//

“Neve sangrenta” está a cair do céu na Antártida

3

Ministry of Education and Science of Ukraine / Facebook

Nas últimas semanas, o gelo em redor da Base de Pesquisa Vernadsky da Ucrânia foi revestida com o que os investigadores chamam de “neve de framboesa”.

Uma publicação no Facebook do Ministério da Educação e Ciência da Ucrânia mostra a cena em detalhes: faixas de vermelho e cor-de-rosa a cortar as bordas dos glaciares a acumular-se nas planícies geladas.

Уже кілька тижнів українська антарктична станція «Академік Вернадський» оточена… малиновим снігом! Звідки він та чому…

Publicado por Міністерство освіти і науки України em Segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Este fenómeno, que Aristóteles notou no século III a.C, também é conhecido como “neve de melancia” ou “neve de sangue”.

A neve é, na verdade, um tipo de alga pigmentada de vermelho chamada Chlamydomonas Chlamydomonas nivalis, que se esconde em campos de neve e montanhas em todo o mundo. As algas prosperam na água gelada e passam os invernos adormecidos na neve e no gelo. Quando o verão chega e a neve derrete, as algas florescem, espalhando esporos vermelhos e parecidos com flores.

A cor vermelha do fenómeno vem dos carotenóides – os pigmentos que tornam as abóboras e as cenouras alaranjadas – nos cloroplastos das algas. Estes pigmentos também absorvem o calor e protegem as algas da luz ultravioleta, permitindo que os organismos se deleitem com os nutrientes do sol do verão sem risco de mutações genéticas.

Apesar de ser bom para as algas, não é bom para o gelo. De acordo com os investigadores ucranianos, estas flores podem facilmente desencadear um ciclo descontrolado de aquecimento e derretimento.

Quanto mais calor as algas absorvem, mais rápido o gelo em redor derrete. Quanto mais gelo derreter, mais rápido as algas se podem espalhar. Isto leva a mais aquecimento, mais derretimento e mais proliferação de algas.

Outros processos semelhantes estão a provocar florações de algas mais extremas nos oceanos em todo o mundo, resultando em cenas como uma invasão de espuma do mar na Espanha e “lágrimas” bioluminescentes e azuis agarradas às costas da China.

  ZAP //

3 Comments

  1. Essa alga vai causar problemas, ao alterar o albedo natural da neve, diminuindo-o, vai contribuir para o acelerar do degelo.

  2. Penso que em vez de “NEVE SANGRENTA” entre aspas, O que deveria estar entre aspas era “ESTÁ A CAIR DO CÉU”.

    A neve é, na verdade, um tipo de alga pigmentada de vermelho? NÃO! A neve é neve, está é contaminada por uma alga vermelha!

  3. O que me parece a mim é que tudo isso é poluição atmosférica concentrada na neve e que com ela cai.
    Acontece aqui à minha porta com esta pouca chuva que tem caído “isto é uma aldeia” e verifico que existem possas de água que em seu redor têm uma camada de tipo espuma concentrada e amarelada que eu próprio me interrogo de onde vem, acontece geralmente nesta altura, o ano passado cheguei à conclusão que tal poderia vir da flor dos pinheiros mas este ano como praticamente quase todos foram cortados aqui à volta, fico cada vez mais na duvida se não virá de poluição industrial acumulada nas nuvens.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.