Morreu o ator Francisco Nicholson

(dr) wook.pt

O ator Francisco Nicholson

O ator, argumentista, escritor e encenador Francisco Nicholson, de 77 anos, morreu esta terça-feira de manhã. Estava internado no hospital Curry Cabral, em Lisboa.

Francisco Nicholson escreveu as novelas Vila Faia, Cinzas, Origens, Os Lobos e Ajuste de Contas. No teatro, foi autor de várias revistas.

Mais recentemente, em 2014, lançou o seu primeiro romance “Os mortos não dão autógrafos”, que dedicou à mulher, Magda Cardoso (também atriz e bailarina).

Francisco António de Vasconcelos Nicholson começou a fazer teatro aos 14 anos, no antigo Liceu Camões, em Lisboa, onde foi dirigido pelo encenador e poeta António Manuel Couto Viana.

Estudou em Paris, onde frequentou a Academia Charles Dullin, do Théatre Nacional Populaire, privando com grandes nomes do Teatro francês, como Jean Vilar, Georges Wilson, Gerard Philipe.

Estreou-se, profissionalmente, como ator e autor, com a peça infantil “Misterioso Até Mais Não”, no Teatro do Gerifalto, e viu representadas mais cinco peças suas para crianças, como “O cavaleiro sem medo”, “Boingue-boingue” e “O indiozinho Raio de luar”.

Fez parte dos elencos da Companhia Nacional de Teatro e do Teatro Estúdio de Lisboa, onde representou grandes textos da dramaturgia mundial, de autores como Strindberg, Kleist, Bernard Shaw, Arnold Wesker, Davis Storey e Apollinaire.

Raul Solnado convidou-o para inaugurar o Teatro Villaret, integrando o elenco da peça “O Inspetor Geral” de Nicolau Gogol. Mas foi no Teatro ABC que se popularizou com o teatro de revista.

Com “Bikini” afirma-se como autor, encenador e ator, ao lado de Ivone Silva, Manuela Maria, Irene Cruz, Henriqueta Maya, António Anjos, Iola e o consagrado João Maria Tudela.

“Tudo a Nu” era a peça que tinha em cena com grande êxito no Teatro ABC quando aconteceu o dia 25 de Abril de 1974. Aproveitando o final da censura para repor todos os cortes efetuados, os autores modificaram-lhe o nome para “Tudo a nu com parra nova”.

Na cooperativa teatral Teatro Adoque, trabalhou com a bailarina Magda Cardoso, que viria a ser sua mulher, e o coreógrafo Fernando Lima. Foi neste teatro que muitos atores atuais se iniciaram, como José Raposo, Maria Vieira, Virgílio Castelo, Ana Bola e Henrique Viana.

Mais tarde, de regresso ao Parque-Mayer, escreveu com Henrique Santana, Mário Zambujal, Rogério Bracinha e Augusto Fraga a Revista “Não batam mais no Zézinho”, que ficou dois anos em cartaz. Seguem-se uma sucessão de revistas bem sucedidas.

Na televisão, dá-se a conhecer com Riso e Ritmo (1964), programa de que foi autor, ator e produtor, com Armando Cortez e José Mensurado, e dirigiu e interpretou vários programas como “O canto alegre”.

Foi o autor de Vila Faia, a primeira telenovela portuguesa e de outras que se seguiram: Origens (1983), Cinzas (1992), Os Lobos (1998), Ajuste de Contas (2000), Ganância (2001), O Olhar da Serpente (2002), entre outras.

É um dos autores da canção “Oração”, com que António Calvário venceu o primeiro Grande Prémio TV da Canção.

Conquistou ainda, por duas vezes, o Festival da Canção da Figueira da Foz, duas grandes Marchas de Lisboa e esteve no Festival internacional da Canção do Rio de Janeiro.

Francisco Nicholson tem uma filha, Sofia Nicholson, também atriz.

Move

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …