/

MH370. Investigador diz que foi usado um avião chamariz durante “desaparecimento forjado”

17

(cv)

Andre Milne acredita que foi usada uma aeronave chamariz para enganar e causar a impressão de que os Estados Unidos foram responsáveis pelo sequestro do voo MH370 da Malaysia Airlines.

O investigador voluntário Andre Milne afirma que havia dois aviões a rasgar o céu: um que sobrevoou as Maldivas e aterrou no mar de Andaman e o verdadeiro MH370, que voou supostamente para o norte do Camboja, de acordo com as explicações das testemunhas nos dois locais.

No dia 8 de março de 2014, dia do desaparecimento do MH370, os moradores da ilha de Kudahuvadhoo, nas Maldivas, relataram ter visto e ouvido um “Jumbo Jet a voar a baixa altitude” sobre as suas casas, avança o Haveeru Daily.

Estas declarações levantaram rumores de que o avião poderia estar a voar em direção a Diego Garcia, uma ilha onde se situa a base militar norte-americana, no sul das Maldivas.

A testemunha Raja Dalelah Raja Latife já havia relatado ter visto um avião parcialmente submerso no oceano ao largo das ilhas Andaman, durante um voo para Kuala Lumpur naquele mesmo dia. Milne afirma que este facto foi confirmado por satélites militares russos, apesar de não ter sido apresentada qualquer prova nesse sentido.

“A hipótese de que o MH370 foi levado para Diego Garcia é exatamente o que os sequestradores queriam que as pessoas acreditassem. Os aviões voaram muito baixo sobre os atóis das Maldivas para serem vistos por testemunhas credíveis com o único objetivo de criar uma falsa ilusão de que os Estados foram os responsáveis“, sublinhou.

O investigador acrescenta que isto significa que há dois locais viáveis para investigação – a baía de Bengala, onde o avião chamariz supostamente caiu, e o local no Camboja identificado por outro perito, Daniel Boyer. Ambos os investigadores acreditam que o verdadeiro MH370 aterrou na selva.

“Depois da análise comparativa das declarações das testemunhas e dos dados dos primeiros 84 minutos do desaparecimento do MH370, tornou-se evidente que uma aeronave totalmente independente foi usada durante o desaparecimento forjado do avião”, afirmou Milne, acrescentando que o relatório oficial do MH370 da Força Aérea Real da Malásia tem dados discrepantes.

“É impossível que a aeronave desaparecida seja identificada em dois locais totalmente diferentes no mesmo período de tempo. A única conclusão lógica é que um avião chamariz foi usado durante o desaparecimento forjado do MH370″, remata o investigador.

O MH370 desapareceu a 8 de março de 2014, na rota de Kuala Lumpur para Pequim com 239 pessoas a bordo. Após vários anos de tentativas infrutíferas de localizar os restos do avião, o Governo da Malásia concluiu a busca em maio do ano passado, admitindo não saber o que aconteceu com a aeronave.

  ZAP // SputnikNews

17 Comments

      • Iury: Também iam muitas pessoas a bordo que convinha que desaparecessem e não se soubesse o que andavam a fazer. Pesquise quem lá viajava.

        Esta teoria que foram levados para Diego Garcia já é sabida logo quase desde o início do desaparecimento, nada de novo aqui…

  1. A história tem muitos contornos indefinidos.
    Quando há um acidente, os destroços aparecem, mais cedo ou mais tarde. (recordam o jumbo da Air France?)
    Certamente haiva algo (ou alguém?) naquele avião demasiado interessante/importante para fazê-lo desaparecer sem deixar rasto, literalmente.

  2. Foram raptados pelos nazis do polo sul para renovação de sangue germânico com chineses. Assim vão ser aceites na nova ronda tecnológica.

  3. Isto é tudo treta e estes comentadores são uma cambada de lerdos que não percebem nada do espaço. O que se passou, ou como diria o Luís Filipe Vieira, o que passou-se foi que uma nave espacial alienígena veio à Terra sacar os gajos para fazer experiências. Estas estão a ter lugar no lado obscuro da Lua. Por que razão acham que os Chineses andam lá a inspecionar? Até porque toda a gente sabe que os Chineses vieram do espaço a bordo da nave USS Enterprise guiada pelo Spock, aquele gajo das orelhas bicudas. E o pior é que o Trump também é um ET mas de outra espécie. Agora andam ao molho aqui na Terra mas isto vem de outros tempos e outras paragens. Abram os olhos! E de preferência deem um jeito nas orelhas para ficarem bicudas e vão compreender melhor a realidade. Venham daí os brasileiros comentar esta!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.