Militar que ouviu chamada de Trump diz que a transcrição oficial tem duas omissões

Shamn Thew / EPA

O tenente-coronel Alexander Vindman

O tenente-coronel Alexander Vindman, que fez parte do grupo seleto de pessoas que ouviram a controversa chamada entre Donald Trump e o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que a transcrição oficial que resultou daquela chamada tem algumas omissões.

Foi essa a maior revelação do seu depoimento, que respondeu na terça-feira às perguntas da comissão de inquérito que a Câmara dos Representantes pôs em marcha quando os democratas aprovaram o início do processo de ‘impeachment’ contra Donald Trump. Alexander Vindman ouviu a conversa por ser o maior especialista no Conselho de Segurança Nacional no tema da Ucrânia, noticiou o Observador esta quarta-feira.

De acordo como seu relato à porta fechada, do qual o New York Times foi informado por fontes daquela comissão de inquérito, o tenente-coronel disse que a transcrição oficial da chamada não incluiu uma referência que Donald Trump terá feito sobre uma suposta gravação do ex-vice-Presidente Joe Biden a falar de corrupção na Ucrânia.

A outra omissão, continuou o Observador, dirá respeito a uma vez em que o Presidente da Ucrânia falou diretamente da Burisma Holdings, a empresa de energia para a qual o filho de Joe Biden, Hunter Biden, trabalhou.

Sem explicar quais terão sido os motivos por trás dessas omissões, Alexander Vindman referiu ainda que o primeiro rascunho da transcrição contava com outras ocasiões em que esta não refletia o verdadeiro conteúdo da conversa. Essas omissões, porém, e ao contrário daquelas duas, acabaram por ser corrigidas e incluídas na transcrição final da chamada.

Chamadas nunca são gravadas

A seguir à administração de Richard Nixon, as chamadas telefónicas dos presidentes dos EUA com líderes estrangeiros deixaram de ser registadas com uma gravação áudio. Em vez disso, aquele registo passou a ser feito por escrito, havendo para esse efeito anotadores responsáveis por transcreverem em tempo real a chamada.

Mais recentemente, continuou o Observador, esses anotadores passaram a contar com a ajuda de um ‘software’ de reconhecimento de discurso que, sem gravar um ficheiro áudio, faz uma transcrição da conversa.

Além de referir aquelas duas supostas omissões, Alexander Vindman disse à comissão de inquérito da Câmara dos Representantes que o alegado pedido que Donald Trump está a ser acusado de fazer ao Presidente da Ucrânia poderia colocar em causa a segurança nacional dos EUA.

O tenente-coronel refere-se ao pedido de Donald Trump para que aquele país investigasse a passagem de Hunter Biden pela Burisma Holdings, numa altura em que os EUA tinham suspendido um pacote de ajuda militar de que a Ucrânia, em guerra com milícias pró-Rússia, necessitava.

“Não creio que tenha sido adequado exigir que o governo estrangeiro investigasse um cidadão dos EUA e fiquei preocupado com as implicações [que isso podia ter] no apoio do Governo dos EUA à Ucrânia”, disse aquele especialista em assuntos ucranianos do Conselho de Segurança Nacional. “Tudo isto iria prejudicar a segurança nacional dos EUA”.

Trump tenta lançar dúvidas sobre testemunho

O testemunho de Alexander Vindman foi mal recebido por Donald Trump, que reagiu no Twitter. “Porque é que há pessoas sobre as quais eu nunca ouvi nada a testemunhar sobre a chamada? Simplesmente leiam a transcrição da chamada e a conspiração do impeachment está terminada. A Ucrânia disse [que não houve] nenhuma pressão”, escreveu o Presidente dos EUA.

Noutra publicação, Donald Trump perguntou: “Quantos mais Never Trumpers é que vão testemunhar sobre uma chamada completamente adequada quando o que todos têm a fazer é ler a transcrição?”. “Never Trumper” é o termo utilizado para descrever pessoas do Partido Republicano que se opuseram, e opõem, a Donald Trump.

Além do próprio Presidente, houve comentadores da direita norte-americana que saíram a público para lançar a ideia de que o tenente-coronel Alexander Vindman não tinha os interesses dos EUA em primeiro plano, podendo inclusive estar a agir como um espião. Nenhuma destas insinuações foi acompanhada de provas.

