Por George Floyd, milhares de portugueses manifestam-se contra o racismo

Manuel de Almeida / Lusa

Manifestação antirracista e antifascista – “Black Lives Matter” em Lisboa.

Milhares de portugueses manifestaram-se, este sábado, contra o racismo em Lisboa, Porto, Braga, Coimbra e Viseu. Em causa está a morte de George Floyd, nos Estados Unidos.

Mais de cinco mil pessoas participaram hoje à tarde numa manifestação em Lisboa contra o racismo denominada “Vidas Negras Importam”, a evocar os protestos que ocorreram nos Estados Unidos e porque em Portugal “também há intolerância”.

De forma pacífica, ao longo de mais de duas horas e meia, os manifestantes percorreram os cinco quilómetros que separam a zona da Alameda, junto à Fonte Luminosa, até à Praça do Comércio, na Baixa.

Com bombos a marcar o ritmo, o ‘grito’ de protesto mais ouvido foi “Black Lives Matter” (Vidas Negras Importam), mas os cartazes que muitos seguravam tinham centenas de outras mensagens como “não quero ter medo da PSP”, “a quem ligamos quando a polícia mata”, “stop killing us” (parem de nos matar), “isto não é um filme americano” ou “a roupa para lavar é a única coisa que se deve separar por cores”.

“Estamos saturados”, disse à Lusa Catarina Gomes, de 34 anos, ainda antes do início da manifestação, explicando que os negros “continuam a sentir racismo em várias situações do dia a dia”, mesmo em Portugal.

“Cada vez há mais intolerância, as pessoas estão frustradas, muitas vezes por razões económicas, e começam a ser intolerantes”, acrescentou.

Ao longo da Avenida Almirante Reis, que liga o Areeiro ao Martim Moniz, das varandas muitas pessoas também acenavam e batiam palmas à passagem da manifestação.

À frente, vários agentes da PSP ‘abriam’ caminho aos manifestantes e, apesar de um dos motes da concentração ser a violência policial, em momento algum houve gestos menos próprios contra a polícia ou palavras de desagrado.

Um dos agentes que acompanhava a manifestação disse à Lusa que, no total, terão estado presentes entre cinco a seis mil pessoas.

Para Valentina, de 17 anos, esta foi a sua ‘estreia’ em manifestações contra o racismo e hoje decidiu sair à rua porque há pessoas que não nasceram “privilegiadas” como ela.

“Em Portugal claramente há racismo”, salientou, defendendo que para si “todos merecem os mesmos direitos”. “Merecem estudar igual a nós, são julgados pela cor e não devia ser assim”, notou.

À passagem pela sede do BE, quase a chegar ao Martim Moniz, os manifestantes saudaram a coordenadora bloquista, Catarina Martins, com palmas e gritos de “o povo unido jamais será vencido”. Da varanda do edifício, Catarina Martins acenou e bateu palmas.

Entre outros dirigentes do BE, a deputada Beatriz Gomes Dias esteve também na manifestação porque a luta contra o racismo não é uma questão partidária, “mas uma questão de cidadania, de direitos das pessoas”.

Encostado a um sinal de trânsito, já na Praça do Comércio, Carlos, de 38 anos, esperava pela chegada dos manifestantes, com um pé em cima de um ‘skate’ já com bastantes marcas de uso.

À Lusa explicou que decidiu participar “em solidariedade e apoio com todas as vítimas de preconceito e racismo”, situações que, por vezes, também acontecem em Portugal.

“Mas, alguma coisa está a mudar”, considerou, apontando para o número de pessoas que decidiram hoje ‘gritar’ contra o racismo” e que “ninguém imaginava que pudesse ser tão grande”.

Contudo, em tempos de pandemia de covid-19 também a saúde importa e, por isso, Carlos manteve-se sempre um bocadinho “à margem” do aglomerado de manifestantes. Pois, embora quase todos estivessem de máscara, o distanciamento social imposto pela prevenção da covid-19 esteve bastante longe de ser cumprido.

Mais de mil pessoas no Porto

Jani, 26 anos, natural da Guiné, foi uma das “mais de mil” pessoas, segundo a organização, que este sábado se uniram, no Porto, em manifestações contra a precariedade laboral e contra o racismo.

Em declarações à Lusa, a guineense, a residir em Portugal desde criança, reconheceu que nunca foi vítima de racismo, mas disse não poder ficar “indiferente” ao que se passa. “O que aconteceu a George Floyd, nos EUA, é uma coisa que pode acontecer comigo a todo o momento, porque há uma coisa que temos em comum, que é a cor da pele”, disse.

“O que matou George Floyd naquele dia não foi o facto de ele ter tentado passar uma nota falsa, o que o matou foi a cor dele. No dia 25 de Maio, em que comemoramos o dia da África, nesse dia África sofreu. 2020 tem sido um ano muito pesado não só pela pandemia, mas por situações claras de racismo, temos estado a sofrer e só queremos os nossos direitos e nada mais”, acrescentou a jovem guineense.

Para a Praça da Cordoaria, frente à antiga Cadeia da Relação do Porto, foi marcada, para as 17h00, a marcha “Resgatar o Futuro, não o lucro”, para depois seguirem até à Avenida dos Aliados, juntando-se à manifestação contra o racismo e contra o fascismo, organizada por um conjunto de associações.

Joana Cabral, dirigente do SOS Racismo disse à Lusa que as manifestações de hoje, que acontecem também noutras cidades portuguesas, são para protestar contra o que se passou no EUA, mas também “contra o que se passa no Brasil, em Portugal, em Viseu, em Lisboa, na Amadora e no Porto”.

