Medina e Moreira exigem que Tribunal de Contas “despache favoravelmente” projetos chumbados

Estela Silva / Lusa

Os presidentes das câmaras de Lisboa e Porto exigiram, esta sexta-feira, que o Tribunal de Contas “despache favoravelmente” os projetos do Programa de Rendas Acessíveis e do Matadouro, lamentando a ausência de comunicação no processo.

Em causa está o chumbo destes dois projetos pelo Tribunal de Contas, decisão que foi justificada pelo regime legal relativamente às parcerias público privadas (PPP). No entanto, segundo uma clarificação feita pelo Governo a pedido dos autarcas, esta legislação “não se aplica aos municípios”.

Numa conferência de imprensa conjunta, em Lisboa, os presidentes das câmaras de Lisboa e do Porto, Fernando Medina e Rui Moreira, respetivamente, consideraram “lamentável” a atuação do Tribunal de Contas e “toda a ausência de comunicação no processo”, uma vez que os municípios tiveram 10 dias úteis para recorrer da decisão.

Contudo, podem ficar, “por tempo indeterminado”, sem resposta deste órgão de fiscalização da legalidade das despesas públicas.

“Esta clarificação é da maior importância, porque a verdade é que, ao longo de meses, a ação da Câmara Municipal de Lisboa numa área absolutamente decisiva, que é área do acesso à habitação, tem sido limitada por uma interpretação errada da legislação, e que esperamos que seja em definitivo ultrapassada pelo Tribunal de Contas”, disse Medina, classificando como “absolutamente incompreensível” a demora em responder ao recurso.

Com a expectativa que o Tribunal de Contas encerre o processo, “despachando favoravelmente os projetos”, o presidente da Câmara de Lisboa disse que em causa estão as concessões do Programa de Rendas Acessíveis, que prevê a construção de cerca de 200 casas na capital e estima ter “mais de 2.000 fogos”.

Lembrando a “gravíssima crise de habitação”, Medina afirmou que “a cidade não pode esperar mais” pela oferta de casas a preços acessíveis, indicando que estas habitações “não serão construídas se não for com recurso a investimento privado”.

Apoiando a posição do município de Lisboa, o presidente da Câmara Municipal do Porto referiu que a habitação acessível é, também, uma questão que “preocupa muito” a cidade, pelo que aguarda “com muita expectativa” o que vai acontecer na capital.

“Precisamos de compreender qual é o entendimento legal relativamente a esta matéria e a posição que o Tribunal de Contas assume relativamente a Lisboa é para nós crucial”, reforçou Rui Moreira, adiantando que o Porto está a trabalhar em projetos de rendas acessíveis, nomeadamente no Quartel Monte Pedral.

Além da habitação, o município do Porto quer saber qual a decisão final do Tribunal de Contas relativamente ao projeto do Matadouro, “altamente consensual na cidade do Porto”, que aposta na coesão social, emprego e cultura, mas que foi chumbado por este órgão de fiscalização das despesas públicas.

Há mais de um ano e meio que este assunto se arrasta pelo Tribunal de Contas. Vimos o nosso projeto chumbado, exatamente, por esta interpretação, considerando que era uma parceria público privada, o que nos surpreendeu”, indicou Rui Moreira, acrescentando que a clarificação da lei só veio afirmar o que “já era evidente” e que consta do recurso apresentado pela Câmara Municipal do Porto, sem resposta há cerca de 10 meses.

Sem sim nem não do Tribunal de Contas aos recursos apresentados, os autarcas estão “impedidos de pensar num plano B”, porque se avançarem com outras alternativas arriscam-se a pagar indemnizações aos investidores que ganharam os concursos públicos para os projetos do Matadouro, no Porto, e do Programa de Rendas Acessíveis, em Lisboa.

“O problema é que, neste momento, estamos a ser vítimas do que está a ser um comportamento que, do ponto de vista institucional, não é correto,no relacionamento entre instituições do Estado, que estão obrigadas a um dever de cooperação, e muito menos dada a importância crítica dos projetos que estão em causa e dada as instituições que estão em causa”, reclamou o presidente da Câmara de Lisboa.

Medina exigiu ainda respeito pelas competências que assume como autarca, pelo mandato para que foi eleito e pelas deliberações dos órgãos municipais.

