Morreu Eduard Shevardnadze, herói do fim da Guerra Fria

Helene C. Stikkel / USDD

Eduard Shevardnadze, antigo presidente da Geórgia

Eduard Shevardnadze, antigo presidente da Geórgia

O antigo presidente da Geórgia Eduard Shevardnadze, que ajudou a pôr fim à Guerra Fria enquanto último ministro dos Negócios Estranheiros da ex-URSS, morreu esta segunda-feira aos 86 anos.

“Shevardnadze morreu hoje ao meio dia”, disse Marina Davitachvili, próxima da família, acrescentando que “ele esteve muito tempo doente”.

Eleito presidente em 1995, Shevardnadze demitiu-se em 2003, quando se deu a “Revolução das Rosas”, deixando um país empobrecido e próximo do caos.

No ocidente, Shevardnadze ficou como um herói que ajudou a pôr fim à Guerra Fria, enquanto último ministro dos Negócios Estrangeiros soviético.

Enquanto chefe da diplomacia do último líder soviético Mikhail Gorbachev, Shevardnadze negociou tratados de redução de armamento com os Estados Unidos e o acordo que levou à demolição do Muro de Berlim, em 1989.

“Não sei se a Guerra Fria terminaria pacificamente sem ele. Ele mudou as nossas vidas… o homem é um herói”, disse em 2000 o antigo secretário de Estado norte-americano James Baker, que passou longas horas à mesa das negociações com Shevardnadze.

Mas quando a “Revolução das Rosas“, em 2003, o obrigou a demitir-se, milhares de pessoas dançaram e cantaram nas ruas da capital, Tbilisi, em cenas semelhantes às comemorações que Shevardnadze ajudou a criar, mais de uma década antes, em Berlim, Praga e outras cidades da Europa ocidental.

Os dez anos em que foi presidente da Geórgia deixaram o país na pobreza e no caos. Só os protestos em massa levaram ao seu afastamento, evitando o derramamento de sangue que muitos receavam caso Shevardnadze permanecesse no poder.

Shevarnadze nasceu a 25 de janeiro de 1928 na aldeia de Mamati, quando Josef Estaline – também da Geórgia – consolidava o seu regime na União Soviética.

Aderiu ao Partido Comunista aos 20 anos e iniciou uma rápida ascensão. Em 1968, já era ministro do Interior da Geórgia e quatro anos depois foi nomeado primeiro secretário do Partido Comunista do país. Nesta época liderou uma campanha anticorrupção e uma brutal repressão dos dissidentes políticos.

Em 1978, foi promovido ao comité central soviético (o “Politburo”) em Moscovo, onde, um ano mais tarde, Gorbachev se tornou no membro mais novo. Os dois partilhavam a ideia de que a União Soviética precisava de reformas e quando Gorbachev assumiu a liderança da URSS, em 1985, nomeou Shevardnadze chefe da diplomacia.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pandemia com tendência decrescente nos serviços de saúde e na mortalidade

Portugal regista uma situação pandémica de “intensidade moderada”, mas com uma tendência decrescente da pressão sobre os serviços de saúde e na mortalidade associada à covid-19, refere o relatório das “linhas vermelhas” hoje divulgado. Segundo a …

Vacinas da gripe vão ser dadas nos centros de vacinação covid-19

Os centros de vacinação usados para administrar as vacinas contra a covid-19 vão também passar a ser usados para vacinar contra a gripe. Numa nota enviada às redações, a task force anunciou que os centros de …

Irmã de Kim Jong-un diz que acabar com a Guerra da Coreia é uma "ideia admirável"

Esta sexta-feira, Kim Yo-jong, irmã do líder norte-coreano Kim Jong-un, disse que o país está disposto a retomar as conversações com a Coreia do Sul se o vizinho não provocar o Norte com políticas hostis. Ri …

"Que se lixe o Congresso", diz líder do CDS

O líder centrista Francisco Rodrigues dos Santos disse não estar "minimamente preocupado" nem "concentrado em táticas para congressos internos". O presidente do CDS disse esta sexta-feira que não está “minimamente preocupado” com a próxima reunião magna …

Detidos CEO e chairman do grupo HNA, antigo acionista da TAP

Chen Feng e Tan Xiangdon, o chairmain e o CEO do grupo HNA, que já deteve uma participação na TAP, foram detidos esta sexta-feira.  O chairmain e o CEO do grupo HNA terão sido detidos na …

OMS inclui mais dois medicamentos nas recomendações para tratamento

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acrescentou na quinta-feira dois medicamentos à lista de fármacos admitidos para tratamento da covid-19 e pediu à farmacêutica que os produz para baixar os preços e levantar as patentes. O …

Puigdemont em liberdade, mas com proibição de sair da Sardenha

O Tribunal de Recurso de Sassari decidiu, esta sexta-feira, deixar em liberdade o ex-presidente catalão Carles Puigdemont. Enquanto decorrer o processo judicial, não pode sair da ilha italiana. Carles Puigdemont saiu em liberdade esta sexta-feira, depois …

Centenas de pessoas protestam em Barcelona contra a prisão de Puigdemont em Itália

Centenas de pessoas reuniram-se próximo do consulado italiano em Barcelona em protesto contra a prisão de Carles Puigdemont. Centenas de pessoas reuniram-se esta sexta-feira próximo do consulado italiano em Barcelona, guardado por um forte dispositivo da …

Portugal com mais 9 mortes e 757 casos de covid-19

Portugal registou 757 novos casos e nove mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal registou, nas últimas …

EUA comprometem-se a tomar medidas concretas para resolver diferenças com França

Os Estados Unidos continuam a tentar resolver as diferenças com a França na sequência da crise dos submarinos, com o secretário de Estado a admitir que Washington terá de tomar medidas concretas para reconquistar a …