Empresa de mineração faz explodir cavernas sagradas aborígenes com 46 mil anos

Um local sagrado aborígene com 46 mil anos no oeste da Austrália foi destruído por uma empresa de mineração para permitir minerar mais ferro na região.

As cavernas de pedra Juukan Gorge 1 e 2 – dois locais de grande significado cultural e histórico – foram destruídas numa explosão no último fim de semana, disse um porta-voz da empresa e mineração Rio Tinto, em declarações à ABC News.

Os dois abrigos milenares localizavam-se a 60 quilómetros a noroeste do monte Tom Price, a oeste do planalto de Hamersley. Segundo a Ngaarda Media, trabalhos arqueológicos anteriores mostraram que as cavernas foram ocupadas pela primeira vez pelos aborígines há mais de 46.000 anos, tornando-as algumas das cavernas habitadas mais antigas do planalto.

Uma escavação das cavernas em 2014 revelou um tesouro de artefactos significativos que datam de há 28 mil anos, incluindo ferramentas e objetos sagrados.

Na caverna, foi ainda encontrada uma madeixa de cabelo humano numa trança que tinha cerca de quatro mil anos. A análise genética dos cabelos mostrou que as pessoas que viveram nestas cavernas há milhares de anos são os ancestrais diretos dos atuais proprietários tradicionais da região, os povos Puutu Kunti Kurrama e Pinikura (PKKP).

Dada a importância do património cultural do povo PKKP, a demolição das cavernas é, para eles, um golpe. “É terrível. E é realmente emocionante quando se ouve que os sítios foram destruídos, a idade desses sítios e que o povo Puutu Kunti Kurrama e o povo Pinikura têm uma conexão direta com esse sítio. É onde os nossos ancestrais ocuparam o país”, disse Burchell Hayes, diretor da PKKP Aboriginal Corporation e membro do Comité de Terras de Kurrama, disse à Ngaarda Radio.  “É muito, muito difícil engolir – já não está lá”.

A autorização para a demolição foi concedida pelo Ministro dos Assuntos Aborígines em 2013, de acordo com a Lei do Património Aborígene de 1972, que foi elaborada para favorecer as oportunidades de mineração.

A lei de 48 anos foi criticada por estar desatualizada e ser insensível às preocupações aborígines. A lei declara que qualquer atividade que possa destruir ou interromper qualquer sítio aborígine deve ser aplicada primeiro ao Comité de Materiais Culturais Aborígines. No entanto, não existe um requisito estatutário para uma pessoa indígena estar no comité e não há direito de apelar contra uma decisão do comitê.

De acordo com a AFP, a Rio Tinto, empresa multinacional de mineração responsável pela destruição, defendeu as suas ações em comunicado: “Em 2013, foi concedido consentimento ministerial para permitir à Rio Tinto realizar atividades nas minas de Brockman 4 que impactariam os abrigos de pedra Juukan 1 e Juukan 2. A Rio Tinto trabalhou construtivamente em conjunto com o povo PKKP numa variedade de assuntos patrimoniais nos termos do contrato e, onde praticável, modificou as suas operações para evitar impactos no património e proteger locais de importância cultural para o grupo”.

A Lei do Património Aborígine de 1972 está atualmente sob revisão, na tentativa de impedir que situações como esta surjam no futuro.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • Uma resposta racista. A Humanidade nasceu em África e invadiu todas as outras terras. Todos somos descendentes de invasores. O grande problema é haver a distinção entre aborígenes e australianos. Distinção baseada em raça. Só deveria haver australianos.

  1. A humanidade nasceu em África, sim…E se expandiu, evolui por todas as terras. Depois que as mutações genéticas, diferenças culturais e propriedade de territórios se tornaram evidentes começaram as invasões e o preconceito contra o semelhante que aparenta ser diferente!

  2. A humanidade nasceu em África, sim… Evoluiu e se expandiu, por todas as terras. Depois que as mutações genéticas, diferenças culturais e propriedade de territórios se tornaram evidentes, começaram as invasões e o preconceito contra o semelhante que aparenta ser estrangeiro e diferente !

Responder a Eu! Cancelar resposta

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …

Trump promove falsa teoria de que Kamala Harris não nasceu nos EUA (e que não será elegível para vice)

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que ouviu que Kamala Harris, candidata democrata à vice-presidência da Casa Branca, não era elegível para o cargo, com base num boato que sugeria que pode não …