NASA está indignada. Detritos de míssil indiano colocam a Estação Espacial Internacional em risco

De surpresa e numa operação de minutos, a Índia destruiu na quarta-feira um satélite de órbita baixa no Espaço, recorrendo a um míssil. Para o primeiro-ministro indiano, o feito afirma o seu país como uma “potência espacial” global.

A operação, batizada de Mission Shakti (“força” em hindi), foi levada a cabo por uma agência de investigação militar indiana, a DRDO, que lançou o míssil anti-satélite a partir de uma ilha próxima ao estado de Odisha, a leste do país. “Os nossos cientistas destruíram um satélite de órbita baixa a uma distância de 300 quilómetros”, declarou o líder do Executivo indiano, Narendra Modi.

Esta semana, o administrador da NASA, Jim Bridenstine, classificou como “algo terrível” a destruição pela agência espacial indiana de um dos seus satélites. O evento criou 400 fragmentos de detritos orbitais e colocou novos riscos aos astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (EEI), disse.

Na semana passada, num discurso à nação, o chefe de Governo indiano assinalou o “feito histórico” que foi derrubar o seu próprio satélite de baixa órbita com um míssil terra-espaço em três minutos. Apenas três outros países — os EUA, a Rússia e a China — têm a capacidade de usar um míssil antissatélite.

Nem todos os fragmentos são suficientemente grandes para serem monitorizados. No entanto, aqueles que o são têm “dez centímetros ou mais”, revelou Bridenstine à ABC, que calcula em cerca de 60 os objetos monitorizados desde o teste indiano.

O satélite foi destruído a uma altitude de 300 quilómetros, bem abaixo da EEI e da maioria dos satélites em órbita, mas 24 dos fragmentos acabaram a gravitar acima do apogeu da estação, anunciou o administrador da NASA. “Este tipo de atividade não é compatível com o futuro dos voos espaciais humanos. É inaceitável e a NASA precisa de ser muito clara sobre o impacto que isto tem em nós”, acrescentou.

Em resultado do teste indiano, o risco de colisão com a EEI aumentou 44%, sublinhou Bridenstine, ainda que esse risco acabe por se dissipar à medida que a maioria dos detritos se incendiar ao entrar na atmosfera. Mesmo as colisões com pequenos objetos podem ser catastróficas no espaço, em grande medida devido à velocidade a que as naves espaciais se movem em órbita — um mínimo de 7,8 quilómetros por segundo.

Na altura do lançamento do míssil antissatélite, o ministério indiano das Relações Exteriores informou que o teste era feito na baixa atmosfera “para garantir que não haveria detritos espaciais”. “Quaisquer detritos que se gerem irão desintegrar-se e voltar à Terra dentro de semanas”, juntou.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Oh, que chatice. Que atrevimento este da Índia!!!! Lixo espacial só está permitido às grandes potências. Vamos lá Trump, toca a aplicar sanções totais á Índia, então estão á espera de quê???? Ou então toca a bombardear intensamente a Índia, força nisso.

RESPONDER

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …

China anuncia fim de novas centrais a carvão no estrangeiro

Segundo os especialistas, o impacto da medida deverá depender da forma como será implementada, podendo ter um grande impacto na luta contra as alterações climáticas. Num anúncio bem recebido por ativistas e organizações ambientes, a China …

Roménia vai distribuir €200 mil a quem tiver vacinação completa contra a covid-19

A Roménia anunciou uma "lotaria de vacinação" que distribuirá prémios de até 200.000 euros entre aqueles que tiverem a vacinação completa, na tentativa de elevar a taxa de imunização, a segunda mais baixa da União …