Ministro Siza Vieira pode ser demitido por um tribunal

O ministro Adjunto Pedro Siza Vieira corre o risco de ser demitido por decisão de um Tribunal Administrativo, caso se comprove que exerceu as funções de ministro ao mesmo tempo que era sócio-gerente de um empresa.

O ministro Adjunto Pedro Siza Vieira pode ser demitido pela via judicial, caso se comprove em tribunal que exerceu as funções de ministro ao mesmo tempo que era sócio-gerente de um empresa. O próprio já admitiu que esteve nessa situação ilegal, pelo que não será difícil obter provas. A demissão está nas mãos de um Tribunal Administrativo.

A lei nº64/93, que regula o “Regime jurídico de incompatibilidades e impedimentos dos titulares de cargos políticos e altos cargos públicos”, estabelece que os titulares de cargos políticos “exercem as suas funções em exclusividade“, pelo que, no mesmo artigo, está claro que a titulares destes cargos “é incompatível com quaisquer outras funções profissionais remuneradas ou não, bem como com a integração em corpos sociais de quaisquer pessoas coletivas de fins lucrativos”.

A infração do artigo 4.º, que impõem esta exclusividade, tem como sanção a demissão, isto é, o ministro corre o risco de ser demitido por um tribunal.

Desta forma, como explica o Observador, o ministro Siza Vieira, além de deter 50% da empresa imobiliária, foi sócio-gerente entre 20 de outubro de 2017 e janeiro de 2018, o que significa que violou um dos critérios de cumprimento.

Pedro Siza Vieira reconhece esta situação de incompatibilidade, daí ter abdicado do cargo de sócio-gerente. No entanto, nos primeiros meses violou a lei, que vão prevê a possibilidade de uma retificação.

O ministro disse, esta quarta-feira, que “não tinha noção” que os cargos eram incompatíveis e que só mais tare tomou “consciência de que não se pode ser gerente, ainda que não remunerado, de uma sociedade familiar”. No entanto, o desconhecimento da lei não o iliba.

O Tribunal Constitucional tem de abrir um processo de averiguação, após detetar esta irregularidade. O processo passa assim para as mãos do Ministério Público no TC e, se se comprovar a acumulação de funções, o MP remete o processo para o Tribunal Administrativo.

Assim, caso o incumprimento seja provado, o tribunal Constitucional pode decretar a demissão do ministro Adjunto pela via judicial. Siza Vieira pode recorrer para o Supremo Tribunal Administrativo e, em última instância, para o Tribunal Constitucional – o que poderá demorar vários meses.

O jornal sublinha que só quando a decisão transitar em julgado é que o ministro poderia então ser demitido pela via judicial. Embora o desconhecimento da lei pudesse servir como atenuante, um especialista em Direito Administrativo esclarece que “não é desculpável que um jurista não conheça a lei“.

Embora o ministro ainda apareça como sócio-gerente no Registo Comercial, Siza Vieira já não está em situação de incompatibilidade. De acordo com o artigo 258.º, n.º 1 do Código das Sociedades Comerciais, “a renúncia à gerência de uma sociedade por quotas torna-se eficaz com a simples comunicação à sociedade e não depende do registo”.

Ministério Público abre investigação

Esta quarta-feira, o Ministério Público emitiu um comunicado no qual solicita ao Tribunal Constitucional um pedido de análise à declaração de incompatibilidade de Pedro Siza Vieira. O MP assume que requereu  a “abertura de vista” para que esta intervenha “se entender que se verifica incumprimento de lei”.

Assim, justifica, “uma vez concluída esta análise, o Ministério Público pode, se tiver necessidade de mais informações, requerer ao declarante a prestação de elementos complementares ou o esclarecimento de dúvidas”.

É por esse motivo que, só depois de estar concluído o procedimento, o MP poderá pronunciar-se sobre a existência – ou não – de incompatibilidades.

Costa defende ministro Adjunto

O PSD questionou, esta quarta-feira, a conduta do ministro Adjunto Siza Vieira, mas o primeiro-ministro defendeu-o e rejeitou qualquer incompatibilidade pessoal ou violação do Código de Conduta do Governo.

No debate quinzenal, Fernando Negrão centrou grande parte da sua intervenção em dois casos que envolveram o ministro Adjunto: o seu pedido de escusa de matérias relativas ao setor elétrico, depois da OPA lançada pela China Three Gorges (CTG) à EDP, e o facto de ter criado uma empresa familiar na véspera de ser empossado, tendo dito ontem desconhecer que tal era incompatível.

Sobre a empresa familiar, Costa rejeitou que haja atualmente qualquer incompatibilidade – “mal foi detetada, foi corrigida” e o ministro deixou de ser sócio – e classificou o caso como “um lapso”, admitindo que ele próprio já os teve em atrasos de entregas de declarações ao Tribunal Constitucional.

Já sobre a conduta de Siza Vieira no âmbito da OPA lançada pela CTG à EDP, Costa respondeu de forma direta a Negrão: “Sim, respeitou o Código de Conduta e não houve qualquer conflito de interesses”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Fora!!
    Já ontem era tarde!!
    Advogados manhosos no Governo nunca dão bom resultado e este, além de ser “amigo” da EDP, “desconhece” a lei!!

