Nadia e Lamiya querem que o Daesh responda por crime de genocídio

Patrick Seeger / EPA

As iraquianas yazidis Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar, antigas escravas sexuais do Daesh, venceram o Prémio Sakharov 2016

As iraquianas yazidis Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar, antigas escravas sexuais do Daesh, venceram o Prémio Sakharov 2016

As duas ativistas foram esta terça-feira galardoadas com o Prémio Sakharov 2016 e pediram ajuda à comunidade internacional para levar o auto proclamado Estado Islâmico perante o Tribunal Penal Internacional por genocídio dos yazidi, no Iraque.

As yazidi Nadia Murad e Lamiya Aji Bashar, que hoje receberam, em Estrasburgo, o galardão no valor de 50 mil euros, apelaram ainda ao estabelecimento de uma zona de proteção, no Iraque, paras as minorías.

“Esperamos do Parlamento Europeu e do mundo que leve o genocidio dos yazidi perante o Tribunal Penal Internacional para que se faça justiça e se peçam contas ao auto-proclamado Estado Islâmico”, disse Lamiya Aji Bashar, discursando perante a sessão plenária do PE.

Por seu lado, Nadia Murad acrescentou que “a comunidade internacional tem que estabelecer uma ou mais zonas de segurança para estas minorias no Iraque, coordenadas pelo Governo iraquiano e as autoridades do Kurdistão”.

O presidente cessante do PE, Martin Schulz, apelou também a que não fique impune o genocídio de “um dos mais antigos povos da humanidade”.

A cerimónia contou com a presença de familiares das premiadas, incluindo um irmão de Lamiya, ainda criança, que estava num campo de refugiados.

O Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento é atribuído anualmente pelo Parlamento Europeu.

Nadia e Lamiya foram escolhidas, em outubro deste ano, para ganhar o prémio pelos seus esforços na defesa da comunidade yazidi e das mulheres que sobrevivem à escravidão sexual às mãos dos jihadistas, tendo-se tornado porta-vozes da sua comunidade na denúncia dos crimes de guerra e genocídio.

Ambas são oriundas de Kocho, uma aldeia iraquiana tomada pelo Daesh em 2014, com centenas de mulheres e raparigas yazidis a serem raptadas e escravizadas sexualmente pela organização extremista.

Durante o massacre na cidade, Nadia perdeu seis dos seus irmãos e a mãe, que foi morta juntamente com oitenta mulheres mais idosas, consideradas como não tendo qualquer valor sexual.

Lamiya também foi explorada como escrava sexual, juntamente com as suas seis irmãs. Foi vendida cinco vezes entre os militantes e forçada a fabricar bombas e coletes suicidas em Mossul depois de os militantes do Daesh executarem os seus irmãos e o seu pai.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

App deteta sinais de anemia. Basta fotografar a pálpebra com o smartphone

Uma equipa de cientistas desenvolveu um novo software capaz de tornar o diagnóstico de doenças do sangue muito mais simples, usando a câmara de um smartphone para avaliar os níveis de hemoglobina. A hemoglobina é uma …

O monumento mais alto do cemitério de Nova Orleães conta uma história de vingança e mesquinhez

Com 24 metros de altura, o Monumento Moriarty é o mais alto no cemitério Metairie de Nova Orleães, nos Estados Unidos. A sua construção conta uma história de mesquinhez: o memorial foi uma desculpa para …

FBI detém membro de um dos mais perigosos e lucrativos grupos de hackers

O FBI deteve recentemente um alegado membro de um dos mais temidos grupos de piratas informáticos do mundo, conhecido como Fin7. O grupo é suspeito de ataques informáticos que levaram a uma receita ilícita estimada em …

Artista gráfico faz reconstrução facial de Henrique VII de Inglaterra

Um artista gráfico fez uma reconstrução ultrarrealista de Henrique VII, Rei de Inglaterra entre 1485 e 1509. De acordo com o site Live Science, Matt Loughrey produziu a imagem de Henrique VII a partir da sua …

Marcelo promulga diploma que permite festa do Avante! (mas deixa recados ao Governo)

O Presidente da República promulgou, esta terça-feira, o diploma do parlamento sobre proibição de festivais e espetáculos de natureza análoga até 30 de setembro devido à covid-19, mas com reparos sobre "a garantia do princípio …

Governo italiano vai contratar 60 mil pessoas para vigiar distanciamento social

O Governo italiano vai contratar "assistentes cívicos" para garantir que os cidadãos cumprem o distanciamento social. Depois de mais de dois meses confinados nas suas casas para conter a propagação do coronavírus, os italianos começaram a …

Rio volta a admitir que PSD viabilize Orçamento Suplementar do Governo

O presidente do PSD afirmou hoje que viabilizará ao Governo uma proposta de Orçamento Suplementar, "como tudo indica que é", que proceda à adaptação de medidas a tomar até ao final do ano para o …

J.K. Rowling anuncia novo livro infantil a ser publicado gratuitamente online

A escritora britânica J.K. Rowling, autora da saga "Harry Potter", vai publicar um novo livro infantil, intitulado "The Ickabog", um conto de fadas que será disponibilizado 'online', gratuitamente e em formato de série, a partir …

Empresa portuguesa cria cabine que faz desinfeção total em 25 segundos

A Starmodular, uma empresa com sede em Belmonte, distrito de Castelo Branco, criou um sistema destinado a espaços abertos ao público que permite a desinfeção total em 25 segundos para evitar a propagação da Covid-19, …

TAP duramente criticada por marginalização do Norte. Rio fala em "empresa regional"

Rui Rio foi apenas uma das várias vozes que criticaram o novo plano de voo da TAP, em que a maioria das ligações repostas são de Lisboa. Marcelo Rebelo de Sousa também demonstrou a sua …