Morreu David Sassoli, presidente do Parlamento Europeu. “Portugal deve-lhe muito”

2

Patrick Seeger / EPA

O italiano David-Maria Sassoli, novo presidente do Parlamento Europeu

Político italiano foi diagnosticado com uma pneumonia em setembro de 2021, para a qual vinha a receber cuidados de saúde, tendo sido internado em mais do que uma ocasião.

David-Maria Sassoli, o italiano que presidia ao Parlamento Europeu há dois anos, morreu esta terça-feira, depois de quase duas semanas internado devido a uma pneumonia. Ao longo dos últimos meses, Sassoli tivera que se afastar por diversas vezes das suas funções, ainda que de forma temporária, para receber cuidados médicos, em Estrasburgo e em Aviano, também por motivos de pandemia e disfunções no sistema imunitário. No passado, sofrera de uma leucemia.

Até chegar a presidente do Parlamento Europeu, o político italiano não era particularmente reconhecido fora de portas, tendo conseguido reconhecimento internacional no âmbito das negociações que se seguiram às eleições europeias de 2019 e que visavam distribuir pelos principais cargos das instituições europeias representantes dos socialistas (PPE) e do centro-direita (S&D) — a que pertence Ursula von der Leyen, ao passo que Charles Michel, liberal, ficava responsável pelo Conselho Europeu. De resto, Sassoli já tinha sido vice-presidente do Parlamento Europeu no passado.

Nasceu em Florença, estou ciência política e trabalhou em alguns jornais do país, assim como no canal público de televisão italiano, a RAI. Iniciou-se na política em 2009, ano em que Walter Beltroni, autarca romano, criou o PD. Nesse mesmo ano, concorreu às eleições europeias. Foi responsável por liderar a delegação do seu partido em Estrasburgo entre 2009-2014. No Parlamento Europeu, foi eleito vice-presidente, sendo responsável pelas áreas do orçamento e da política mediterrânica, tendo integrado ainda um grupo de trabalho sobre a Pobreza Extrema.

De acordo com o semanário Expresso, o seu mandato foi marcado fortemente marcado pela crise pandémica, tendo organizado todas as estruturas necessárias para que os eurodeputados e funcionários do Parlamento Europeu conseguissem exercer as suas funções em regime de teletrabalho, nomeadamente as votações à distância. Disponibilizou ainda espaços da instituição para que ali fossem instalados centros de apoio a famílias carenciadas e de testagem à covid-19.

Na próxima semana, na primeira sessão plenária do ano, o Parlamento Europeu deverá precisamente eleger um presidente da assembleia, algo que já estava previsto a meio da atual legislatura, e não relacionado com o estado de saúde de Sassoli. A maltesa Roberta Metsola, do Partido Popular Europeu (PEE), é a favorita para suceder ao dirigente socialista italiano, que assumiu o cargo no verão de 2019.

Portugueses destacam importância de Sassoli para o país

A presidente da Comissão Europeia já lamentou a morte de David Sassoli. “Entristece-me profundamente a morte de um grande europeu e italiano”, escreveu Ursula von der Leyen na sua conta na rede social Twitter. “David Sassoli era um jornalista apaixonado, um extraordinário presidente do Parlamento Europeu e, sobretudo, um querido amigo. Os meus pensamentos estão com a sua família. Descansa em paz, caro David”, acrescentou Von der Leyen.

Também António Costa, primeiro-ministro português, também lamentou a morte de Sassoli, notando a “profunda tristeza” e falando dele como “um amigo”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, falou de Sassoli como um “europeísta convicto” e um “amigo” com quem Portugal sempre pôde contar durante a presidência portuguesa da União Europeia. Em entrevista à SIC Notícias, Santos Silva referiu que “a Europa deve muito a David Sassoli, mas Portugal também“.

  ZAP //

2 Comments

  1. Pneumonia? Hahã, sei! Tá confundindo, ou queres me confundir? Tromboembolismo pulmonar, cardíaco e cerebral tornaram-se mais comuns que gripe, e não é necessário + de 2 neurônios para apontar uma vilã! Quantos vcs possuem?

  2. Pneumonia? Hahã, sei!!!
    Tromboembolismo pulmonar, cardíaco e cerebral tornaram-se mais comuns que gripe, e não é necessário + de 2 neurônios para apontar a causa!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.