Concordando com as exigências do autarca de Lisboa, o presidente da Câmara do Porto ressalvou que o mandato como autarca é de quatro anos, pelo que o adiamento da decisão do Tribunal de Contas aos recursos apresentados significa que “os eleitos estão impedidos de governar”.

“Não aceito que algum Tribunal de Contas me pergunte porque é que eu vou fazer um museu da indústria [uma das propostas do projeto do Matadouro] numa zona degradada da cidade e não vou fazer numa zona chique onde por acaso a bilhética pode ser maior”, reclamou Rui Moreira, defendendo que “é uma matéria do foro político”.

Neste âmbito, os autarcas de Lisboa e do Porto recusam-se a receber “lições de boa gestão” e “lições de moral” do Tribunal de Contas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. “toda a ausência de comunicação no processo” “lamentavel”… ah pois… quando é a autarquia a ter de responder em 10 dias e ficar meses à espera, já é um problema…

    Mas a pratica recorrente e generalizada da artarquia fazer o mesmo a todos os seus “requerentes” Já não é lamentavel?

    Apenas quer mais um site para colocar um outdoor… a fazer publicidade de “fachada” em todos os sentidos da palavra! ( sem falar de outras ilicitudes destas PPP )

    de facto é o TdC que tem motivações meramente “politicas” e actos “incompetentes”… lol

RESPONDER

Mulheres menos propensas à covid-19 por respeitarem mais o distanciamento social

Uma das razões pelas quais as mulheres podem ser menos vulneráveis ​​a infeção pelo novo coronavírus deve-se ao facto de serem mais propensas a aderir às políticas de distanciamento social, sugeriu uma nova pesquisa. Uma pesquisa …

Braga 3 - 0 AEK | Minhotos de gala conquistam atenienses

O Sporting de Braga iniciou a sua participação no Grupo G da Liga Europa com uma vitória. Na recepção aos gregos do AEK de Atenas, os minhotos mostraram ser muito mais equipa e ganharam por …

Capitalismo vai arruinar o planeta até 2050, alertam cientistas

Um grupo de cientistas alerta que se continuarmos com este capitalismo desenfreado, o nosso planeta vai sofrer consequências a nível climático e ambiental. Até 2050, o planeta Terra pode sofrer seriamente às mãos do capitalismo desenfreado. …

Os novos faróis inteligentes da Audi levam-no ao cinema sem sair do carro

Os novos faróis LED da Audi levam-no ao cinema sem sair do carro, já que são capazes de projetar imagens na estrada ou em paredes. A novidade é lançada na nova linha de SUVs elétricos da …

FC Porto foi "histriónico" e não se portou bem, escreve-se em Manchester

Jornal inglês alega que os elementos do FC Porto foram exagerados, turbulentos e não tiveram um comportamento adequado. Não há uma única palavra sobre o árbitro. Na manhã seguinte à derrota (3-1) do FC Porto em …

De passagem secreta a cemitério de carros. Túnel sob Nápoles "esconde" veículos enferrujados da II Guerra

No centro de Nápoles, em Itália, há veículos e motocicletas abandonados e enferrujados dos anos 1940 alinhados num túnel a mais de 30 metros abaixo dos seus pés. A Piazza del Plebiscito foi nomeada após uma …

Primeira ministra islandesa interrompida por um terramoto quando dava uma entrevista em direto

Um terramoto de magnitude 5.6 interrompeu uma entrevista em direto da primeira ministra islandesa ao The Washington Post. Mas Katrin Jakobsdottir reagiu à situação de forma tranquila: "Isto é a Islândia". Katrin Jakobsdottir estava a dar …

O voo mais longo do mundo está de volta (e agora é ainda mais longo)

O voo da Singapore Airlines que partia de Singapura com destino até Nova Iorque, foi uma das vítimas do covid-19 e ficou suspendo a 23 de março. Agora, é possível viajar nesta rota novamente, e …

Obras de cinco museus de Berlim vandalizadas no início do mês

Sarcófagos egípcios, pinturas do século XIX e esculturas em pedra de três dos principais museus de Berlim foram atacados com uma substância líquida oleosa a 3 de outubro, dia em que se festejaram os 30 …

Lech Poznań 2 - 4 Benfica | Darwin e a teoria da vitória

Pela primeira vez na fase de grupos da Liga Europa, desde que a prova foi criada na época 2009/10, o Benfica iniciou da melhor forma o trajecto na competição, venceu em solo polaco o Lech …