Morreu o Nobel da Literatura Günter Grass

Antonisse, Marcel / Anefo / Wikimedia

O escritor Günter Grass, Nobel da Literatura em 1999

O escritor Günter Grass, Nobel da Literatura em 1999

O escritor alemão Günter Grass, Prémio Nobel da Literatura em 1999, morreu hoje aos 87 anos numa clínica de Lübeck, anunciou a editora do autor.

O escritor, poeta, dramaturgo e artista plástico, nascido em Danzig, a 18 de outubro de 1927, faleceu hoje de manhã, segundo escreveu a editora Steidl na sua conta do Twitter.

“O Prémio Nobel da Literatura Günter Grass morreu esta manhã aos 87 anos numa clínica de Lübeck”, na Alemanha, indicou a Steidl.

Günter Grass, cuja vida ficou marcada por várias polémicas sobre o passado na Alemanha, era o escritor alemão da segunda metade do século XX mais conhecido no estrangeiro.

Nascido a 16 de outubro de 1927, na antiga Danzig – tornada Gdansk na atual Polónia, onde detém o título de cidadão honorário – estudou na cidade natal até aos 16 anos, tendo-se alistado na juventude hitleriana.

Ferido e detido em 1945 na Checoslováquia, foi libertado no ano seguinte e voltou ao estudo das artes, instalando-se em Paris como escultor e escritor e, em 1956, publicou o primeiro livro, “O Tambor“, que obteve sucesso mundial.

O livro seria adaptado ao cinema pelo realizador Volker Schloendorff, que recebeu uma Palma de Ouro em Cannes e o óscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Neste livro e noutros, Günter Grass confrontou a Alemanha com o seu passado nazi, dizem os críticos, levado pela própria má consciência, que viria a ser assumida no livro auto-biográfico “O Descascar da Cebola” – lançado em 2006, e editado em Portugal no ano seguinte – quando revelou ter pertencido às Waffen SS, a tropa de elite de Hitler, aos 17 anos, alistado à força.

Esta militância viria a tornar-se uma das polémicas da sua vida, embora o autor tenha reiterado que se tinha fascinado, como muitos jovens, pelos submarinos, e não pelas forças de elite.

Na Alemanha, depois da guerra, associou-se politicamente aos escritores antifascistas do “Grupo 47” e ao social-democrata Willy Brandt, e mais tarde ao chanceler Gerhard Schroeder, aos ecologistas, e contra o presidente norte-americano George W. Bush.

Pai de quatro filhos, vivia em Lübeck, e escreveu cerca de trinta obras ao longo da carreira, a partir dos anos 1950, quando se dedicou à literatura, desde romances, poemas, peças de teatro, entre eles, “O Cão de Hitler” (editado em Portugal em 1966), “O Gato e o Rato” (1968), “O Linguado” (1977), “Em Viagem de uma Alemanha à outra” (1990).

Em 2012 a sua vida ficou marcada por outra polémica, depois de ter criticado Israel publicando um poema, acusando o país de “ameaçar a paz mundial”, e o Estado israelita declarou-o então persona non grata.

Entre outros, recebeu, em 1993, o Prémio Georg Büchner, e em 1999 foi galardoado com o Prémio Nobel da Literatura, tendo a Academia sueca sublinhado que as “divertidas e negras fábulas de Grass retratavam uma face esquecida da História”.

Günter Grass tinha uma casa no Algarve, e frequentava o Centro Cultural de São Lourenço, em Almancil, onde chegou a expor algumas obras na área das artes plásticas, como as aguarelas que acompanharam o livro “O Meu Século”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Propinas serão ajustadas se as instituições não garantirem ensino à distância

O pagamento de propinas no ensino superior será ajustado caso as instituições não consigam garantir o ensino à distância durante o período de contenção de covid-19, segundo um projeto-lei do PAN aprovado no Parlamento. “O valor …

Operação "Páscoa em Casa" já arrancou. Até segunda-feira, não pode sair do seu concelho de residência

Circulação proibida fora do concelho de residência e aeroportos encerrados. Arrancou à meia-noite desta quinta-feira a aplicação das medidas decretadas pelo Governo para o período pascal - 9 a 13 de abril -, visando reduzir …

Encontrado no fundo do mar um organismo "sobrenatural" tão grande como um prédio de 11 andares

Uma equipa de investigadores capturaram imagens de um organismo "sobrenatural" nas águas da costa da Austrália Ocidental. Uma equipa a bordo de RV Falkor, o navio de investigação principal do Schmidt Ocean Institute, localizou o organismo, …

Há 1.400 anos, uma estranha luz vermelha apareceu no Japão (e já sabemos o que era)

O registo mais antigo de um fenómeno astronómico observado no Japão deixou uma marca importante na história japonesa e na literatura clássica. O fenómeno data de 30 de dezembro de 620 e há séculos que …

Cientistas convertem água em combustível solar

Uma equipa de investigadores britânicos usou uma metodologia única que permite transformar água em combustível solar, que pode ser uma solução para energia renovável. Esta metodologia única utilizada por uma equipa de cientistas da Universidade de …

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …