Ministro garante nunca ter defendido fim das propinas. Seria “altamente populista”

José Sena Goulão / Lusa

O ministro da Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Manuel Heitor

O ministro da Ciência e do Ensino Superior garante nunca ter defendido o fim das propinas durante a Convenção Nacional do Ensino Superior. Em entrevista ao Expresso, Manuel Heitor explica que apenas se referiu à necessidade de redução das despesas das famílias com dependentes no Superior. 

“Foi algo que não disse. Já transcrevi o meu discurso [na abertura da Convenção Nacional do Ensino Superior] e já pedi ao CRUP para o publicar. O que eu digo é que o Estado tem de trabalhar na próxima década para reduzir os custos das famílias. E um exemplo disso é o programa de alojamento”, disse em entrevista ao semanário este sábado publicada.

Nunca falei nas propinas, porque os custos das famílias portuguesas são os outros quatro mil euros. E há a necessidade de alargar a ação social, pois há famílias que precisam e que ficam de fora, reiterou o Manuel Heitor.

Questionado sobre se tinha afirmado que eliminar as propinas num espaço de dez anos seria desejável, o ministro do Ensino Superior considerou que essa “tem de ser uma opção da Europa”. “Quando falo no prazo de uma década, estou a pensar num cenário de alargamento do ensino obrigatório até aos 21 anos”, disse.

De acordo com Manuel Heitor, acabar com as propinas em Portugal só seria possível num cenário em que o ensino obrigatório fosse estendido até aos 21 anos.

“A anulação das propinas em Portugal implica tornar a educação obrigatória até aos 21 anos. Não há nenhum país da Europa que o tenha feito e penso que em menos de uma década é uma discussão que não vai acontecer. Agora, com a evolução das economias do conhecimento, a Europa sabe que tem de formar mais pessoas”, sustentou.

O ministro do ensino Superior apontou que, no momento, só há quatro países em que a escolaridade obrigatória vai até aos 18 aos: Portugal, Holanda, Bélgica e Alemanha. Em todos os outros países, notou, a escolaridade obrigatória termina aos 15 ou 16. Por isso mesmo, considerou, a questão europeia passará por saber se haverá um aumento da idade obrigatória.

“Eu nunca falei em propinas na minha intervenção. A única vantagem desse equívoco foi ter trazido o Ensino Superior para o debate. Mas eu não disse que iam acabar. Acho que ninguém disse. E acho que é uma medida altamente populista. Mas era bom aumentar a franja de alunos apoiados”, reiterou Manuel Heitor.

Questionado sobre se faria sentido aplicação de um teto máximo nas propinas dos mestrados, o ministro defendeu que não acredita que a solução passe por aí. Para Manuel Heitor, a ação social seria a melhor forma: “O que queremos é garantir que quaisquer alunos com competência para frequentar um curso o possam fazer, independentemente de virem de famílias mais vulneráveis e do valor das propinas”.

Duas décadas pós-Bolonha, há ainda muito por fazer

O ministro deu a entrevista ao jornal Expresso no ano em que se assinalam duas décadas após a assinatura da Declaração de Bolonha, que marcou o início da construção de um Espaço Europeu do Ensino Superior. O pós-Bolonha mudou muito e para melhor o sistema de Ensino Superior português, defende Manuel Heitor, frisando, contudo, que falta modernizar a forma como se ensina.

“Um mestrado de Bolonha dá muito mais competências e uma formação mais sólida do que as antigas licenciaturas de cinco anos. O processo de Bolonha melhorou muito a formação inicial. O corpo docente e as instituições são mais sólidas e faz-se muito mais investigação. Por isso, não acho justo dizer que é igual. Essa discussão existe sem- pre que há mudanças”, considerou.

Apesar da evolução, há ainda “um longo caminho a percorrer na modernização dos processos de ensino/aprendizagem, tornando-os mais ativos e participativos do lado dos estudantes. A noção de ‘sala invertida’ é cada vez mais uma realidade a dinamizar, assim como uma melhor articulação entre ensino e investigação”, rematou.

SA, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

50 anos de monarquia e uma guerra de dias. A pandemia "matou" a micronação mais antiga da Austrália

O reinado de 50 anos de uma micronação na Austrália chegou ao fim devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, que fez com que o autodeclarado principado se rendesse ao país. Hutt River, um principado …

NASA vai rebatizar planetas e outros corpos celestes com nomes ofensivos

A agência espacial norte-americana (NASA) anunciou que vai rebatizar alguns planetas, galáxias e outros corpos celestes que possuem nomes "ofensivos". Em comunicado publicado esta quinta-feira, a NASA explica que vai abandonar os nomes "não-oficiais" a …

O maior parque de crocodilos da Índia está à beira da falência. Abriga mais de 2.000 animais

O maior parque de crocodilos da Índia, localizado perto da cidade de Chennai, no sul do país asiático, encontra-se à beira da falência depois de a pandemia de covid-19 ter obrigado a fechar o espaço …

Campanha científica acrescenta mais de 37 mil quilómetros quadrados ao mapa do mar português

A campanha científica que o navio hidro-oceanográfico D. Carlos I da Marinha Portuguesa realizou durante nove semanas nos Açores, para levantamentos hidrográficos, permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português”. Numa …

Apesar dos alertas, houve quem plantasse as sementes misteriosas da China (e já começaram a crescer)

Durante as últimas semanas, pessoas em todo o mundo têm recebido, sem ter encomendado, nas suas caixas de correio sementes com origem na China. Apesar dos avisos em contrário, houve quem plantasse os misteriosos presentes. As …

Marcelo veta redução de debates sobre a Europa. Não foi uma "solução feliz"

O Presidente da República vetou esta segunda-feira a redução do número de debates em plenário para o acompanhamento do processo de construção europeia de seis para dois por ano, defendendo que não foi uma “solução …

Boris Johnson admite alargar quarentena a mais países

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta segunda-feira alargar o sistema de quarentena a pessoas que cheguem de países atualmente isentos para reduzir o risco de infeção com a doença covid-19 no Reino Unido. "No contexto …

Novo lay-off. Ajuda da Segurança Social para pagar subsídios de Natal pode chegar só em 2021

O apoio ao pagamento do subsídio de Natal previsto pelo Governo para apoiar as empresas no âmbito do novo regime de lay-off, que entrou em vigor em agosto, poderá só ser pago pela Segurança Social …

Trump abandona conferência de imprensa após ser confrontado por jornalista com mentira que disse 150 vezes

O Presidente norte-americano abandonou uma conferência de imprensa, este sábado, depois de ter sido confrontado por uma jornalista com uma mentira que já terá dito mais de 150 vezes sobre cuidados de saúde para os …

Olavo Bilac pede desculpa por ter atuado num comício do Chega

O cantor Olavo Bilac recorreu à sua conta de Facebook para pedir desculpa aos seus fãs e aos seres pares do setor por ter atuado num comício do Chega, frisando não ter qualquer relação com …