Misteriosa mensagem esculpida numa rocha em França foi finalmente decifrada

Donald / Twitter

Pedra Roseta de la localidad francesa de Plougastel-Daoulas

A inscrição, gravada há 250 anos numa rocha na região francesa da Bretanha, foi finalmente decifrada graças a um concurso lançado pelo município.

O mistério, que há muitos anos intrigava a comunidade científica e curiosos de todo o mundo, foi finalmente decifrado esta segunda-feira, de acordo com o jornal francês Le Monde.

Situada numa zona rochosa de costa acessível apenas durante a maré baixa, a pedra está inteiramente gravada em toda a sua face exposta ao mar. São visíveis inscrições aparentemente aleatórias, a maioria em letras maiúsculas, mas também gravuras, incluindo um barco à vela com mastro e leme.

Existem também datas, incluindo 1786 e 1787, que correspondem aproximadamente aos anos de construção das várias fortificações que protegiam o porto de Brest, capital do departamento francês da Finisterra, na Bretanha. “ROC AR B… DRE AR GRIO SE EVELOH AR VIRIONES BAOAVEL… R I …OBBIIE RISBVILAR… FROIK… AL”, escreveu alguém na pedra, o que aparentemente não faz sentido.

O concurso lançado pelo município, que visava decifrar o enigma, ganhou o interesse de cerca de duas mil pessoas, oriundas dos quatro cantos do mundo. No final, foram selecionados 600.

Os participantes tinham de responder a várias a questões como quem gravou a pedra, em que idioma e codificações e para dizer o quê.

O júri, composto principalmente por historiadores, selecionou duas hipóteses entre as 61 selecionadas, a maioria delas de França, mas também do Brasil, Estados Unidos, Tailândia, Rússia, Espanha, Itália e Emirados Árabes Unidos.

“Hoje demos um grande passo”, disse Dominique Cap, presidente de Plougastel-Daoulas, perto de Brest, depois de revelar, em conferência de imprensa, os nomes dos vencedores do concurso que pretendia desvendar as inscrições.

As duas hipóteses vencedoras coincidem na tese de se tratar da homenagem a um marinheiro falecido feita por um parente e escrita em bretão. O bretão é uma língua celta ainda hoje falada em certas zonas da região francesa da Bretanha.

“Serge morreu no ano passado, estando mal treinado para navegar e o seu barco virou com o vento”, conta a rocha, segundo a hipótese avançada por Noel René Toudic, graduado em estudos celtas, que evoca um soldado, Serge Le Bris, que terá morrido no mar durante uma tempestade. Outro soldado, Grégoire Haloteau, terá gravado o texto em homenagem ao falecido. Toudic atribui à sua tese 80% de hipóteses de exatidão.

A segunda hipótese baseia-se facto de ser um texto em bretão, mas propõe “uma abordagem histórica e não apenas linguística”, segundo os seus autores, Roger Faligot, escritor, e Alain Robet, desenhador. Ambos avançam com uma tradução diferente da inscrição: “Que aflição ver-se de repente na marinha no meio de uma terrível tempestade”, de acordo com o portal RTL.

“Há ainda um longo caminho a percorrer para desvendar completamente o mistério”, disse Cap, acrescentando que algumas partes do texto ainda não foram decifradas e que ainda falta identificar os dois soldados.

O município pretende agora valorizar a rocha, tornando-a mais acessível a turistas e fazendo uma reprodução da mesma para o Museu Municipal.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Avalanches submarinas prendem microplásticos no fundo do oceano

As avalanches de sedimentos submarinos transportam os microplásticos para o fundo do oceano e um projeto de colaboração entre as Universidades de Manchester, Utrecht e Durham e o Centro Nacional de Oceanografia acaba de revelar …

Aos 107 anos, Cornelia Ras conseguiu vencer a covid-19

Cornelia Ras, que contraiu o novo coronavírus em meados de março, pode ser a mulher mais velha do mundo a vencer a covid-19. Nunca se é velho demais para vencer o novo coronavírus e a holandesa …

Coreia do Norte pode estar a usar fábricas de fertilizantes para extrair urânio

Um novo estudo norte-americano mostra que a Coreia do Norte pode estar a utilizar fábricas de fertilizantes para produzir mais material nuclear, extraindo urânio de ácidos fosfóricos. Segundo noticiou o Newsweek, na opinião da investigadora Margaret …

Distância social de 1,5 metros é insuficiente para travar contágio

O estudo realizado por investigadores e engenheiros especializados em dinâmica de fluidos concluiu que a distância deve ser de, pelo menos, quatro metros. Um estudo divulgado esta quinta-feira alerta que a distância social de 1,5 metros …

Estados Unidos registam 9 desempregados por segundo

O desemprego está a atingir números preocupantes nos Estados Unidos: só na última semana, 6,6 milhões de pessoas declararam estar sem emprego para poder receber apoios, um número semelhante ao da semana anterior. De acordo com …

Chineses desistem de comprar o BNI Europa. Está agora em mãos angolanas

O contexto de incerteza, provocado pela pandemia de covid-19, levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. O grupo chinês KWG desistiu de comprar 80,1% da participação do BNI …

Tesla usa peças do Model 3 para construir um ventilador

A Tesla também está a tentar contribuir para colmatar a escassez de ventiladores com um novo protótipo, feito com partes do Model 3. A Tesla construiu um ventilador com recurso a componentes automóveis. A fabricante elétrica …

Há acordo no Eurogrupo: 500 mil milhões de euros "disponíveis imediatamente"

Os ministros das Finanças da Zona Euro chegaram a acordo, esta quinta-feira, sobre os apoios económicos para fazer face à pandemia de covid-19. O Eurogrupo chegou a acordo sobre o pacote de ajuda económica para a …

Se recebeu uma chamada da Tunísia, não devolva. É fraude

Clientes de várias operadoras nacionais têm recebido, nas últimas semanas, um "anormal" volume de chamadas internacionais. As operadoras suspeitam de fraude. Segundo o Jornal de Notícias, várias pessoas têm recebido chamadas de u número internacional que …

FMI avisa que vêm aí "tempos sombrios" e que "todos vão sofrer"

Kristalina Georgieva, chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), avisou que os próximos tempos serão sombrios e que todos irão sofrer. Numa introdução às reuniões da primavera do FMI e do Banco Mundial, que decorrem entre 14 …