Morreu Eduard Shevardnadze, herói do fim da Guerra Fria

Helene C. Stikkel / USDD

Eduard Shevardnadze, antigo presidente da Geórgia

Eduard Shevardnadze, antigo presidente da Geórgia

O antigo presidente da Geórgia Eduard Shevardnadze, que ajudou a pôr fim à Guerra Fria enquanto último ministro dos Negócios Estranheiros da ex-URSS, morreu esta segunda-feira aos 86 anos.

“Shevardnadze morreu hoje ao meio dia”, disse Marina Davitachvili, próxima da família, acrescentando que “ele esteve muito tempo doente”.

Eleito presidente em 1995, Shevardnadze demitiu-se em 2003, quando se deu a “Revolução das Rosas”, deixando um país empobrecido e próximo do caos.

No ocidente, Shevardnadze ficou como um herói que ajudou a pôr fim à Guerra Fria, enquanto último ministro dos Negócios Estrangeiros soviético.

Enquanto chefe da diplomacia do último líder soviético Mikhail Gorbachev, Shevardnadze negociou tratados de redução de armamento com os Estados Unidos e o acordo que levou à demolição do Muro de Berlim, em 1989.

“Não sei se a Guerra Fria terminaria pacificamente sem ele. Ele mudou as nossas vidas… o homem é um herói”, disse em 2000 o antigo secretário de Estado norte-americano James Baker, que passou longas horas à mesa das negociações com Shevardnadze.

Mas quando a “Revolução das Rosas“, em 2003, o obrigou a demitir-se, milhares de pessoas dançaram e cantaram nas ruas da capital, Tbilisi, em cenas semelhantes às comemorações que Shevardnadze ajudou a criar, mais de uma década antes, em Berlim, Praga e outras cidades da Europa ocidental.

Os dez anos em que foi presidente da Geórgia deixaram o país na pobreza e no caos. Só os protestos em massa levaram ao seu afastamento, evitando o derramamento de sangue que muitos receavam caso Shevardnadze permanecesse no poder.

Shevarnadze nasceu a 25 de janeiro de 1928 na aldeia de Mamati, quando Josef Estaline – também da Geórgia – consolidava o seu regime na União Soviética.

Aderiu ao Partido Comunista aos 20 anos e iniciou uma rápida ascensão. Em 1968, já era ministro do Interior da Geórgia e quatro anos depois foi nomeado primeiro secretário do Partido Comunista do país. Nesta época liderou uma campanha anticorrupção e uma brutal repressão dos dissidentes políticos.

Em 1978, foi promovido ao comité central soviético (o “Politburo”) em Moscovo, onde, um ano mais tarde, Gorbachev se tornou no membro mais novo. Os dois partilhavam a ideia de que a União Soviética precisava de reformas e quando Gorbachev assumiu a liderança da URSS, em 1985, nomeou Shevardnadze chefe da diplomacia.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …

"A profissionalização é fundamental". Este ano já morreram quatro bombeiros, todos voluntários

Nos incêndios deste ano já morreram quatro bombeiros. O último ano tão mortífero foi 2013, em que sete bombeiros perderam a vida. Em comparação, nos incêndios de 2019, não se registaram vítimas mortais entre esses profissionais. Como …

Portugal só tem 4 fiscais da ferrovia (e cada um tem de inspecionar 811 quilómetros)

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) tem apenas quatro técnicos afetos à fiscalização do setor. O organismo está a pedir o reforço destes profissionais desde 2014. De acordo com a edição desta quarta-feira do …