“Nenhuma greve resultou de qualquer medida adotada por este Governo”

Paulo Novais / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou que nenhuma das greves decretadas por diferentes setores profissionais resulta de decisões tomadas pelo seu Governo e todas surgiram em consequência de medidas postas em prática por anteriores executivos.

O primeiro-ministro António Costa respondia a questões dos jornalistas no final de uma visita ao Hospital de São José, em Lisboa, depois de interrogado sobre como vai o Governo reagir à greve decretada pelo Sindepor (Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal) entre 2 e 30 de abril.

Tendo ao seu lado a ministra da Saúde, Marta Temido, o líder do executivo começou por desdramatizar e alegou que o direito à greve “é obviamente legítimo e cada um exerce-o nos termos que pretende exercer”.

“Até agora não houve uma única greve que tenha resultado de qualquer medida adotada por este Governo. As greves têm existido em diversos setores, mas resultam de decisões tomadas por governos anteriores“, sustentou.

De acordo com o primeiro-ministro, as greves têm em comum a “ambição legítima que as pessoas têm de poderem ir mais depressa e mais longe”.

“Compreendo essas ambições, mas nós vamos ao ritmo que nos propusemos, fazendo aquilo com que nos comprometemos fazer e que iremos continuar a fazer. Temos de fazer aquilo que prometemos e não aquilo que não prometemos. Quando assumimos os compromissos medimos tudo bem para sabermos o que podíamos fazer e não fazer”, argumentou o líder do executivo.

Ainda sobre a questão das greves, Costa afirmou que reage a elas com “um sentimento misto, porque ainda há três anos consideravam-se irrealistas os compromissos assumidos pelo Governo”.

“Agora, três anos depois, muitos acham que afinal podíamos ir mais longe do que os compromissos que assumimos. Cá por mim, prefiro manter-me na confiança de cumprir tudo aquilo que o Governo se comprometeu e não dar nenhum passo que coloque em causa a irreversibilidade do que já foi alcançado”, advertiu.

“A função do primeiro-ministro não é atenuar efeitos de uma greve, mas, antes, governar o Serviço Nacional de Saúde (SNS) com os recursos que tem”.

“Relativamente a todos os profissionais, fizemos tudo aquilo que estava no programa do Governo e até fomos um bocadinho mais longe”, disse, antes de citar como exemplos “a reposição dos vencimentos, do horário [de 35 horas semanais] e do subsídio para enfermeiro especialista”.

“Já anunciámos que iremos restaurar uma carreira que, além da categoria de enfermeiro, tenha a de enfermeiro especialista e de enfermeiro gestor e já está um novo concurso aberto para a contratação de mais 500 enfermeiros para o SNS. Mas, não me compete governar os sindicatos. Os sindicatos têm a avaliação deles e a estratégia deles”, alegou.

Neste contexto, António Costa insistiu num dos princípios políticos do seu executivo: “A função de um Governo não é impedir greves, mas assegurar que o SNS está cada vez em melhores condições de cumprir a sua função”.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro afirmou ainda que o dinheiro do Estado não pode apenas ser investido nas melhorias salariais dos profissionais dentro do sistema, reiterando a necessidade de investir em recursos humanos, equipamentos e melhores instalações.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Se quer um coração saudável, desligue a televisão e tome um bom pequeno-almoço

É conhecida como a refeição mais importante do dia e não é por acaso. Os hábitos de vida que seguimos diariamente têm um impacto direto na nossa saúde vascular. Numa investigação recentemente apresentada na reunião anual …

Determinada temperatura das bebidas que aumenta risco de cancro

Cientistas da Universidade de Ciências Médicas de Teerão publicaram novas provas sobre a relação entre o consumo de bebidas quentes e o cancro do esófago. De acordo com o estudo publicado na revista International Journal of …

Descobertos 83 buracos negros supermassivos no Universo inicial

Astrónomos do Japão, de Taiwan e dos EUA descobriram 83 quasares alimentados por buracos negros supermassivos no universo distante, numa época em que o Universo tinha menos de 10% da sua idade atual. "É notável que …

Joy Milne consegue cheirar a doença de Parkinson antes de ser diagnosticada

Atualmente, não existe nenhum teste diagnóstico definitivo para o Parkinson, mas isso pode mudar graças a Joy Milne, uma mulher que consegue detetar a doença antes que os sintomas apareçam. Parece demasiado bizarro para ser verdade, …

Filho de José Eduardo dos Santos libertado da prisão. Estava preso desde setembro de 2018

O antigo presidente do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos, que se encontrava em prisão preventiva desde 24 de setembro de 2018, encontra-se já em liberdade, disse hoje à agência Lusa fonte oficial. A …

Naufrágio no Nilo é a primeira prova de que Heródoto não estava a mentir sobre os barcos egípcios

Um navio naufragado encontrado no rio Nilo pode ter permanecido inalterado durante mais de 2.500 anos. Agora, está finalmente a revelar os seus segredos: cientistas pensam que este navio revelou uma estrutura cuja existência tem …

A gravidade influencia a maneira como tomamos decisões

Todo e qualquer organismo vivo na Terra evoluiu a longo de milhares de anos sob um campo gravitacional constante, com a gravidade desempenhando um papel fundamental no comportamento e na cognição humana. Um estudo recente publicado …

"Atentado" na Disneyland Paris era apenas uma avaria nas escadas rolantes

Por volta das 21h00 em Paris, produziu-se um movimento de pânico na Disney Village, no parque de diversões francês da Disney. Rapidamente se multiplicaram mensagens sobre um "atentado". Ao jornal belga DH, uma fonte afirmou que …

Cientistas alargam limites físicos do grafeno

Até onde vão os limites físicos do grafeno? Uma equipa de cientistas do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), em Braga, respondeu a esta questão e desafiou-os. Uma equipa de investigadores dos Departamentos de Materiais Quânticos …

Ilusionista britânico diz que vai travar o Brexit com o poder da mente

Uri Geller é um ilusionista israelista, com nacionalidade britânica, que se tornou famoso nos anos 1970 em programas de televisão em que realizava demonstrações dos seus alegados poderes paranormais. Agora, Geller deixa um aviso a Theresa …