Apenas metade dos alunos que entram mais tarde no secundário têm sucesso escolar

Basta entrar um ano mais tarde no secundário para ter insucesso escolar. Metade dos alunos dos alunos que o fazem ficam retidos ou desistem. Entre os que iniciam um curso científico-humanístico com a idade normal, isso só acontece com 27%.

As conclusões foram divulgadas num estudo sobre o ensino científico-humanístico, conduzido pela Direção-Geral de estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), que avaliou a situação dos alunos inscritos nos cursos científico-humanísticos, três anos depois do ano letivo em que entraram.

Começar mais tarde pode ser associado a retenções prévias durante o ensino básico e, por isso, é uma métrica do impacto dos chumbos no sucesso escolar. Quanto mais chumbos houve, maior é o insucesso. Só 12% dos estudantes que começam aos 18 termina no tempo previsto – três anos – e 38% acabam por desistir.

Os alunos que não beneficiam de apoio social escolar (ASE) e os que frequentam escolas privadas durante o ensino secundário têm uma melhor prestação do que os seus colegas que beneficiam de ASE e frequentam escolas públicas. Segundo o Público, é entre os alunos que recebem mais apoio ASE que os resultados são piores.

Menos de metade (45%) termina o secundário nos três anos esperados. Este dado “é habitual em muitos outros níveis de ensino e ofertas formativas”.

O Algarve e Lisboa são as regiões onde os alunos menos concluem o secundário no tempo esperado, 51% e 54%, respetivamente. A taxa de sucesso é maior no Norte (64%). Entre os alunos inscritos nos cursos de Ciências e Tecnologias (63%) o sucesso também é maior do que nos restantes cursos: Línguas e Humanidades, Ciências Socioeconómicas e Artes Visuais.

Ainda assim, os dados da DGEEC mostram que há cada vez mais alunos a concluir o secundário no tempo previsto.

Os cursos profissionais

Em Agosto, a DGEEC fez uma análise de percursos semelhante, mas para os estudantes dos cursos profissionais, que já são 28% do total de inscritos.

“A percentagem de alunos que se transfere para outras ofertas educativas a meio do seu percurso no ensino secundário é significativamente superior entre os alunos que ingressam nos cursos científico-humanísticos (cerca de 10%) do que entre os que optam pelos profissionais (cerca de 5%)”, compara a DGEEC.

A maioria dos alunos do ensino científico-humanístico que muda de via formativa tem como destino o ensino profissional.

Além disso, a análise comparativa mostra que, para alunos que ingressam no secundário com a mesma idade e com o mesmo número de retenções anteriores, as percentagens de conclusão em três anos são significativamente superiores no ensino profissional face ao científico-humanístico.

Por exemplo, 43% dos alunos que entram para um curso profissional aos 17 anos terminam-no no período previsto. Nos científico-humanísticos isso só acontece com 18%.

Comparando os dois relatórios, os alunos que ingressam no ensino profissional aparentam ter menos dificuldades escolares durante o ensino secundário do que os que ingressam no científico-humanístico.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rios ocultos de água quente estão a derreter o gelo da Antártida

O gelo antártico está a ser desestabilizado por rios ocultos e invertidos de água quente que correm por baixo das plataformas, derretendo-as. Os cientistas conhecem estes canais basais nas plataformas de gelo há vários anos, mas …

Enorme impacto cósmico pode ter assolado a Terra há 12.800 anos

Uma equipa de cientistas descobriu excesso de platina em material sedimentar extraído de depósitos de turfa localizados em Wonderkrater, Limpopo, na África do Sul, revelou uma nova investigação. De acordo com um novo estudo, cujos resultados …

Astronauta capta o colossal "Olho do Sahara" a partir da EEI

A Agência Espacial Europeia publicou neste domingo uma fotografia da colossal estrutura de Richat, uma formação geológica enigmática no centro da Mauritânia, conhecida como o "Olho do Sahara". A estrutura, que tem cerca de 40 quilómetros …

NASA revela novos fatos espaciais que os astronautas vão levar para a Lua (e são pura ficção científica)

A NASA apresentou na terça-feira, na sua sede, em Washington, Estados Unidos, os novos fatos espaciais que os astronautas da missão Artemis vão usar em 2024, quando voltarem à Lua. Fatos feitos em modelos 3D, à …

Panama Papers. Mossack Fonseca não gostou do filme e processou Netflix por difamação

A dupla de sócios do escritório de advogados Mossack Fonseca, envolvido no caso “Panama Papers”, moveu um processo em tribunal por difamação contra a Netflix. A plataforma anuncia a estreia, para esta sexta-feira, do filme “Laundromat: …

Porsche e Boeing unem-se em projeto de táxi aéreo premium

A Porsche e a Boeing estão a unir esforços para explorar o mercado de mobilidade área urbana. Aproveitando os seus pontos fortes, as duas empresas prometem desenvolver um táxi aéreo para o futuro. Numa verdadeira fusão …

Fotografia com pombos? Na Tailândia, há "profissionais" contratados para assustá-los

A área de uma das portas da cidade, Tha Pae, parte do que resta da muralha vermelha que protegia a cidade antiga em Chiang Mai, na Tailândia, é uma das maiores atrações turísticas locais. Os turistas …

Sky News lança canal sem qualquer notícia sobre o Brexit

O canal Sky News Brexit-Free foi esta quarta-feira para o ar às 17h horas, sendo que os seus programas serão transmitidos até às 22h, de segunda a sexta-feira. O grupo de televisão britânico Sky vai lançou …

Vacina contra o cancro da mama pode estar disponível dentro de 8 anos

Investigadores da Clínica Mayo desenvolveram uma vacina contra o cancro ovário e da mama que poderá estar disponível comercialmente dentro de apenas oito anos. A ideia da vacina é estimular o próprio sistema imunológico dos pacientes …

Busca pelo avião de Amelia Earhart só encontrou chapéus, detritos de um naufrágio e uma lata de refrigerante

A mais recente busca pelos restos do avião de Amelia Earhart, a famosa aviadora americana que desapareceu sobre o Pacífico em 1937, terminou sem resultados. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, a investigação …