Alexander Vindman nasceu na Ucrânia, país do qual emigrou com os pais aos três anos para os EUA. Foi ali que foz toda a sua formação académica e militar, tendo chegado a cumprir uma missão no Iraque. Por ter sido ferido em combate, recebeu a condecoração Purple Heart (Coração Púrpura).

“Aqui temos um funcionário da segurança nacional dos EUA que está a aconselhar a Ucrânia ao mesmo tempo que trabalha na Casa Branca e que, aparentemente, está a ir contra os interesses do Presidente”, disse a apresentadora e comentadora da Fox News Laura Ingraham.

A sua convidada em estúdio, John Yoo, que fez parte da administração de George W. Bush, respondeu que achava que aquilo era “inacreditável” e acrescentou: “Há quem chame àquilo espionagem“.

Na CNN, o ex-congressista republicano Sean Duffy também disse que “parece claro que ele está imensamente preocupado com a defesa da Ucrânia, [mas] não sei se está preocupado com as políticas da América”. “Todos nós temos uma afinidade com a terra de onde vimos”, acrescentou. “Tal como eu tenho, estou certo que Vindman tem a mesma afinidade”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Um dos maiores telescópios do mundo ficou gravemente danificado devido a um cabo partido

O radiotelescópio de Arecibo, um ícone da busca para entender o Universo, sofreu graves danos como resultado do rompimento de um cabo. A causa da quebra e quanto tempo o telescópio demorará a ser consertado …

Pumpkin Island já custou 78 dólares. Agora pode comprá-la por 17 milhões

Se ainda não decidiu onde passar férias fica aqui uma dica: uma ilha privada na costa da Austrália está à venda por 17 milhões de dólares (cerca de 14,5 milhões de euros). A Pumpkin Island …

Desaparecem oito mulheres por dia no Peru, mais três do que antes da pandemia

O número de mulheres desaparecidas no Peru, um fenómeno endémico no país, subiu de cinco por dia, em média, para oito, desde a quarentena decretada para travar a pandemia de covid-19, indicou o provedor de …

EUA já gastaram quase tanto com a covid-19 como com a II Guerra Mundial

Até ao momento, os Estados Unidos da América gastaram quase tanto com a pandemia de covid-19 como gastaram com a II Guerra Mundial. A Segunda Guerra Mundial travou-se entre 1939 e 1945 e deixou milhões de …

Sporting recusou proposta de 32 milhões por Joelson Fernandes

O Sporting CP rejeitou uma proposta de 32 milhões de euros do Arsenal por Joelson Fernandes. Os 'leões' pedem 45 milhões pelo jovem extremo de 17 anos. Continua o leilão pela promessa sportinguista Joelson Fernandes. Depois …

CIA tentou desenvolver um "drone-pássaro" nuclear para espiar a União Soviética na Guerra Fria

Durante a Guerra Fria, a CIA tentou desenvolver um drone nuclear do tamanho de um pássaro para espiar a União Soviética e outros países do bloco comunista. Porém, o projeto nunca foi concluído. De acordo com …

Para combater o desperdício, China acaba com os banquetes tradicionais

Conhecidos pela gastronomia e pelo bom apetite, os chineses terão de adotar a austeridade, invertendo a tradição, que exige que sejam servidos à mesa tantos pratos quantos forem os convidados e mais um. A nova regra …

Com apenas 4 dólares é possível dormir na última Blockbuster. E ainda participa na festa pijama

Já sente saudades de sair de casa para ir alugar um filme e comprar umas pipocas? A última loja da icónica Blockbuster está agora disponível no Airbnb. A antiga loja da cadeia americana pode ser …

Espanha com quase mais 3.000 novos casos. É o maior aumento desde maio

Espanha registou o maior número de infeções de covid-19 desde o final de maio, com 2.935 novos casos nas últimas 24 horas, anunciou o Ministério da Saúde, ressalvando que o balanço inclui dados de Madrid …

Escolas devem reabrir normalmente. Governo preparado para decisões diferentes

As escolas devem reabrir em situação de normalidade e só uma evolução negativa da pandemia levará a decisões contrárias, de maior ou menor alcance, que o Governo disse esta quinta-feira estar preparado para tomar. Na conferência …