“Não podemos esquecer esta história longa que não fez como última vítima George Floyd, vai continuar a fazer muitas outras. Temos de sair da nossa zona de conforto”, disse, referindo que as duas manifestações do Porto se uniram porque “reúnem gente que vem lutar por causas que são aparentemente mais particulares, mas que, no fundo, facilmente percebemos que fazem parte da mesma luta”.

E acrescentou: “É contra o racismo, contra o capitalismo e contra a precarização do trabalho. É preciso lembrar que uma parte significativa das pessoas precárias e que asseguraram uma parte significativa do trabalho que manteve a sociedade a funcionar durante a quarentena são, em muitos casos, pessoas com pertença a grupos étnico raciais vulneráveis e, muitas vezes, pobres”.

Da organização da marcha “Resgatar o futuro”, Raquel Azevedo, dirigente dos Precários Inflexíveis, explicou à Lusa que se pretende, sobretudo, “lutar por novas escolhas, direitos mais iguais, exigir um emprego com direitos e assegurar que os mais afectados por esta crise pandémica têm a protecção social que lhes é devida”.

“Não queremos novamente ver nas nossas vidas uma segunda crise e, por isso, queremos fazer parte de uma solução que permita o combater o desemprego, a exploração e à precariedade”, acrescentou.

Cerca das 17h30, meia hora após o inicio da concentração já eram cerca de 350 manifestantes junto à Cordoaria mas muitos, a grande maioria jovens, ainda estavam a chegar. No Porto, a manifestação deveria terminar cerca das 19h30, na Avenida dos Aliados, onde, cerca das 19h00, se concentravam “mais de mil pessoas”, segundo Raquel Azevedo.

Os protestos em Portugal visam também repudiar a designação pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dos movimentos antifascistas como grupos terroristas.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

    • Isso é verdade…e ainda por cima paga na origem. Não sei se os outros foram pagos também ou foram à boleia…

  1. Onde esteve o respeito pelas regras de saúde publica???
    Não são 10 no limite… e o que faz a policia? nada…
    Enfim… só nos funerais é que não pode haver concentrações… e nas actividades do PCP…

  2. O primeiro sinal de racismo é o nome de quem organiza estas “manifestações” Black Lives Matter!!!

    Porque não All Lives Matter… será que só as pretas interessam?

  3. Sem fazer qualquer consideração sobre as manifestações, quero só relembrar que a SOS Racismo é a maior promotora do racismo em Portugal!!

  4. Todas as vidas importam!

    (Deixem-se de ‘tretas’ de racismo sistémico — já agora só falta começar a campanha para ‘abolir’ a Polícia também em Portugal — sim, todos aqueles que cometem actos de racismo, sejam quais forem, que sejam julgados e perante provas ‘paguem’ pelo crime que fizeram, agora generalizações? – Get a life!)

    Continuo a dizer: Todas as vida importam!

  5. Estas manifestações metem nojo. Racistas são eles e chamam isso aos outros. Isso só serve para agravar mais os ódios que têm uns pelos outros.

  6. Cambada de hipócritas, quando morreu um ucraniano às mãos das autoridades do SEF, ninguém levantou um dedo. Quando desaparecem ou morrem portugueses em África ninguém se manifesta. Mas no que toca a levantarem o rabo do sofá para auto-intitularem os compatriotas portugueses de racistas, ora aí já se levantam. Reina a estupidez e hipocrisia, mesmooo. Os que andam em manifestação têm bom remédio, ponham-se a andar, estão mal…mudem-se!

  7. Quanto a confinamento nada, tudo vale para descarregarem na prática a sua ponta de raiva racista, não é que eu não esteja contra a acção dos polícias americanos que é condenável e inadmissível, mas em muitas manifestações sobretudo na América a prática tem sido pilhagem, incêndios e agressões, afinal mau exemplo de quem tanto parece exigir respeito e cidadania.

  8. Pelos vistos os racistas puderam ir manifestar-se à vontade e aos milhares. A agenda política sempre a falar mais alto. Aproveitam todas as oportunidades para semear a anarquia, a divisão, o preconceito, cultivar a vitimização e o parasitismo, e minar as bases da sociedade. E os pobres de espírito e a matilha do politicamente correcto deixam-se levar na propaganda e no doutrinamento. A lei é igual para todos. A igualdade existe e é objectiva. Não há nenhuma lei que fale em pretos e brancos. Quem cumpre a lei não tem problemas. Quem procura uma vida digna não tem problemas. Quem contribui com algo para a sociedade não tem problemas. Quem não cumpre a lei, sejam os polícias ou os ladrões, tem que enfrentar a justiça. É assim simples. E os bandalhos são sempre bandalhos. Os bandalhos de um grupo específico não podem passar a ter estatuto privilegiado.

  9. Proponho que se acrescente o seguinte artigo na Constituição Portuguesa: “Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.” Ups! Espera aí! Afinal já existe. É o número 2 do Artigo 13.º! E o número 1 reza, “Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.” Existe o Tribunal Constitucional para quem não respeite estes princípios. Se alguém tem mais sugestões, que faça o favor de as dar.
    Enfim, muitos, a maioria certamente, são só uns jovens que não conhecem a Constituição nem aprenderam na escola o que foi o Apartheid na África do Sul, um resultado das “superiores” (ironia) políticas “civilizadoras” coloniais holandesa e britânica. Outros, uma minoria certamente, são agitadores profissionais com agendas privadas.

  10. Haverá uma prova mais clara do colonialismo americano? O protesto deveria ter sido sobre a bandeira “american lives matter”.

RESPONDER

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …