Moody’s alerta: a dívida continua “muito alta” e Portugal vai continuar vulnerável nos mercados

O.I.N. / Wikimedia

A Moody’s – a única que mantém o rating de Portugal em “lixo” – avisa que a dívida continua “muito elevada” e que Portugal vai continuar vulnerável nos mercados.

Embora elogie a gestão ativa que tem sido feita da dívida pública, através dos reembolsos antecipados ao FMI, a agência Moody’s deixa um aviso a Portugal: “os níveis totais de endividamento continuam comparativamente muito elevados, em cerca de 127% do Produto Interno Bruto (PIB)”.

Segundo o Observador, é por este motivo que a agência acredita que as taxas de juro de Portugal nos mercados financeiros “vão provavelmente, continuar a ser mais sensíveis a alterações nas tendências entre os investidores, em comparação com outros países periféricos”.

A Moody’s só tem agendada uma atualização ao rating português para 20 de abril. Esta agência é a única entre as quatro maiores agências de rating que continua a atribuir à dívida portuguesa uma classificação de “alto risco”.

Apesar deste alerta, a Moody’s reconhece que os reembolsos antecipados ao FMI, substituindo essa dívida por obrigações emitidas a juros mais baixos no mercado, “melhoraram a resiliência da dívida face a possíveis desenvolvimentos no mercado”.

De acordo com a agência, a composição atual da dívida pública faz com que mesmo que as taxas de juro no mercado subam, o impacto será limitado sobre o custo total da dívida, que está em cerca de 3% (era 4,1% em 2011).

No entanto, segundo o mesmo jornal, comparativamente a outros países, Portugal será um dos mais vulneráveis caso se altere o clima sereno que tem existido nos mercados de dívida nos últimos anos, desde que o Banco Central Europeu (BCE) começou a intervir nos mercados com a compra de títulos de dívida pública (e privada) aos investidores.

Envelhecimento da população pode pesar no rating

O envelhecimento da população portuguesa e a pressão que exerce sobre as contas públicas – nomeadamente sobre a saúde – traz desafios que podem prejudicar a avaliação do rating do país, alerta ainda a Moody’s.

A agência de notação financeira lembra que a maioria dos países da União Europeia vai estar “superenvelhecida” em 2030, com mais de 20% da população a ter 65 anos ou mais, o que trará desafios aos serviços públicos de saúde e de Segurança Social.

Segundo a Moody’s, que cita projeções da Comissão Europeia, Portugal, Malta, Eslováquia e Croácia são os países que vão assistir mais rapidamente a pressões do envelhecimento sobre os serviços de saúde.

“A forma como os Governos adaptam os seus sistemas de cuidados com a saúde ao envelhecimento da população vai tornar-se cada vez mais importante para a nossa avaliação orçamental e, em última análise, para a análise das dívidas públicas”, avisa a analista da Moody’s Kathrin Muehlbronner, em comunicado.

Embora admita que alguns países iniciaram algumas reformas para melhorar a eficiência com os sistemas, a Moody’s considera que são necessárias mais reformas para acomodar o impacto orçamental da pressão sobre a despesa pública com o envelhecimento.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Imigrante do Bangladesh em Itália encontra e devolve carteira com 2 mil euros

Mossan Rasal, um bangladeshiano de 23 anos que vive em Roma, encontrou na rua uma carteira com dois mil euros, documentos de identificação, cartões de crédito, carta de condução. Em vez de retirar o dinheiro e …

Austrália conclui que China foi responsável por ciberataque ao parlamento

A agência de inteligência cibernética da Austrália (ASD) concluiu que a China foi a responsável por um ataque informático, no início deste ano, contra o parlamento nacional. Os serviços de inteligência australianos (Australian Signals Directorate) concluíram …

"A bola apenas bateu no peito". VAR admite erro no penálti do Portimonense-FC Porto

O vídeo-arbitro do encontro entre Portimonense e FC Porto, Vasco Santos, admitiu esta quarta-feira que não existiu razão para assinalar grande penalidade a favor do clube portista. "No momento em que o árbitro apita fiquei com …

Na Índia, usar cigarros eletrónicos já pode dar prisão

O Governo indiano anunciou esta quinta-feira a proibição de cigarros eletrónicos no país, de 1,3 mil milhões de pessoas, numa ação que pretende ser a favor da saúde e contra os vícios. "A decisão foi tomada …

Iñaki Urdangarín pode sair da prisão dois dias por semana

Detido na cadeia de Brieva, Ávila, há 15 meses, Iñaki Urdangarín, cunhado do rei de Espanha, soube esta terça-feira que poderá sair da prisão duas vezes por semana para fazer voluntariado numa instituição que ajuda …

Criança com anemia aplástica grave submetida a transplante inédito em Portugal

Um menino de quatro anos com anemia aplástica grave foi submetido a um transplante com células estaminais de sangue do próprio cordão umbilical, um tratamento inédito em Portugal realizado no Instituto Português de Oncologia (IPO) …

Renováveis baixaram fatura da luz em 2,4 mil milhões na última década

A produção de eletricidade a partir de fontes renováveis permitiu ao sistema elétrico português acumular uma poupança de 2,4 mil milhões de euros ao longo dos últimos 10 anos. Esta é a principal conclusão de um …

Constitucional chumba barrigas de aluguer pela segunda vez

O Tribunal Constitucional chumbou, esta quarta-feira, pela segunda vez, o diploma do Parlamento sobre gestação de substituição, depois de um chumbo no ano passado. O BE apresentou uma proposta em que se previa "que a gestante …

Furacão Humberto ganha força a caminho das Bermudas

O furacão Humberto aumentou de intensidade nas últimas horas e atingiu a categoria 3 a caminho das Bermudas, informou o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC) nesta quarta-feira. O terceiro furacão da temporada no Atlântico, …

Brasil é o país lusófono com mais refugiados. Já Portugal tem as maiores remessas dos emigrantes

Um relatório das Nações Unidas (ONU) revelou que o Brasil é o país lusófono que acolhe mais refugiados, Portugal é o que recebe mais remessas dos emigrantes e Moçambique teve o maior aumento de estrangeiros …