Misteriosa mensagem esculpida numa rocha em França foi finalmente decifrada

Donald / Twitter

Pedra Roseta de la localidad francesa de Plougastel-Daoulas

A inscrição, gravada há 250 anos numa rocha na região francesa da Bretanha, foi finalmente decifrada graças a um concurso lançado pelo município.

O mistério, que há muitos anos intrigava a comunidade científica e curiosos de todo o mundo, foi finalmente decifrado esta segunda-feira, de acordo com o jornal francês Le Monde.

Situada numa zona rochosa de costa acessível apenas durante a maré baixa, a pedra está inteiramente gravada em toda a sua face exposta ao mar. São visíveis inscrições aparentemente aleatórias, a maioria em letras maiúsculas, mas também gravuras, incluindo um barco à vela com mastro e leme.

Existem também datas, incluindo 1786 e 1787, que correspondem aproximadamente aos anos de construção das várias fortificações que protegiam o porto de Brest, capital do departamento francês da Finisterra, na Bretanha. “ROC AR B… DRE AR GRIO SE EVELOH AR VIRIONES BAOAVEL… R I …OBBIIE RISBVILAR… FROIK… AL”, escreveu alguém na pedra, o que aparentemente não faz sentido.

O concurso lançado pelo município, que visava decifrar o enigma, ganhou o interesse de cerca de duas mil pessoas, oriundas dos quatro cantos do mundo. No final, foram selecionados 600.

Os participantes tinham de responder a várias a questões como quem gravou a pedra, em que idioma e codificações e para dizer o quê.

O júri, composto principalmente por historiadores, selecionou duas hipóteses entre as 61 selecionadas, a maioria delas de França, mas também do Brasil, Estados Unidos, Tailândia, Rússia, Espanha, Itália e Emirados Árabes Unidos.

“Hoje demos um grande passo”, disse Dominique Cap, presidente de Plougastel-Daoulas, perto de Brest, depois de revelar, em conferência de imprensa, os nomes dos vencedores do concurso que pretendia desvendar as inscrições.

As duas hipóteses vencedoras coincidem na tese de se tratar da homenagem a um marinheiro falecido feita por um parente e escrita em bretão. O bretão é uma língua celta ainda hoje falada em certas zonas da região francesa da Bretanha.

“Serge morreu no ano passado, estando mal treinado para navegar e o seu barco virou com o vento”, conta a rocha, segundo a hipótese avançada por Noel René Toudic, graduado em estudos celtas, que evoca um soldado, Serge Le Bris, que terá morrido no mar durante uma tempestade. Outro soldado, Grégoire Haloteau, terá gravado o texto em homenagem ao falecido. Toudic atribui à sua tese 80% de hipóteses de exatidão.

A segunda hipótese baseia-se facto de ser um texto em bretão, mas propõe “uma abordagem histórica e não apenas linguística”, segundo os seus autores, Roger Faligot, escritor, e Alain Robet, desenhador. Ambos avançam com uma tradução diferente da inscrição: “Que aflição ver-se de repente na marinha no meio de uma terrível tempestade”, de acordo com o portal RTL.

“Há ainda um longo caminho a percorrer para desvendar completamente o mistério”, disse Cap, acrescentando que algumas partes do texto ainda não foram decifradas e que ainda falta identificar os dois soldados.

O município pretende agora valorizar a rocha, tornando-a mais acessível a turistas e fazendo uma reprodução da mesma para o Museu Municipal.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Arqueólogos revelam condições horríveis de campo de concentração nazi no Reino Unido

Uma equipa de arqueólogos revelou as condições horríveis de um campo de concentração nazi em Alderney, a ilha britânica mais setentrional do Canal da Mancha, onde estavam prisioneiros políticos e trabalhadores forçados durante a Segunda …

Governo quer reabrir ensino secundário a 4 de maio. Telescola deve arrancar depois da Páscoa

O Governo está a preparar a reabertura das escolas apenas para o ensino secundário para 4 de maio. Ainda falta ouvir a Direção-geral da Saúde, os especialistas, o Conselho Nacional de Educação e o Conselho …

“Não há razão para alarme”. Governo quer perdoar penas até dois anos e antecipar liberdade condicional

A proposta de lei do Governo que estabelece um regime excecional para as prisões, no âmbito da pandemia covid-19, já deu entrada na Assembleia da República, podendo ser consultada na página oficial do Parlamento. No diploma, …

O nosso cérebro evoluiu para acumular mantimentos (e julgar os outros por fazer o mesmo)

O nosso cérebro evoluiu de uma forma que, em situações de stress, acumulamos mantimentos e julgamos os outros por fazer exatamente o mesmo. Os media estão repletos de histórias – e a condenação – de pessoas que …

Autarca de Vieira do Minho denuncia: testes estão a ser desviados para Lisboa

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Gerês/Cabreira, Vieira do Minho, detetou 77 infetados pelo novo coronavírus, com os autarcas da área a reclamarem contra a demora na distribuição de testes, disse esta sexta-feira à …

Trump recomenda uso de máscaras (mas recusa-se a usá-las)

Esta sexta-feira, os Estados Unidos tiveram, pelo quarto dia consecutivo, o maior número de mortes em 24 horas, num total de 1.094, e contam com quase 30 mil novos casos. No seu briefing diário, de acordo …

A Antártida já foi uma floresta tropical

A Antártida pode ter sido o lar de ecossistemas quentes e pantanosos cercados por fetos e árvores coníferas há 90 milhões de anos, altura marcada pelo auge dos dinossauros. Uma análise do solo antigo extraído da …

Algumas estrelas têm "veneno" dentro de si (e é por isso que explodem)

Algumas estrelas têm um "veneno" dentro de si: o elemento néon no núcleo das estrelas pode desencadear uma reação química que leva a uma morte definitiva e explosiva. Estrelas menos massivas, como o nosso Sol, expandem-se …

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …