este domingo a instituição nova-iorquina.

Construído em ouro para o sacerdote Nedjemankh, no primeiro século antes de Cristo, o sarcófago era o núcleo da exposição “Nedjemankh and His Gilded Coffin” (“Nedjemankh e o seu Caixão Dourado”), inaugurada no museu, no passado mês de julho, e que devia manter-se aberta ao público até abril.

O museu anunciou, porém, na sexta-feira que ia fechar a exposição e emitiu um comunicado em que afirma ter entregado o sarcófago ao Gabinete do Procurador de Manhattan, por ter descoberto tratar-se de um objeto “roubado no Egito em 2011”. As autoridades judiciais deverão proceder agora à devolução do sarcófago ao Egito.

Responsáveis do MET disseram ao jornal norte-americano The New York Times que o sarcófago tinha sido adquirido em 2017, por quatro milhões de dólares (cerca de 3,5 milhões de euros) a um negociante de arte em Paris, e que só “nos últimos meses” tiveram conhecimento da sua proveniência. O Ministério Público nova-iorquino descobriu que eram falsos os documentos que acompanhavam o sarcófago, nomeadamente uma suposta licença de exportação datada de 1971.

Pedimos desculpa ao ministro [egípcio das Antiguidades], Khaled El-Enany, e ao povo do Egito (…). Estamos agora empenhados em repor a justiça, e em ajudar a prevenir futuras violações de bens culturais”, disse o presidente da museu, Daniel Weiss, citado no comunicado da instituição.

Numa nota publicada na sua página oficial de Facebook, o Ministério das Antiguidades do Egito congratula-se por recuperar o “caixão arqueológico”, dando conta que se trata de um sarcófago feito de madeira e coberto com ouro. “Um pedaço valioso”, pode ler-se.

Roubo em confrontos contra Mubarak

O sarcófago terá sido roubado em janeiro de 2011, durante o assalto ao Museu Egípcio, no Cairo, quando se verificaram confrontos entre as forças de segurança e manifestantes na praça Tahrir, que exigiam a saída do ex-presidente Hosni Mubarak.

Entre as peças roubadas encontravam-se também objetos do túmulo de Tutankhamon, que viriam a ser recuperados. O Museu fica junto à Praça Tahrir, ponto central dos protestos que se prolongaram por 18 dias e levaram à renúncia do presidente Mubarak.

Em 2015, no âmbito da operação “Maldição da Múmia”, lançada por autoridades norte-americanas, o Egito conseguiu recuperar 135 peças do seu património histórico, a maioria roubadas em museus do país. Na altura, o ministério das Antiguidades do Cairo, anunciou também ter também conseguido reaver 240 peças localizadas em França.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …