Neurocirurgia do Hospital de São João deixa os contentores ao fim de 12 anos

O novo serviço de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, está a funcionar desde este sábado.

Ao fim de 12 anos, os serviços de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, deixaram de funcionar em contentores. As obras no oitavo piso da instituição de saúde, que tiveram como objetivo aumentar as condições de conforto, segurança e privacidade dos doentes, duraram 12 anos e tiveram um custo de 2,6 milhões de euros.

Ao longo de mais de uma década, o serviço funcionou em contentores. “A sensação é de missão cumprida”, disse Rui Vaz, diretor de Neurocirurgia do hospital, de acordo com a notícia avançada esta manhã pelo Jornal de Notícias. Isabel Dias, enfermeira-chefe da unidade, acrescentou que “os profissionais que trabalharam naquelas circunstâncias foram super-heróis”

Todos os anos são operadas cerca de 1.500 pessoas à coluna no Serviço de Neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto. A valência foi distinguida como Centro de Excelência na cirurgia da coluna pela EuroSpine – entidade europeia da especialidade. O serviço é agora um dos dez centros europeus com a distinção e o único em Portugal.

No hospital que está no epicentro de uma polémica devido às condições precárias da ala de pediatria, este era outro serviço no qual quem lá trabalhava classificava como “deploráveis as condições em que os doentes são tratados”, devido às infraestruturas.

Este é o cenário que Rui Vaz descreveu ao Público em abril do ano passado e que se andava a repetir há anos: a falta de segurança e de conforto, os riscos de infecção e a consequente desmotivação de uma equipa “altamente diferenciada”.

“As condições de assepsia estão muito longe do que deve ser. Tenho condições de conforto e de segurança que são completamente inaceitáveis. Com os doentes metidos numa ponta de uma enfermaria, se tiver uma emergência, não chego lá”, descreve o diretor de um serviço que tem 44 camas para internamento e no qual em são operadas 1400 pessoas por ano com tumores cerebrais, traumatismos cranioencefálicos, patologias de coluna, rutura de aneurisma ou outras patologias neurológicas, como a doença de Parkinson, por exemplo.

Os médicos não tinham “um espaço para comunicar uma má notícia, não têm onde falar com um familiar”. A falta de uma sala de pensos levava a que a enfermeira-chefe cedesse o seu gabinete para que se façam curativos.

Em 2017, segundo dados do Gabinete do Cidadão do hospital, foram registadas 93 reclamações e sugestões sobre infraestruturas e amenidades.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Libertadores. Jesus veta acesso de funcionários do Flamengo ao derradeiro treino

Escreve a imprensa brasileira que Jorge Jesus vetou o acesso de funcionários do Flamengo ao derradeiro treino que antecede o jogo com o Grémio para a Libertadores, que vai decidir um dos finalistas da competição. …

Caso do bebé sem rosto. Médico suspenso não viu que menina tinha duas vaginas, um rim e espinha bífida

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos suspendeu preventivamente o obstetra envolvido no caso do bebé que nasceu, em Setúbal, com malformações graves. Entretanto, surgem novos dados sobre suspeitas atribuídas ao médico noutros …

Rede de imigração ilegal no SEF. Denúncias de corrupção eram antigas, mas ficaram na gaveta

A inspectora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que foi detida nesta semana, por pertencer alegadamente a uma rede de imigração ilegal, já tinha sido identificada num inquérito interno desta entidade, devido às mesmas …

Bancos querem passar a cobrar por grandes depósitos. Particulares escapam

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos defendem que é preciso cobrar aos grandes clientes por depósitos de grande dimensão. Particulares e pequenas e médias empresas escapariam desta medida. A ideia foi lançada pelo …

Filho de Bolsonaro já não vai ser embaixador em Washington

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, anunciou na terça-feira, na Câmara dos Deputados, que desistiu da sua indicação para embaixador do país em Washington, nos Estados Unidos (EUA). Na véspera, Jair Bolsonaro, que …

OE2020. Catarina Martins critica chantagem da Comissão Europeia a cada ano

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou esta terça-feira a chantagem da Comissão Europeia em relação a Portugal repetida a cada legislatura e a cada ano, reiterando a disponibilidade "para negociar um Orçamento do Estado …

Maior parte das escolas não cumprem lei de 2009 sobre a educação sexual

Grande parte das escolas não está a cumprir a lei de 2009 que define como deve ser dada a educação sexual no ensino obrigatório, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. A conclusão surge num relatório …

Pouco poder, mas algum. Deputados únicos podem desencadear revisão da Constituição

Os deputados únicos não têm poder para pedir a votação do programa de Governo, ao contrário dos grupos parlamentares, nem podem sozinhos censurar o Executivo, mas podem desencadear, como qualquer parlamentar, um processo de revisão …

Funcionários públicos esperam entre 100 e 280 dias para se poderem reformar. Processo pode ser acompanhado online

A atribuição das novas pensões de reforma aos funcionários públicos está a demorar, em média, entre 100 a 280 dias - ou seja, entre três e mais de nove meses. A revelação foi feita esta terça-feira, …

"Onde está o Varandas?". Claques não faltaram à vitória do Sporting em hóquei em patins

Apesar das quebras de protocolos, Juventude Leonina e Diretivo Ultras XXI marcaram presença no jogo desta terça-feira de hóquei em patins entre o Sporting e a Oliveirense. Na noite desta terça-feira, o Pavilhão João Rocha foi …