Apenas metade dos alunos que entram mais tarde no secundário têm sucesso escolar

Basta entrar um ano mais tarde no secundário para ter insucesso escolar. Metade dos alunos dos alunos que o fazem ficam retidos ou desistem. Entre os que iniciam um curso científico-humanístico com a idade normal, isso só acontece com 27%.

As conclusões foram divulgadas num estudo sobre o ensino científico-humanístico, conduzido pela Direção-Geral de estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), que avaliou a situação dos alunos inscritos nos cursos científico-humanísticos, três anos depois do ano letivo em que entraram.

Começar mais tarde pode ser associado a retenções prévias durante o ensino básico e, por isso, é uma métrica do impacto dos chumbos no sucesso escolar. Quanto mais chumbos houve, maior é o insucesso. Só 12% dos estudantes que começam aos 18 termina no tempo previsto – três anos – e 38% acabam por desistir.

Os alunos que não beneficiam de apoio social escolar (ASE) e os que frequentam escolas privadas durante o ensino secundário têm uma melhor prestação do que os seus colegas que beneficiam de ASE e frequentam escolas públicas. Segundo o Público, é entre os alunos que recebem mais apoio ASE que os resultados são piores.

Menos de metade (45%) termina o secundário nos três anos esperados. Este dado “é habitual em muitos outros níveis de ensino e ofertas formativas”.

O Algarve e Lisboa são as regiões onde os alunos menos concluem o secundário no tempo esperado, 51% e 54%, respetivamente. A taxa de sucesso é maior no Norte (64%). Entre os alunos inscritos nos cursos de Ciências e Tecnologias (63%) o sucesso também é maior do que nos restantes cursos: Línguas e Humanidades, Ciências Socioeconómicas e Artes Visuais.

Ainda assim, os dados da DGEEC mostram que há cada vez mais alunos a concluir o secundário no tempo previsto.

Os cursos profissionais

Em Agosto, a DGEEC fez uma análise de percursos semelhante, mas para os estudantes dos cursos profissionais, que já são 28% do total de inscritos.

“A percentagem de alunos que se transfere para outras ofertas educativas a meio do seu percurso no ensino secundário é significativamente superior entre os alunos que ingressam nos cursos científico-humanísticos (cerca de 10%) do que entre os que optam pelos profissionais (cerca de 5%)”, compara a DGEEC.

A maioria dos alunos do ensino científico-humanístico que muda de via formativa tem como destino o ensino profissional.

Além disso, a análise comparativa mostra que, para alunos que ingressam no secundário com a mesma idade e com o mesmo número de retenções anteriores, as percentagens de conclusão em três anos são significativamente superiores no ensino profissional face ao científico-humanístico.

Por exemplo, 43% dos alunos que entram para um curso profissional aos 17 anos terminam-no no período previsto. Nos científico-humanísticos isso só acontece com 18%.

Comparando os dois relatórios, os alunos que ingressam no ensino profissional aparentam ter menos dificuldades escolares durante o ensino secundário do que os que ingressam no científico-humanístico.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ex-aliada de Bolsonaro denuncia grupo difusor de notícias falsas ligado ao Presidente

A deputada brasileira Joice Hasselmann, ex-líder do Governo de Jair Bolsonaro no congresso, denunciou na quarta-feira a atuação de um grupo difusor de "fake news" (notícias falsas) ligado ao atual Presidente, Jair Bolsonaro, e que …

Banco BiG: EUA e China vão chegar a acordo, mas não será duradouro

No "Outlook" para 2020, os analistas do banco BiG defendem que será improvável que Estados Unidos e China cheguem a um consenso suficiente para reverter as taxas aduaneiras impostas. De acordo com os analistas do banco …

Alemanha expulsa dois diplomatas russos. Rússia vai tomar medidas

Dois diplomatas russos, acusados pelo Ministério Público alemão de falta de cooperação na investigação de um homicídio, foram expulsos da Alemanha. A Rússia já reagiu e avisou que tomará medidas. Esta quarta-feira, a Alemanha expulsou "com …

Segurança Social demora quase cinco meses a pagar pensões

Em 2018, os beneficiários da Segurança Social tiveram de esperar, em média, 147 dias - cerca de cinco meses -, entre o dia que se aposentaram e o momento que começaram a receber a pensão …

Empresas fechadas e 28 mil despedimentos. Setor têxtil pode atravessar crise

Até 2025, a indústria têxtil em Portugal pode ver um terço das empresas a fecharem e 28 mil trabalhadores a serem despedidos. Este é o pior cenário equacionado no setor nos próximos anos. O setor da …

Ministério Público arquiva queixa de Aguiar-Branco contra Ana Gomes por difamação

Aguiar Branco tinha levantado um processo de difamação a Ana Gomes por declarações sobre alegadas ligações entre o seu escritório de advogados e o grupo Martifer. O Ministério Público (MP) arquivou a queixa apresentada pelo ex-ministro …

66 louvores a funcionários. Centeno é o ministro mais "agradecido" de todo o Governo

Mário Centeno e os seus secretários de Estado publicaram em Diário da República 66 louvores. O seu gabinete garante que não há qualquer significado político associado - nem mesmo uma despedida anunciada. O louvor é dado …

Os glaciares da Nova Zelândia estão a mudar de cor

À medida que o Hemisfério Sul entra no verão, acontece uma temporada catastrófica de incêndios florestais na costa leste da Austrália. Há casas destruídas, coalas a morrer e um fumo espesso que cobre o estado …

Não se irrite. Fisco vai comunicar de forma mais clara

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai lançar um serviço de apoio e defesa ao contribuinte que usará uma linguagem mais simples e clara. A alteração é inspirada num modelo britânico. A Autoridade Tributária e Aduaneira vai …

Juiz Rui Rangel justificou ganhos com direitos de autor de programa televisivo

O juiz afirmou, perante o plenário do Conselho Superior da Magistratura, que os ganhos fora da magistratura correspondiam a direitos de autor de um programa na televisão. O juiz Rui Rangel, que foi demitido da magistratura esta …