  2. Lapso! Quem está na politica não pode não deve ter lapsos, se voçes ao cidadão comum não aceitam lapsos, muito menos devemos aceitar de um politico. Acima de tudo é politico é a via profissional que escolheu, logo TEM de ESTAR DENTRO DE TODOS OS PONTOS E ASSUNTOS, do que DEVE, NÃO DEVE, Pode ou NÃO PODE FAZER. É o caso. Se for pelo menos homenzinho deve-se demitir por mote próprio e não estar á espera de ser demitido. Isso será CANALHICE… esta mensagem dirige-se também p/ o 1º ministro – se fosse um 1º ministro como deve ser, isto é olhar pelos interesses dos portugueses e não dos “amigos” deveria desde já destituir este sr.

  3. Ee eu me esquecer de pagar os meus impostos, tb posso dizer que foi por lapso, certo?
    o que sera que me acontece se eu me “lapsar” de os pagar?

  4. Graças ao Costa .A falta de ética e a ilegalidade passou a virtudes .Fantastico precisamos destas receitas para a nossa vidinha.Pobre povo.

  5. tanto cargos politicos como administratibos ou cargos públicos, havia de não ser permitido ligações familiares, nem intimos, nem de de qualquer ligação, isto irá sempre acontecer enquanto não for mudado, sacanas que um desgraçado se fizer um só erro é logo lixado e esses filhos da mãe tudo anda numa boa

  6. Discordo totalmente da demissão. E faz todo o sentido que o homem tenha aberto uma imobiliária na véspera de ir para o governo. Vejamos:
    – O Costa investe, e bem, no imobiliário. E faz excelentes negócios, quase de um dia para o outro. Tudo em nome da filha e do café do filho.
    – O presidente da CML também faz excelentes negócios. Num mesmo momento consegue valorizar o apartamento que vende enquanto desvaloriza brutalmente o que compra! Um feito notável!
    – 0 44 até já investe a nível internacional e, pelo que parece, nem precisa de ter dinheiro para o fazer.

    Perante tudo isto, se me convidassem para fazer parte de um governo do PS, também eu ia a correr abrir uma imobiliária.

  7. Pedro Siza só não será demitido se a Justiça não cumprir a Lei, que não podia ser mais cristalina.
    Mas como os Juízes andam comprados ( como se vê no caso de Mexia/Ivo ), o mais certo é a vergonha continuar.
    Os Políticos não estão com a melhor imagem neste país, mas a Justiça está ainda pior e a promover a CORRUPÇÃO pela inactividade e nepotismo.

Maria e Francisco foram os nomes mais populares em 2019

Maria foi, mais uma vez, o nome feminino mais popular em 2019. João foi atirado para segundo lugar, sendo destronado por Francisco. Dados do Ministério da Justiça, divulgados pela TVI24, revela que, este ano, foram registadas …

Tensão nas eleições da JSD-Porto levam à intervenção da PSP

Rodrigo Passos foi eleito, no sábado, como novo líder da JSD-Porto, substituindo Rosina Ribeiro Pereira, que deixou algumas palavras duras para comentar o que se passou no ato eleitoral. Segundo o Público, Rosina Ribeiro Pereira, eleita …

Livre não aplica sanção a Joacine, mas condena declarações da deputada

O Livre decidiu não aplicar qualquer sanção disciplinar a Joacine Katar Moreira no seguimento do conflito entre Direção e deputada que surgiu após a polémica abstenção num voto no parlamento sobre uma investida israelita na …

Rio alerta para "claro divórcio entre a sociedade portuguesa e os partidos políticos"

O presidente do PSD, Rui Rio, disse ontem, em Paredes, no distrito do Porto, haver "um divórcio entre a sociedade e os partidos", defendendo que só uma maior "abertura" das estruturas às "pessoas" pode inverter …

Megaoperação de combate à pedofilia detém mais de 30 pessoas

Mais de 30 pessoas foram detidas em onze países no âmbito de uma megaoperação de combate à pornografia infantil realizada pela Europol e pela polícia nacional de Espanha, país onde foram presos mais de metade …

Grandes hotéis acusados de ignorar tráfico sexual. Queixa em grupo relata casos de 13 mulheres

Uma ação judicial deu entrada segunda-feira em Columbus, Ohio, nos Estados Unidos (EUA), com vários grandes grupos hoteleiros a serem acusados de lucrar com o tráfico sexual, ignorando os crimes e os danos nas vítimas. Segundo …

Líder da Birmânia, Suu Kyi, vai a Haia defender o país de acusação de genocídio

A líder birmanesa Aung San Suu Kyi decidiu comparecer perante o Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) para defender o seu país da acusação de genocídio contra a minoria muçulmana rohingya, durante uma audiência de três …

Impeachment. Democratas preparam-se para avançar com duas acusações formais contra Trump

Os democratas estarão a planear apresentar esta terça-feira dois artigos de impeachment que acusam Donald Trump de abuso de poder e obstrução do Congresso. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, o Comité …

Esquema de venda de droga na darkweb. Fortuna em bitcoins fica nas mãos do Estado

Pedro e Rita vendiam droga para todo o mundo na darkweb. Agora, a fortuna em bitcoins acabou por ficar nas mãos do Estado. Pedro, um engenheiro informático, e Rita, uma web designer, montaram um esquema para …

CDS e PAN querem regime protetor do denunciante no combate à corrupção

CDS e PAN vão apresentar propostas no combate à corrupção que tem sido discutido desde segunda-feira. Os partidos querem um regime protetor do denunciante. Numa iniciativa de combate à corrupção, o CDS e o PAN vão …