Eis o que o mundo pode aprender com o confinamento da China

O confinamento na China tem apresentado resultados excecionais no controlo da pandemia, à custa da perda de liberdade das pessoas. Ainda assim, há muito que se pode aprender com o exemplo chinês.

Colocar o autoritarismo contra a democracia tornou-se comum durante a pandemia, com o primeiro a ser frequentemente pintado como um tipo de regime mais eficaz no combate à covid-19.

A própria narrativa do Partido Comunista Chinês promove uma versão desse argumento, equiparando o sucesso da China na redução do número de casos e mortes com a “superioridade” do seu sistema político. Isto apesar da contenção bem-sucedida por algumas democracias.

Mas argumentar que o mundo deve ignorar o estilo de governo e, em vez disso, concentrar-se em aprender com as políticas da China é problemático – depende do pressuposto de que as políticas podem simplesmente ser enxertadas de um sistema político para outro.

A introdução de políticas de um tipo diferente de regime requer a adaptação dessas políticas aos sistemas em que são absorvidas.

Os confinamentos da China são um exemplo importante, tendo em conta que foram capazes de controlar a transmissão, seguindo uma lógica clara, sustentada pela natureza e pelas características do seu sistema político

Para aprender com os confinamentos da China, precisamos de entender a lógica por trás destes e a importância do contexto em que ocorreram.

Confinamento em Wuhan

O confinamento de Wuhan começou a 23 de janeiro de 2020. Às 2h, sem debate público, as autoridades ordenaram que às 10h todos os transportes públicos, tanto dentro quanto fora, da cidade parassem. Depois, vieram ordens para fechar o túnel sob o rio Yangtzé e proibir o uso de veículos motorizados. A cidade foi forçada a parar.

Mas o resultado lógico de interromper os transportes foi que o próprio governo teve que fornecer alternativas. Como tal, ordenou que os distritos fornecessem transporte para a transferência de pacientes e fez a requisição civil de táxis para uso da comunidade.

Tendo interrompido o fluxo de movimentos, o governo passou a construir hospitais e requisitar instalações exclusivamente para pacientes covid-19.

Foi então que começou a dividir a sua população. Estipulou quatro categorias de pessoas a serem separadas do resto: casos confirmados, casos suspeitos, pessoas com sintomas para os quais a infeção não pode ser descartada e contactos. O primeiro subconjunto foi enviado para tratamento, os três últimos para instalações de isolamento centralizado.

Isto foi emparelhado com medidas para restringir o movimento de todos fora das quatro categorias. Em todo o país, para facilitar o cumprimento, o governo convocou trabalhadores comunitários e voluntários para estabelecer postos de controlo 24 horas nas entradas da cidade para registar qualquer pessoa que entrasse ou saísse.

Isto formou uma abordagem dupla: um esforço coletivo que restringiu com sucesso os movimentos dos cidadãos, enquanto o governo lançava uma ampla rede para erradicar e tratar ou isolar cada pessoa considerada como um risco de transmissão.

Estas medidas exigiram uma mobilização em massa, envolvendo inúmeros residentes, trabalhadores comunitários, membros do Partido, milícias locais, e funcionários recrutados pelo governo e empresas estatais. Equipas organizadas rapidamente cuidavam de postos de controlo, enviavam mantimentos e iam de porta em porta para perguntar às pessoas sobre os seus movimentos e estado de saúde.

Tudo isto se baseou nas capacidades centrais existentes e nos métodos do Partido Comunista e do seu governo. A lógica fazia sentido para uma sociedade bem familiarizada com esse sistema governativo.

Hebei: A mesma lógica, novos métodos

Essa mesma lógica está agora a ser aplicada em circunstâncias muito diferentes em Hebei, uma província vizinha de Pequim. Três elementos centrais dessa lógica são restringir o movimento, obrigar, mas também permitir a conformidade, e afastar qualquer pessoa considerada uma fonte de risco.

O distrito de Gaocheng em Shijiazhuang – uma cidade com mais de 11 milhões de habitantes que abrange áreas rurais e urbanas – está no centro de um novo surto.

Todas as pessoas e veículos foram proibidos de sair. O tribunal provincial advertiu que quem não cooperar pode ser processado criminalmente. Enquanto isso, uma segunda cidade, Nangong – lar de meio milhão de pessoas – notificou os cidadãos que sair de casa é proibido e que infratores das regras serão detidos.

