NASA abre vaga para “protetor da Terra” contra ameaça de extraterrestres

(CC0/PD) Comfreak / pixabay

A principal ameaça são, na verdade, os humanos

A agência espacial norte-americana está à procura de um novo “protetor planetário” com a tarefa de defender a Terra contra ameaças de extraterrestres. Mais especificamente, a principal preocupação do trabalho é evitar a “contaminação biológica da exploração espacial por homens e robôs”.

Esta contaminação aplica-se tanto às naves espaciais que regressem à Terra como ao risco que humanos contaminem outros planetas – e a NASA oferece um bom salário anual, entre os 124 mil e os 187 mil dólares.

As vagas foram abertas a cidadãos americanos em julho e as pessoas podem candidatar-se até meados de agosto. Mas a ideia não é nova. O acordo internacional da ONU sobre exploração espacial, assinado em 1967, pedia que as potenciais nações espaciais tivessem cuidado com os contaminantes.

Entre os objetivos do Escritório de Proteção Planetária da NASA, está o de manter os outros mundos “no seu estado natural” e “tomar precauções para proteger a biosfera da Terra no caso de existir vida noutros lugares”.

A ideia de contaminação indesejada por extraterrestres é muito comum nos filmes e livros de ficção científica. A atual ocupante do cargo, Catharine Conley, disse em 2015 ao New York Times que recebeu óculos escuros ao estilo dos filmes “Man in Black” no seu primeiro dia no trabalho, mas que a principal ameaça é, na verdade, os humanos.

“Se estamos à procura de vida em Marte, seria mau levar a vida da Terra para lá e acabar por encontrar isso no planeta”, disse ao jornal americano.

As grandes responsabilidades podem explicar o salário generoso – mas as qualificações exigidas são complexas. Além de ter um “conhecimento avançado sobre proteção do planeta”, o candidato precisa de ter experiência em “programas espaciais de importância nacional” e uma formação em física, engenharia ou matemática. E o trabalho exige que o candidato consiga trabalhar sob o mais alto nível de sigilo.

A NASA leva a proteção planetária tão a sério que vai destruir a nave Cassini, que orbita Saturno – para que não contamine outro planeta depois da sua missão. Foi o mesmo que a agência espacial fez com a Gallileo, que orbitou Júpiter até 2003.

Mas se em décadas passadas havia quem receasse o risco de um sonda espacial trazer para a Terra um potencial vírus mortal que devastasse a vida no nosso planeta, e embora tal seja algo que mereça consideração, as preocupações actuais prendem-se mais com a a possibilidade de ser afinal a Terra a contaminar o Universo.

As sondas são normalmente enviadas com bilhete só de “ida” e nunca regressarão – o que coloca a preocupação em como evitar que não sejamos nós a contaminar o alvo de interesse que se deseja estudar.

Recentemente, a questão da limpeza e descontaminação das naves espaciais esteve em debate, depois de o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, se ter encostado a uma peça de equipamento da NASA – apesar do enorme aviso de “não tocar”.

A peça será usada na nave Orion, que está a ser construída para transportar astronautas à Lua, a Marte e a asteróides. Para garantir que o toque do vice-presidente norte-americano não a contaminou, a NASA garantiu que a superfície do equipamento será limpa antes de ser enviada ao espaço.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Morreu Rogério "Pipi", histórico jogador do Benfica

O ex-futebolista internacional português, que se evidenciou ao serviço do Benfica nas décadas de 40 e 50 do século passado, morreu este domingo, um dia depois de completar 97 anos. "Foi com profunda tristeza e pesar …

Milhares de manifestantes voltam às ruas de Hong Kong

A polícia de Hong Kong deteve, este domingo, onze pessoas e apreendeu várias armas, incluindo uma pistola, pouco antes do início de uma manifestação convocada para a cidade, para a qual se espera uma forte …

Irão e Estados Unidos trocam prisioneiros

Irão e Estados Unidos realizaram, este sábado, uma troca de prisioneiros que envolveu a troca de um investigador sino-americano por um cientista iraniano detido pelos EUA, num avanço diplomático que surge após meses de tensão …

Coreia do Norte anuncia "teste muito importante" em local de lançamento de mísseis

A Coreia do Norte anunciou ter realizado um "teste muito importante" no local de lançamento de mísseis de longo alcance, defendendo que terá um efeito fundamental na futura posição estratégica do país. A Agência Central de …

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …