/

Negócio entre FC Porto e Altice rendeu 20 milhões de euros a trio de empresários

(dr) Luís Vieira

Alexandre e Jorge Nuno Pinto da Costa

Bruno Macedo, Pedro Pinho e Alexandre Pinto da Costa receberam 20 milhões de euros em comissões do acordo com a Altice relativo às transmissões televisivas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O Ministério Público está a investigar o acordo das transmissões televisivas celebrado entre o FC Porto e a Altice, que rendeu 20 milhões de euros em comissões a três empresários: Bruno Macedo, Pedro Pinho e Alexandre Pinto da Costa.

De acordo com o Correio da Manhã, Bruno Macedo ficou com 10 milhões de euros, enquanto Pedro Pinho e Alexandre Pinto da Costa repartiram outro tanto.

O negócio em causa, no valor de 500 milhões de euros, foi intermediado pela empresa de Bruno Macedo, arguido da operação Cartão Vermelho.

No centro das suspeitas está um triângulo entre estes empresários, que seriam testas-de-ferro de Pinto da Costa para o recebimento de comissões de negócios ligados ao FC Porto.

“Indicia-se que o último contrato seja simulado, de forma a Bruno Macedo repartir os ganhos resultantes do contrato celebrado com a Altice (…), havendo fortes indícios de que os dez milhões de euros a faturar pela PESARP à BM Consulting seriam para dividir pelo menos entre os suspeitos Pedro Pinho e Alexandre Pinto da Costa”, lê-se no mandado judicial consultado pelo jornal.

O Ministério Público levou a cabo uma megaoperação de buscas para “identificar todas as entidades pessoais e societárias que possam ter sido utilizadas para receber os fundos indevidos” e “apurar as reais receitas alcançadas e despesas efetivamente realizadas, verificando da conformidade com os manifestos fiscais”.

Segundo consta dos despachos relativos aos mandados de buscas recentemente realizadas nas instalações do clube e em casa do presidente Pinto da Costa, o Ministério Público está também a investigar o FC Porto por entregas de dinheiro a pessoas com alegada “capacidade de influenciar a sorte dos resultados desportivos”.

O Ministério Público acredita que o FC Porto usava o dinheiro gerado pelo esquema de comissões alegadamente concebido por Pinto da Costa e Pedro Pinho para desviar dinheiro da SAD do FC Porto não só em benefício próprio mas também para pagar a pessoas “que podiam alterar resultados a favor do clube”.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.