Enquanto a lógica permanece a mesma, a política de isolamento está a evoluir. O governo está a construir instalações improvisadas de isolamento em massa para qualquer pessoa que possa, possivelmente, estar infetada.

Como as áreas rurais carecem de instalações suficientes, como hotéis para requisitar, a fim de evitar que o vírus se espalhe dentro de vilas e famílias, centros de isolamento estão a ser construídos do zero.

Em vez de isolar apenas os contactos, os contactos secundários agora também estão isolados. Shijiazhuang encontrou 986 novos casos e, ainda assim, em Gaocheng, as autoridades ordenaram que 15 vilas inteiras – mais de 20 mil pessoas – fossem realocadas para “isolamento centralizado”.

Isto aplica-se e amplia o princípio de “isolar todos os que devem ser isolados”, descrito por um especialista do Centro Chinês para o Controlo e Prevenção de Doenças, como parte de um pacote central para o sucesso da China.

“Todos” no caso de Gaocheng significa qualquer pessoa de uma aldeia com pelo menos um caso. Apenas aldeias sem nenhum caso foram autorizados a isolar em casa.

As autoridades acabam de anunciar a adoção desse modelo de isolamento em todo o país. Os governos locais devem fazer planos antecipados para fazer a requisição civil de edifícios suficientes para contactos e contactos secundários. Em áreas rurais, devem preparar-se para construir instalações de isolamento em grande escala.

PARTILHAR

RESPONDER

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …

Portugal aguarda "luz verde" da EMA para avançar com terceira dose aos idosos

Portugal aguarda a autorização da Agência Europeia de Medicamentos para avançar com a administração da terceira dose da vacina contra a covid-19 a maiores de 65 anos. Com base nos resultados de dois grandes estudos científicos …

E depois de Merkel? Alemanha já sente falta da Chanceler que saiu da sombra para salvar o seu "delfim"

Angela Merkel tinha prometido ficar afastada das eleições legislativas deste domingo, na Alemanha, mas saiu da sombra para apoiar o seu "delfim", o candidato da CDU, Armin Laschet, que deverá disputar a vitória com o …

Já há refugiados afegãos a realizarem entrevistas de emprego em Portugal

Já há refugiados afegãos a realizarem entrevistas de emprego em Portugal, disse a secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira. Em três semanas, chegaram 178 refugiados afegãos a Portugal. A secretária de …

Arranca hoje a conferência dos Trabalhistas - num clima de "guerra civil" entre Starmer e os Corbynistas

A proposta de Starmer de mudar a sistema de eleição do líder dos Trabalhistas tem suscitado muitas críticas, num partido que já estava profundamente dividido entre os membros mais conservadores e os membros leais a …

Multinacional oferece emprego qualificado em Portugal mas não tem candidatos

Um engenheiro de Mirandela regressou à terra para instalar na cidade transmontana o polo principal de uma nova multinacional na área da energia que está a recrutar, mas não consegue candidatos para emprego qualificado. Manuel Lemos …

Austrália, Japão, EUA e Índia reúnem-se "sem objetivos militares", mas China sente-se ameaçada

Estados Unidos, Austrália, Japão e Índia reuniram-se naquela que foi a primeira reunião do chamado Quad. A China sente-se ameaçada e avisa que o grupo está "fadado ao fracasso". Joe Biden liderou esta sexta-feira a primeira …

"Escândalo". FCSH acusada de abrir concurso à medida de Raquel Varela

A Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa está a ser acusada de abrir um concurso à medida da historiadora Raquel Varela. A polémica com a historiadora começou na segunda-feira, 20 de …

Descobertos cadáveres de guerreiros do século XIII. Podem ter sido enterrados pelo Rei Luís IX

Cientistas britânicos acreditam que os cadáveres dos guerreiros cristãos tenham sido enterrados por Luís IX, rei de França, no século XIII. Um grupo de arqueólogos internacionais encontrou no castelo de Sidon, no Líbano, valas comuns com …

Hidroavião de Sacadura Cabral e Gago Coutinho é único no mundo e está em Lisboa

Um dos hidroaviões que há quase 100 anos transportaram Sacadura Cabral e Gago Coutinho na primeira Travessia Aérea do Atlântico Sul está exposto no Museu da Marinha, em Lisboa, e é o único aparelho original …