Miguel Macedo escondeu ao Estado negócio no Brasil

Manuel de Almeida / Lusa

O ex-ministro da Administração Interna, Miguel Macedo

Um dos factos revelados na Operação Labirinto são os negócios de Miguel Macedo no Brasil, que o ex-ministro não terá declarado quando era deputado e membro do Governo.

O Jornal de Notícias deste sábado relata que Miguel Macedo, acusado dos crimes de tráfico de influência e prevaricação, escondeu ao Parlamento e ao Tribunal Constitucional negócios no Brasil que envolviam também Jaime Gomes e António Figueiredo, os dois principais acusados do processo vistos Gold.

De acordo com o despacho de pronúncia do tribunal central de instrução criminal, a que o jornal teve acesso, os negócios foram realizados na altura em que era deputado na Assembleia da República e já como membro do Governo liderado por Passos Coelho.

O Observador descreve que Miguel Macedo e Jaime Gomes terão sido sócios de uma empresa brasileira chamada Tecnobras, constituída em julho de 2011, já depois de Macedo ter tomado posse como ministro da Administração Interna.

A empresa, criada para angariação de clientes usando alguns testas de ferro, teria como sócios, segundo o Ministério Público, António Figueiredo, Jaime Gomes, Miguel Macedo e o luso-brasileiro Paulo Elísio de Souza, presidente da Câmara do Comércio e Indústria do Rio de Janeiro.

A Operação Labirinto está relacionada com a aquisição de Vistos Gold e em causa estão crimes de corrupção ativa e passiva, recebimento indevido de vantagem, prevaricação, peculato de uso, abuso de poder e tráfico de influência. A TVI24 salienta que, apesar da questão desta omissão não ter consequências criminais, do ponto de vista do Ministério Público demonstra a teia de cumplicidades entre Miguel Macedo e outros dois acusados no processo dos vistos gold.

Aliás, todos os crimes imputados a Miguel Macedo, que terão que ser provados em julgamento, têm em comum o empresário Jaime Gomes, um dos melhores amigos do ex-ministro, que também será julgado por um crime de corrupção passiva para ato ilícito, um crime de prevaricação e dois crimes de tráfico de influência.

De acordo com o Observador, como “facilitadores de contactos com entidades públicas e privadas“, Miguel Macedo e Jaime Gomes terão tido contrato com o grupo Often (2008), assim como contactos com José Santa Clara (Grupo Bragaparques) com o propósito de explorar – sem sucesso – hipóteses de negócio na área de Parcerias Público-Privadas no Brasil.

No processo dos Vistos Gold são também acusados o antigo presidente do Instituto de Registos e Notariado, António Figueiredo, o ex-diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Manuel Jarmela Palos, a ex-secretária-geral do Ministério da Justiça, Maria Antónia Anes, e alguns empresários chineses.

ZAP

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Mais um santo que irá dizer que não se lembra de nada.
    Este até devia devolver o que mamou ilicitamente em subsidio de alojamento.

  2. Pois é, primeiro cavaco com amigos corruptos até aos dentes que nos (des)governaram agora é a vez da verdade sobre passos e os seus amigos também vir ao de cima!Esta é a verdadeira direita!A esquerda também os tem mas pelo menos ainda vai respeitando o povo!

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …