As morsas estão a atirar-se de penhascos por causa das alterações climáticas

A nova série da Netflix “Our Planet” mostra explicitamente como cada ecossistema está a mudar ou está ameaçado pelas alterações climáticas. As morsas russas, por exemplo, estão a atirar-se de penhascos.

David Attenborough, o narrador da série, culpa o incidente pelas mudanças no ecossistema do Ártico que as morsas habitam. Com o gelo do mar a recuar ano após ano, as morsas são forçadas a descansar em praias minúsculas e cheias de gente.

Estas praias estão tão superlotadas, que algumas morsas escalam as falésias para ter um pouco de paz. Mas quando os animais, desacostumados a escalar ou a alturas, decidem voltar à água, caem dos penhascos até às suas horríveis mortes.

Este incidente não é a primeira vez que as pessoas documentam as mortes em massa de morsas. Em 1996, as autoridades da vida selvagem do Alaska relataram um incidente quase sem precedentes no qual quase 60 morsas machos caíram de um penhasco de 60 metros para a sua morte.

Na época, quando o gelo ainda era mais extenso e o clima menos compreendido, os investigadores não culparam as mortes pelas mudanças climáticas. Em vez disso, ficaram perplexos, sem uma resposta para explicar o comportamento, relatou o The New York Times na altura.

Com os anos seguintes, apareceram novos relatos sobre estes tipos de eventos de morsa. Mas estudos mais recentes indicaram que as mudanças climáticas poderiam estar a causar “distúrbios” mortais como o documentário indica. As morsas costumam passar a maior parte do tempo no gelo marinho, com algum tempo intermitente passado em terra em grandes grupos chamados de “haul-outs”.

Um relatório de maio de 2017 do Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA (USFWS) constatou que o recuo do gelo marinho do Ártico levava as morsas a fazerem viagens coletivas para praias lotadas com mais frequência. Nessas saídas, as morsas são facilmente assustadas, com um aumento de eventos “perturbadores” mortais.

Os especialistas sugeriram ao Live Science que os eventos de quedas normalmente não envolvem morsas a escalar penhascos – como o documentário mostrou. Pelo contrário, os eventos acontecem quando as morsas sobem encostas rasas nos lados mais distantes das falésias. Lá em cima, as criaturas podem, às vezes, sair a correr se um avião, um urso polar, um barco ou outra coisa estranha os assustar.

A mudança climática parece ter tornado este tipos de eventos mais comuns. No entanto, no Alaska, as quedas em massa parecem ter diminuído nos últimos anos, graças aos esforços humanos para gerir os ambientes dos haul-outs. Reduções nos planos aéreos e outros distúrbios humanos parecem ter evitado algumas das mortes.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. pois, ou isso ou são os russos.

    agora para qq problema os culpados, sem quaisquer provas, diga-se, são sempre os russos e o aquecimento global que uma vez que não sobe há quase 20 anos, resolveram mudar o nome para alterações climáticas que assim dá para tudo.

RESPONDER

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …

Biblioteca virtual no Minecraft dá voz a jornalistas censurados de todo o mundo

Enquanto governos de todo o mundo reprimem a liberdade jornalística e censuram a sua imprensa nacional, a Reporters Without Borders está a trabalhar para chegar ao público através de um canal improvável: uma enorme biblioteca …

Há mais 19 mortos em Portugal. Número de casos confirmados perto dos 6.000

Portugal registou, este domingo, mais 19 mortes devido ao surto de covid-19. O número de casos confirmados é de 5.962, mais 792 em relação aos números de sábado. A Direção-Geral de Saúde revelou este domingo o …

Criança de 14 anos morre com covid-19 no Hospital da Feira

Uma criança de 14 anos morreu, este domingo, no Hospital de São Sebastião, na Feira, vítima de covid-19. Sofria de psoríase, doença que pode debilitar o sistema imunitário. O rapaz era morador em Ovar e tinha …

A Estação Matternet é um "portal seguro de drones" para hospitais

O sistema é simples: a equipa médica do hospital coloca as amostras que precisam de ser testadas no interior da estação, e esta encarrega-se automaticamente de as colocar num drone. Depois, o topo da torre …

Espanha atinge recorde: Morreram 838 pessoas nas últimas 24 horas

Espanha registou, nas últimas 24 horas, 838 mortos com o novo coronavírus, voltando a aumentar o número de falecidos num só dia e elevando o balanço total para 6.528, de acordo com a última atualização …