Com o aumento dos casos de covid-19, o Nepal pede ajuda urgente com vacinas

O número de casos no Nepal continua a aumentar a olhos vistos. Como tal, o pequeno país está a pedir ajuda internacional urgente com vacinas contra a covid-19.

O Nepal tem atualmente uma das maiores taxas de reprodução viral de covid-19 do mundo. A situação é terrível: relatórios indicam que o Nepal tem um número consistentemente maior de casos de covid-19 por milhão do que a Índia.

Em meados de julho, o número de novos casos pode chegar a 800.000, entre uma população de 30 milhões, com um número de mortos previsto de 40.000.



No mês passado, o Ministério da Saúde do Nepal disse: “Como os casos de coronavírus aumentaram além da capacidade do sistema de saúde e os hospitais ficaram sem camas, a situação é incontrolável”. O ministério também disse que não tinha mais vacinas.

Apenas 2% da população do Nepal está totalmente vacinada. Quase dois milhões de nepaleses receberam a sua primeira dose da vacina AstraZeneca. Porém, com a paralisação das exportações de vacinas da Índia, a maioria não teve acesso a uma segunda dose. Esta escassez de vacinas no Nepal tem implicações epidemiológicas globais, como a possibilidade de mutações do vírus que podem espalhar-se rapidamente.

A capacidade de cuidar de pessoas que sofrem de covid-19 no Nepal é severamente limitada, com cerca de 1.500 camas de cuidados intensivos e pouco mais 800 ventiladores no país. O terreno montanhoso na maioria do país, aliado à falta de infraestruturas, marginalização política e pobreza agravam os impactos das doenças infecciosas.

A distribuição de vacinas para o Nepal deve ajudar a mitigar a exigente crise do país e ajudar a nivelar a curva no Sul da Ásia.

As desigualdades aumentam

À medida que a América do Norte e a Europa voltam a ter uma vida normal, o perigo de criar e manter um “apartheid de vacinas” é muito real.

Na semana passada, num passo positivo para inverter a situação, o presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu 20 milhões de doses da vacina adicionais para compartilhar com o resto do mundo. No entanto, o Nepal não foi identificado como uma prioridade.

Em 1816, durante a pandemia global de varíola, o rei do Nepal, Girvan Yuddha Bikram Shah, sucumbiu à doença. Embora na época o Nepal, com a ajuda da Índia e da Grã-Bretanha, estivesse na vanguarda dos esforços globais de vacinas, o acesso às vacinas para proteger os seus cidadãos permanecia ilusório.

Hoje, como na altura, as desigualdades estruturais são exacerbadas pela pandemia. Hoje, como na altura, o Nepal está à mercê de poderosos atores globais e enfrenta uma catástrofe humanitária desesperada.

Como na Índia, o Nepal teve uma escassez do fornecimento de oxigénio para aqueles que ficaram gravemente doentes. As taxas do vírus descem ladeiras íngremes de desigualdade, impactadas por fatores socioestruturais como etnia, classe, casta, geografia e género que se confundem com as políticas públicas de saúde.

O Nepal ilustra nitidamente como essas diferenças exacerbadas por uma pandemia podem levar a epidemias sinérgicas, ou “sindemias”.

Sistemas prontos para distribuir vacinas

O Nepal é especialmente adequado para a ajuda com vacinas. O país demonstrou o sucesso da implementação de um programa de vacinação contra a covid-19, mesmo nalgumas de suas regiões mais remotas.

Se o Governo Biden e os seus aliados derem prioridade ao Nepal para as vacinas, há evidências de que o Nepal poderia distribuí-las de maneira eficiente e eficaz. O país tem um histórico de iniciativas nacionais de vacinação e uma infraestrutura de saúde pública capaz de chegar à sua população.

Essa infraestrutura não se limita às cidades nem depende de tecnologias complexas; em vez disso, é ancorada por pessoas e enraizada em lugares, culturas e idiomas de maneiras que podem aliviar a hesitação da vacina e disseminar conhecimento de saúde pública.

Recomendações de distanciamento físico, isolamento e medidas abrangentes de confinamento são inaplicáveis em países como o Nepal, onde muitas pessoas vivem em proximidade e precisam de sair de casa para trabalhar e comer.

A crise que está a desenrolar-se no Nepal e no sul asiático representa um imperativo para a comunidade global fornecer ajuda com vacinas. É também um apelo ao reconhecimento do trabalho das infraestruturas de saúde pública em locais como o Nepal. Esse reconhecimento pode ser fundamental para acabar com o apartheid da saúde global.

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …

"Dança quem está na roda", responde Marcelo sobre ausência de Bolsonaro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que "dança quem está na roda" quando questionado pelos jornalistas sobre a ausência do homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, da cerimónia de reinauguração do Museu …

Todos os anos, esta cidade italiana entrega sal ao Papa em mãos

O Sal de Cervia, também conhecido como "sal do Papa", é-lhe entregue todos os anos em mãos. A tradição sofreu algumas interrupções até ter sido recuperada pelo Bispo Mario Marini, que serviu no Pontificado de …

A colisão secreta entre navios soviéticos e britânicos podia ter tido um desfecho drástico

Colisão aconteceu durante um dos períodos mais quentes da Guerra Fria e foi camuflado pela marinha britânica, que tratou de fazer regressar a sua embarcação à base de Devonport durante a noite para evitar dar …

Esta garrafa de tequila demorou seis anos para ser desenvolvida (e contém ouro)

A Clase Azul Spirits é uma empresa que comercializa tequila e está a preparar uma edição limitada para homenagear o legado artesanal do México - de onde a bebida é originária. A 2 de agosto, a …

Covid-19. Milhares de franceses protestam contra passe sanitário

Milhares de pessoas concentraram-se este sábado em Paris para protestar contra o passe sanitário — certificado de vacinação contra a covid-19 que passa a ser obrigatório para entrar em vários locais —, tendo a polícia …

"Toque de Midas" científico. Químicos transformam água purificada em metal dourado

Esta nova descoberta ajuda a entender o estado de transição da água e pode vir a ser importante no estudo de planetas como Neptuno ou Urano. Numa experiência alucinante, cientistas conseguiram transformar água purificada num metal …