NASA abre vaga para “protetor da Terra” contra ameaça de extraterrestres

(CC0/PD) Comfreak / pixabay

A principal ameaça são, na verdade, os humanos

A agência espacial norte-americana está à procura de um novo “protetor planetário” com a tarefa de defender a Terra contra ameaças de extraterrestres. Mais especificamente, a principal preocupação do trabalho é evitar a “contaminação biológica da exploração espacial por homens e robôs”.

Esta contaminação aplica-se tanto às naves espaciais que regressem à Terra como ao risco que humanos contaminem outros planetas – e a NASA oferece um bom salário anual, entre os 124 mil e os 187 mil dólares.

As vagas foram abertas a cidadãos americanos em julho e as pessoas podem candidatar-se até meados de agosto. Mas a ideia não é nova. O acordo internacional da ONU sobre exploração espacial, assinado em 1967, pedia que as potenciais nações espaciais tivessem cuidado com os contaminantes.

Entre os objetivos do Escritório de Proteção Planetária da NASA, está o de manter os outros mundos “no seu estado natural” e “tomar precauções para proteger a biosfera da Terra no caso de existir vida noutros lugares”.

A ideia de contaminação indesejada por extraterrestres é muito comum nos filmes e livros de ficção científica. A atual ocupante do cargo, Catharine Conley, disse em 2015 ao New York Times que recebeu óculos escuros ao estilo dos filmes “Man in Black” no seu primeiro dia no trabalho, mas que a principal ameaça é, na verdade, os humanos.

“Se estamos à procura de vida em Marte, seria mau levar a vida da Terra para lá e acabar por encontrar isso no planeta”, disse ao jornal americano.

As grandes responsabilidades podem explicar o salário generoso – mas as qualificações exigidas são complexas. Além de ter um “conhecimento avançado sobre proteção do planeta”, o candidato precisa de ter experiência em “programas espaciais de importância nacional” e uma formação em física, engenharia ou matemática. E o trabalho exige que o candidato consiga trabalhar sob o mais alto nível de sigilo.

A NASA leva a proteção planetária tão a sério que vai destruir a nave Cassini, que orbita Saturno – para que não contamine outro planeta depois da sua missão. Foi o mesmo que a agência espacial fez com a Gallileo, que orbitou Júpiter até 2003.

Mas se em décadas passadas havia quem receasse o risco de um sonda espacial trazer para a Terra um potencial vírus mortal que devastasse a vida no nosso planeta, e embora tal seja algo que mereça consideração, as preocupações actuais prendem-se mais com a a possibilidade de ser afinal a Terra a contaminar o Universo.

As sondas são normalmente enviadas com bilhete só de “ida” e nunca regressarão – o que coloca a preocupação em como evitar que não sejamos nós a contaminar o alvo de interesse que se deseja estudar.

Recentemente, a questão da limpeza e descontaminação das naves espaciais esteve em debate, depois de o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, se ter encostado a uma peça de equipamento da NASA – apesar do enorme aviso de “não tocar”.

A peça será usada na nave Orion, que está a ser construída para transportar astronautas à Lua, a Marte e a asteróides. Para garantir que o toque do vice-presidente norte-americano não a contaminou, a NASA garantiu que a superfície do equipamento será limpa antes de ser enviada ao espaço.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Nazismo e comunismo classificados em pé de igualdade pelo Parlamento Europeu

No passado dia 19 de setembro, a União Europeia colocou comunismo e nazismo em pé de igualdade, depois de aprovar no Parlamento Europeu uma resolução condenando ambos os regimes por terem cometido "genocídios e deportações …

Conselho da Europa teme que polícia de Malta tenha “recusado provas” no caso da jornalista assassinada

Daphne Galizia era jornalista, acompanhava casos de corrupção no país e foi assassinada há dois anos. Pieter Omtzigt, relator do Conselho da Europa responsável pelo caso, diz que a abordagem da polícia e dos …

Itália quer mudar sede da final da Liga dos Campeões

A Itália quer que a final da Liga dos Campeões deste ano, marcada para o Estádio Olímpico Atatürk Olympic, mude de sede. Os últimos dias não têm sido fáceis para a UEFA. Depois dos incidentes racistas …

CNN coloca broa portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo

A propósito das celebrações do Dia Mundial do Pão, que se celebra esta quarta-feira, a CNN fez uma lista com os 50 melhores pães do mundo e um deles é a broa portuguesa. A broa conhecida …

CP lança nova campanha: Lisboa-Porto por cinco euros e mais descontos até 80%

Há 10.300 bilhetes a custos muito reduzidos, anunciou a CP – Comboios de Portugal esta terça-feira. A nova campanha garante viagens nos comboios de longo curso Alfa Pendular e Intercidades “com 80% de desconto”, abrangendo …

"Níveis recorde". Glaciares suíços perderam 10% do seu volume nos últimos cinco anos

Os glaciares suíços perderam 10% do volume nos últimos cinco anos, a maior redução em cem anos, alertou esta terça-feira a Academia Suíça das Ciências. A Academia baseia-se nas medições feitas pelos peritos do painel intergovernamental …

Caso BPN. Relação condena dois dos absolvidos e agrava penas a outros dois

O Tribunal da Relação de Lisboa condenou esta quarta-feira dois dos três arguidos absolvidos no processo principal da falência do BPN, Ricardo Oliveira e Filipe Nascimento, e agravou as penas a dois dos 12 arguidos …

Operação Éter. Hermínio Loureiro entre as dezenas de autarcas arguidos

Hermínio Loureiro, ex-presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, está entre as dezenas de atuais e antigos autarcas que foram constituídos arguidos no âmbito da Operação Éter. Este processo levou à prisão preventiva do antigo presidente …

Proteção Civil quer que bombeiros voltem a ser obrigados a usar cinto de segurança

A estrada mata mais bombeiros do que os incêndios. Por isso, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil criou um grupo específico para analisar o problema. Rui Ângelo, chefe da Divisão de Segurança, Saúde e …

Estratégia prevê rede de bancos de leite materno e revisão das licenças para amamentar

A ENALCP apresentada esta quarta-feira prevê a criação de uma rede nacional de bancos de leite materno e a revisão dos diretos de parentalidade. Ambientes favoráveis deverão ser também revistos. A Estratégia Nacional para a Alimentação …